Notícias

Filhotes animam projeto de conservação do pato-mergulhão

Zoológico do interior de São Paulo já havia conseguido reproduzir a espécie em cativeiro, mas desta vez os casais de patos-mergulhões não precisaram de ajuda para chocar os ovos

Vandré Fonseca ·
14 de agosto de 2018 · 3 anos atrás
Família de pato-mergulhão. Filhotes nasceram em cativeiro, sem ajuda humana. Foto: Zooparque Itatiba (SP).

Responsáveis pelo programa de conservação do pato-mergulhão (Mergus octosetaceus), uma das aves mais raras e ameaçadas do mundo, comemoram o nascimento dos primeiros filhotes em cativeiro, sem a ajuda de seres humanos. Os quatro patinhos nasceram em 8 de julho, no Zooparque Itatiba (SP), a 85 quilômetros da capital do estado.

Para a equipe do projeto, o nascimento indica que os patos-mergulhões criados em cativeiro podem ser bons pais. No ano passado, o zoológico já havia conseguido a reprodução da espécie em cativeiro, mas os filhotes foram incubados em uma chocadeira artificial e receberam cuidados de seres humanos.

O pato-mergulhão é uma das aves aquáticas mais raras e ameaçadas do mundo, considerado como “em perigo crítico” pela União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN, em inglês). Existem menos de 250 indivíduos na natureza, encontrados Minas Gerais, Goiás e Tocantins. O pato-mergulhão foi escolhido como Embaixador das Águas do Brasil, no 8º Fórum Mundial da Água, realizado em março deste ano, em Brasília.

Filhotes. Foto: Zooparque Itatiba (SP).

Segundo informações do Zooparque Itatiba, é uma ave que se alimenta exclusivamente de peixes e depende de águas limpas e transparentes para ter boa visibilidade e encontrar as presas. Vivem preferencialmente em rios com corredeiras e vegetação nas margens e são considerados bioindicadores, ou seja, a presença dele demonstra que o ambiente está em equilíbrio.

No Zooparque Itatiba vivem 21 patos-mergulhões adultos, que nasceram a partir de ovos coletados no Jalapão (TO), Patrocínio (MG) e Serra da Canastra (MG), que segundo informações do zoológico, não teriam condições de eclodir no ambiente em que estavam. No ano passado, nasceram os primeiros descendentes das aves em cativeiro.

O projeto pretende aumentar a população da ave em cativeiro, para que ela seja reintroduzida na natureza. A reprodução em cativeiro é a primeira etapa do projeto, desenvolvido pela Associação Natureza Itatiba, que tem sede no zoológico. O projeto teve início em 2006, mas só a partir da criação do Plano Nacional de Conservação (PAN) da espécie começou a ganhar forma.

Embora estejam em um zoológico, os patos-mergulhões são mantidos em um recinto fechado à visitação. Eles vivem em uma área de 100 metros quadrados, onde existe uma lagoa artificial, água corrente e um ninho em tronco de madeira. Além de ração, recebem alevinos de lambari vivos colocados nas lagoas, para estimular o comportamento natural. Eles são monitorados por câmeras 24 horas por dia e os visitantes podem acompanhá-los através de um centro audiovisual.

 

Leia Também

O árduo caminho para proteger o pato mergulhão

Um lugar para o pato-mergulhão

Pato ameaçado por energia limpa

 

 

 

 

 

 

Leia também

Reportagens
2 de outubro de 2009

Pato ameaçado por energia limpa

Hidrelétricas podem exterminar com habitats da espécie, uma das mais ameaçadas do mundo, na Chapada dos Veadeiros. Também há planos para siderúrgica na região.

Análises
24 de junho de 2005

Um lugar para o pato-mergulhão

Os últimos redutos brasileiros do pato-mergulhão estão cada vez mais ameaçados por barragens e soja. Reservas particulares são uma solução para protegê-los.

Colunas
3 de novembro de 2015

O árduo caminho para proteger o pato mergulhão

Projeto do Instituto Terra Brasilis, na região da Serra da Canastra, busca proteger esta que é uma das dez espécies de aves mais ameaçadas do mundo.

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 2

  1. Fabio diz:

    Espetacular!!! O primeiro passo para restabelecer a espécie em SP (Serra do Mar) e Paraná (Rio Floriano)


  2. Paulo diz:

    Muito boa iniciativa. Há registros desta espécie, no passado em áreas no sul do Brasil.