Notícias

Brasil trava negociações na Convenção sobre Diversidade Biológica

De acordo com comunicado da presidente do CDB, o país impediu o avanço dos acordos para orçamento de 2021 do secretariado, o que garante a continuidade da convenção

Duda Menegassi ·
23 de novembro de 2020
O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, ao lado de Bolsonaro na videoconferência do G20. Foto: Marcos Correa/PR

Depois de ter sido o grande antagonista na Conferência do Clima da ONU em 2019 (COP 25), o Brasil parece insistir no papel de travar as negociações de acordos globais para tratar da pauta ambiental. Segundo comunicado oficial feito pela presidente da Conferência das Partes para Convenção sobre a Diversidade Biológica (CDB), Yasmine Fouad, objeções feitas pelo país impediram o acerto de orçamento de 2021 para o Secretariado da CDB. A nota foi enviada na última quinta-feira (19). Com isso, as reuniões da Convenção também foram adiadas, para haver mais tempo de consulta entre as partes. A sessão será retomada a partir de quarta-feira (25).

De acordo com a nota, o Brasil foi o único dos 196 países signatários que enviou um comentário para inserção de notas de rodapé nas decisões que vinham sendo rascunhadas pela Convenção. “O comentário constitui uma objeção à adoção dessas decisões pelo respectivos órgãos”, indica o comunicado. O orçamento atual do Secretariado da CDB termina dia 31 de dezembro de 2020 e o objetivo das reuniões é garantir o financiamento e a continuidade das ações da Convenção no próximo ano.

Esta é a segunda reunião extraordinária da CDB, que discute a implementação dos protocolos de Cartagena, sobre biossegurança, e de Nagoya, que regulamenta o acesso a recursos genéticos e a repartição de benefícios do uso de forma justa e equitativa.

Devido a pandemia, as reuniões estão sendo realizadas online. Segundo apurou o The Guardian, esta seria uma das razões apontadas pelo Brasil para travar a tomada de decisões, já que dificulta o acesso de nações mais pobres na mesa de discussões. ((o))eco entrou em contato com a assessoria de imprensa do Ministério das Relações Exteriores para esclarecimentos sobre a participação e posicionamento brasileiro na reunião, mas não obteve retorno até o fechamento desta edição.

 

Leia também

Vitória de Biden nos EUA trará mudanças nas políticas ambiental e climática?

América Latina merece uma Recuperação Justa

Os EUA estão fora do Acordo de Paris. Saiba por que isso é mais regra que exceção

  • Duda Menegassi

    Jornalista ambiental especializada em unidades de conservação e montanhismo. Escreve para ((o))eco desde 2012. Autora do livr...

Leia também

Notícias
4 de novembro de 2020

Os EUA estão fora do Acordo de Paris. Saiba por que isso é mais regra que exceção

País tem relação historicamente conturbada com as negociações de clima, moldou acordo atual às suas circunstâncias internas e mesmo assim o abandonou

Análises
3 de junho de 2020

América Latina merece uma Recuperação Justa

Fortemente afetados pela Covid-19, os países da região merecem uma retomada que os coloque no caminho da economia de baixo carbono e de sociedades mais igualitárias

Reportagens
9 de novembro de 2020

Vitória de Biden nos EUA trará mudanças nas políticas ambiental e climática?

((o))eco entrevistou dois experts em política climática e ambiental, que desenharam possíveis cenários para o Brasil e para os EUA sob a administração de Biden e Harris

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta