Ambientalista que denunciava madeireiras ilegais é assassinado no Maranhão


quarta-feira, 26 agosto 2015 21:14
Exploração de madeira no interior da reserva. Desmatamento ilegal está acabando com o que sobrou da floresta amazônica no Maranhão. Foto: Nelson Feitosa/Ascom Ibama/PA.
Exploração de madeira no interior da reserva. Desmatamento ilegal está acabando com o que sobrou da floresta amazônica no Maranhão. Foto: Nelson Feitosa/Ascom Ibama/PA.

Esta semana, mais uma pessoa dedicada a proteger a floresta foi assassinada no país. Raimundo Santos Rodrigues era conselheiro da Reserva Biológica do Gurupi, no Maranhão, e foi morto a tiros quando chegava em casa na tarde desta terça-feira (26). Raimundo sofria ameaças de morte por denunciar madeireiras ilegais que atuam na região.

Maria da Conceição Chaves Lima, esposa de Raimundo, também estava presente na hora da emboscada e foi baleada, mas sobreviveu e está internada no Hospital Municipal de Imperatriz.

Nesta quarta (26), a Polícia Federal afirmou que vai pedir autorização do Ministério da Justiça para investigar o assassinato, já que ele ocorreu dentro da Reserva Biológica, área federal administrada pelo Instituto Chico Mendes (ICMBio).

A Reserva Biológica do Gurupi protege parte do último remanescente de Amazônia no Maranhão, mas a riqueza da floresta está ameaçada pela ação de madeireiros ilegais. Em novembro de 2013, ((o))eco publicou uma reportagem de Karina Kiotto sobre a situação vulnerável da Reserva, que tem 271.197 hectares.

Mortes de ambientalistas

O assassinato de Raimundo, que deixa 6 filhos, não é um caso isolado. Uma das consequências do avanço do desmatamento e grilagem em terras públicas e áreas protegidas é a violência perpetrada pela ação de pistoleiros.

Desde 2002, a ONG Global Witness acompanha casos de assassinatos de ambientalistas no mundo. O Brasil lidera este ranking. De acordo com a organização, entre 2002 e 2013 foram assassinados 448 defensores do meio ambiente no Brasil. A ONG documentou 908 casos em 35 países.

Leia Também
Metade das mortes de ambientalista no mundo ocorreu no Brasil
Maranhão: o ataque a Rebio Gurupi e às terras dos Awá Guajá
Biólogo que denunciava crimes ambientais é encontrado morto

 

 

 

5 comentários em “Ambientalista que denunciava madeireiras ilegais é assassinado no Maranhão”

  1. É uma pena, perdemos uma das poucas pessoas que realmente vivia o que acreditava.
    Infelizmente mais um caso que não será resolvido.
    Não credito que os policiais realmente não saibam quem fez isso, a verdade é que estão vendidos para o medo e para o dinheiro

    Responder
  2. Quando vamos ver esses madeireiros na cadeia, como criminosos que são??? Até quando vamos aceitar a impunidade neste país??? Por que nossa legislação só penaliza aqueles que são honestos, corretos??? Enquanto isso, vemos esses criminosos nojentos destruírem nossas florestas, patrimônio de todos nós, lucrando sem limites!!! Destroem nossas florestas, matam nossos animais e, por fim, matam aqueles que os denunciam! Assassinos, cadeia é muito pouco pra vocês!

    Responder

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.