Associação de servidores denuncia negligência do Ibama com fiscal com suspeita de Covid-19

Duda Menegassi
quinta-feira, 25 junho 2020 16:43
Fiscal com suspeita de Covid-19 teria ficado em hotel sem acesso a estrutura hospitalar e assistência médica. Foto: Vinícius Mendonça/Ibama

A Associação Nacional dos Servidores de Meio Ambiente (Ascema) publicou hoje uma nota em que conta que um fiscal do Ibama, que participava da operação de Garantia da Lei e da Ordem (GLO) junto com as Forças Armadas, na cidade de Apuí, no interior do Amazonas, reportou ontem (24) sintomas suspeitos de Covid-19. O servidor teria então solicitado a transferência para um lugar onde pudesse buscar assistência médica, pedido que teria sido negado pelo diretor de Proteção Ambiental do Ibama, coronel Olímpio Ferreira Magalhães. De acordo com a nota, o fiscal está de quarentena em um hotel na cidade amazonense, sem nenhuma estrutura hospitalar ou apoio médico.

O texto faz a ressalva ainda de que a região de Apuí, onde está hospedado o servidor, é um foco de desmatamento ilegal e apresenta grande hostilidade à presença do órgão ambiental. “O helicóptero da operação deixou a região hoje pela manhã (25) e o servidor ficou para trás, sem qualquer garantia de atendimento hospitalar e segurança física”, descreve a nota (leia na íntegra).

((o))eco procurou a Assessoria de Imprensa do Ministério do Meio Ambiente, que responde pelas demandas de comunicação do Ibama, para esclarecimentos sobre o caso, e obteve a informação de que: “O Ibama informa que, junto com o Exército, disponibilizou a realização do teste de Covid-19 e ambulância para realizar a transferência do servidor para Porto Velho (RO), ambos recusados pelo fiscal. As medidas cabíveis para remoção e cuidados estão sendo tomadas”.

Na última semana, a Ascema já havia enviado uma carta ao presidente do Ibama, Eduardo Bim, em que denuncia o descaso do órgão em relação à segurança dos servidores diante da pandemia. Na carta, a Ascema questiona: “ainda em relação aos servidores infectados pela Covid-19, qual foi o procedimento adotado pela administração do Ibama no sentido de dar a eles, o necessário apoio institucional, uma vez que estes se encontravam em operação, ou seja, no exercício de suas funções? O Ibama providenciou os testes ou isso também ocorreu às expensas de cada um dos servidores? Os exames médicos foram providenciados pela administração do Ibama ou por cada servidor individualmente?”. O texto alerta ainda que o único médico que atendia no posto médico da sede do Ibama teve seu contrato rescindido.

 

Atualização, 25/06/2020 às 22h50

Uma fonte ouvida por ((o))eco, informou que o fiscal do Ibama fez o exame e deu positivo para o novo coronavírus. De acordo com uma reportagem publicada no Estadão na noite de hoje (25), pelo jornalista André Borges, o servidor, Saulo Gouveia, fez o teste hoje, em um hospital público, no município de Apuí, onde está de quarentena em um hotel. Além disso, segundo a matéria, os militares que estão atuando na Operação Verde Brasil 2 têm trabalhado sem uso de equipamentos de proteção contra o coronavírus, reforçando o clima de medo e insegurança entre os participantes da operação.

 

Leia também

MPF denuncia à Justiça grupo que ateou fogo em carro do Ibama, no Pará

Comando da PM de Rondônia suspende participação em operações contra desmatamento

Ações do Ibama e ICMBio na Amazônia serão subordinadas aos militares, decreta Bolsonaro

 

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.