Ártico é ralo global de lixo plástico, dizem cientistas alemães

Claudio Angelo, do Observatório do Clima
quarta-feira, 25 abril 2018 8:24
Gelo marinho no Ártico. Foto: S. Hendricks/Instituto Alfred Wegener.

O polo Norte frequenta o imaginário das pessoas como um lugar selvagem, inóspito e inacessível. Pesquisadores alemães acabam de acrescentar mais um adjetivo a essa lista: emporcalhado por lixo plástico. Eles descobriram que o gelo marinho em todo o Ártico contém concentrações de microplásticos três vezes maiores do que se imaginava. E parte desse lixo está sendo cuspida de volta ao mar à medida que o gelo derrete por conta da mudança climática.

A lista é extensa: por ali existe PET de garrafas, polietileno e polipropileno de embalagens, EVA, PVC de origens diversas, acetato de celulose de bitucas de cigarro, poliéster de tecidos e muito, muito acrílico de verniz de navios e nylon de redes de pesca. Cada litro de gelo marinho contém 12 mil partículas microscópicas dos resíduos da nossa civilização industrial, que foram parar no oceano mais isolado da Terra.

A presença de plástico degradado no mar polar é conhecida pelo menos desde o começo da década. Este jornalista testemunhou uma das primeiras detecções de microplásticos em 2011 no mar de Barents, entre a Noruega e a Groenlândia, feita por uma pesquisadora britânica de carona num navio do Greenpeace. A dimensão do problema e o papel do oceano Ártico no “ciclo do plástico” oceânico, porém, permanecem desconhecidos. Um pouco menos agora.

Num estudo publicado nesta terça-feira (24) no periódico Nature Communications, o grupo de Ilka Peeken, do Instituto Alfred Wegener, sugere que o oceano Ártico é uma espécie de “ralo” para parte das 8 milhões de toneladas de plásticos que a humanidade despeja todo ano no mar. Os resíduos são levados das grandes cidades pelos rios e pelo esgoto até o oceano, e transportados por correntes marinhas até lugares como a Mancha de Lixo do Pacífico, uma região contaminada três vezes maior que a França.

“No mar o plástico é degradado pela água e pela luz do sol e se quebra em pedacinhos muito, muito pequenos. É o chamado microplástico, que consiste em partículas com milésimos de milímetro de diâmetro e cujos efeitos sobre a biodiversidade marinha e a saúde das pessoas ainda não são conhecidos.”

No mar o plástico é degradado pela água e pela luz do sol e se quebra em pedacinhos muito, muito pequenos. É o chamado microplástico, que consiste em partículas com milésimos de milímetro de diâmetro e cujos efeitos sobre a biodiversidade marinha e a saúde das pessoas ainda não são conhecidos. Campanhas vêm sendo feitas nos últimos anos, especialmente na Europa, para banir o uso de plásticos descartáveis justamente por causa de seu impacto no mar.

Apesar da quantidade colossal de plástico que entra no oceano, os cientistas só conhecem o destino de 1% desse lixo. Pekken e colegas sugerem que parte dele está sendo empurrada para o Ártico e armazenada no gelo, ao menos por alguns anos.

Os pesquisadores coletaram amostras de gelo de cinco regiões diferentes do Ártico, em expedições do quebra-gelo alemão Polarstern entre 2014 e 2015. Elas foram comparadas a amostras coletadas em 2005 e 2010.

A quantidade, a variedade e a onipresença de microplásticos no gelo marinho sugere que o lixo está penetrando o polo Norte por meio de correntes no estreito de Bering, no setor do Pacífico, e no estreito de Fram, no setor do Atlântico. As primeiras podem estar carregando resíduos da Grande Mancha de Lixo do Pacífico diretamente para o domínio dos ursos polares.

“Ninguém sabe ao certo quão danosas essas micropartículas são para a vida marinha ou, em última análise, para os seres humanos”, afirmou Pekken em comunicado do Instituto Alfred Wegener.

Depois de passar alguns anos estocado no gelo e circulando pelo Ártico, o microplástico é empurrado pelas correntes para o estreito de Fram, no leste da Groenlândia, para onde escoa boa parte do gelo marinho que derrete no verão. Com a aceleração do degelo, esse “reservatório” global de microplástico devolve o lixo ao mar cada vez mais rápido.

Mas não é só isso: analisando a concentração de partículas e seu tipo no setor atlântico do oceano Ártico, os cientistas também inferem que o aumento das atividades humanas na região – como pesca, transporte marítimo e exploração de óleo e gás –, que vêm sendo facilitadas nos últimos anos pelo degelo, também está contribuindo para a sujeira. “A alta concentração no gelo marinho não pode ser atribuída somente a fontes de fora do Oceano Ártico. Elas também apontam para poluição local”, diz a oceanógrafa.

 

logo Republicado do Observatório do Clima através de parceria de conteúdo.

 

 

Leia Também 

Mudança do clima acelera liberação de poluentes no Ártico

Por que não existem pingüins no hemisfério norte?

Sacola plástica: a vilã da história?

 

 

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.