Notícias

Com sinais de crueldade humana, dois pinguins são encontrados mortos em Florianópolis

Um animal enforcado e outro com crânio fraturado foram resgatados na praia de Canasvieiras, no norte da Ilha de Florianópolis. Crueldade chamou atenção da equipe de resgate

Daniele Bragança ·
9 de julho de 2021

A imagem é revoltante. Dois pinguins-de-magalhães (Spheniscus magellanicus) encontrados mortos na praia de Canasvieiras, no norte da Ilha de Florianópolis – um com o pescoço amarrado a uma pedra de construção, outro com o crânio fraturado. Os corpos dos animais foram encontrados por um morador, que chamou a Guarda Municipal. Os guardas fizeram o recolhimento dos corpos, encaminhados para necrópsia no Centro de Pesquisa, Reabilitação e Despetrolização de Animais Marinhos/R3 Animal, associação que faz o monitoramento, pesquisa, resgate e reabilitação de animais marinhos em Florianópolis.

Ainda não se sabe a causa mortis dos animais, que será confirmada apenas com a necrópsia, mas a desconfiança é de crueldade humana. Em conversa com ((o))eco, a R3 Animal disse que o recolhimento de corpos de pinguins com pedra amarrada no pescoço é raro. “Esse tipo de coisa a gente nunca tinha enfrentado”. Em 2020, a associação registrou o recebimento de 800 pinguins-de-magalhães (Spheniscus magellanicus), sendo 684 mortos e 116 animais vivos no momento do resgate. 

Pinguins encontrados na praia de Canasvieiras. Foto: Guarda Municipal de Florianópolis.

Os dois pinguins-de-Magalhães mortos são juvenis (adolescentes). Não se pode afirmar, mas talvez essa tenha sido a primeira viagem de inverno deles sozinhos para longe de casa, o que os torna mais vulneráveis ainda a mortandade. Em nota, a R3 Animal afirmou que estamos em plena temporada dos pinguins na costa brasileira, o que aumenta os registros de resgate desses animais, principalmente devido a acidente com rede de pesca. “Caso um pinguim seja capturado na rede,  ligue para o telefone 0800 642 3341 e a base mais próxima do Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos (PMP-BS) irá resgatá-lo. Contamos com sua colaboração, ela pode ajudar a salvar vidas”.

Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos

O Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos (PMP-BS) é uma atividade desenvolvida para o atendimento de condicionante do licenciamento ambiental federal, conduzido pelo Ibama, das atividades da Petrobras de produção e escoamento de petróleo e gás natural na Bacia de Santos. O derramamento de petróleo é um dos principais responsáveis pela morte de pinguins no mundo. 

O objetivo do PMP-BS é avaliar possíveis impactos das atividades de produção e escoamento de petróleo sobre as aves, tartarugas e mamíferos marinhos, através do monitoramento das praias e atendimento veterinário aos animais vivos e necropsia dos encontrados mortos. O PMP-BS é realizado desde Laguna/SC até Saquarema/RJ, sendo dividido em 15 trechos. Em Florianópolis (Trecho 3) o projeto é executado pela R3 Animal.

  • Daniele Bragança

    É repórter especializada na cobertura de legislação e política ambiental. Formada em jornalismo pela Universidade do Estado d...

Leia também

Salada Verde
7 de novembro de 2018

Pinguins voltam ao habitat natural em Florianópolis

Após reabilitação, cerca de 18 pinguins-de-magalhães (Spheniscus magellanicus) são soltos na Praia de Moçambique. É a terceira soltura dessas aves, totalizando 56 animais

Colunas
3 de novembro de 2019

Óleo no litoral do Nordeste e do Brasil

O problema é grave e o país precisa mobilizar esforços, inclusive internacionais, para lidar com esse desastre de proporções inéditas

Colunas
29 de abril de 2008

Por que não existem pingüins no hemisfério norte?

De 1600 para cá, foram extintas pelo homem pelo menos umas 120 espécies de aves, 60 de mamíferos e 600 plantas. Por que essas coisas ainda são tão pouco divulgadas e discutidas?

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta