Abrolhos: leilão para exploração de petróleo perto da região não recebeu ofertas

Abrolhos: leilão para exploração de petróleo perto da região não recebeu ofertas

Sabrina Rodrigues
quinta-feira, 10 outubro 2019 17:24
Ativistas se reuniram para protestar contra o leilão dos sete blocos marítimos para exploração de petróleo perto do Parque Nacional de Abrolhos (BA). Foto: Divulgação/350.org Brasil e COESUS.

Nenhum dos sete blocos situados próximo de Abrolhos e alvo de protestos recebeu oferta durante a 16ª Rodada de Licitação de Blocos para Exploração e Produção de Petróleo e Gás Natural, promovido pela Agência Nacional do Petróleo (ANP), na manhã desta quinta-feira (10), no Rio de Janeiro.

Os blocos estavam localizados na Bacia de Jacuípe e Bacia de Camamu-Almada, próximo à Abrolhos (BA), região que abriga os maiores e mais diversificados recifes de corais do Atlântico Sul.

“Tivemos o sucesso de deixar 77% dos blocos oferecidos no chão. Especialmente o bloco que trazia risco ao arquipélago de Abrolhos, que é uma biodiversidade importantíssima não só para o Brasil, mas para o mundo, foi preservada. As petroleiras presentes, com esse recente vazamento na costa brasileira do nordeste, estavam com a sua imagem manchada, onde os cidadãos do mundo perceberam os danos, o caos realizados por essas petroleiras”, afirmou Juliano Bueno de Araújo, diretor associado de Campanhas da ONG 350.org América Latina e fundador da Coalizão Não Fracking Brasil, que esteve presente na frente do Hotel Hyatt, onde estava sendo realizado o leilão, no Rio de Janeiro.

Alguns fatos contribuíram para que nenhuma empresa quisesse arriscar arrematar os blocos no litoral da Bahia. Primeiro, não se sabia da viabilidade ambiental do empreendimento. O governo preferiu ignorar os alertas do Ibama e manteve os blocos no leilão, sem realizar os devidos estudos ambientais prévios. O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, defendeu a posição do governo afirmando que a viabilidade ambiental seria identificada apenas durante o licenciamento. Caso não possuísse, a licença seria negada.

“Se for declarada inviável, será declarada inviável. E azar de quem comprou o lote”, disse o ministro, na ocasião. 

Somado o risco de arrematar no escuro, manchas de petróleo cru  surgiram no litoral nordestino em setembro. As manchas se transformaram na mais nova crise ambiental brasileira e guiaram os ambientalistas para a porta do hotel onde ocorreu o leilão.

Protesto na manhã desta quinta-feira (10), em frente ao Hotel Hyatt, na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro, local onde foi realizado o leilão. Foto: Divulgação/350.org Brasil e COESUS.

Houve um grande esforço para que o leilão não obtivesse êxito, desde abaixo-assinados, esclarecimento junto à população dos riscos que uma exploração de petróleo na região promoveria, a protestos como o que ocorreu na porta do Hotel Hyatt, nesta quinta, de manhã, no Rio de Janeiro. 

 “O fato de apenas 33% [dos blocos] terem sido leiloados é fruto da pressão de ambientalistas, de ONGs climáticas, como a 350.org e da presença de pescadores que estão sendo atingidos por essa mancha de óleo e que terão as populações de peixes reduzidas ao longo dos anos”, afirmou Bueno.

Riscos ambientais

Os riscos ambientais de uma exploração de petróleo próxima à região de Abrolhos mobilizaram até o Ministério Público Federal (MPF), que ingressou com uma ação civil pública no dia 18 de setembro. No processo, o MPF argumenta que os blocos não deveriam ir à leilão sem os devidos estudos ambientais prévios. Segundo os procuradores, os blocos marítimos apresentam potenciais riscos ao meio ambiente, à saúde humana, à atividade econômica regional e aos próprios empreendedores. 

A diretora da ONG 350.org, Nicole Oliveira, que esteve hoje na porta do Hotel Hyatt, protestando contra o leilão, falou dos riscos da atividade:

“A 16ª rodada de Leilão é uma aberração em muitos sentidos. Primeiro porque nós estamos vivenciando uma crise climática e nós temos que parar de expandir a fronteira petrolífera, parar de investir e oferecer bloco para extrair reservas que estão cada vez mais distantes e mais difíceis de acessar”, afirmou.

Foto: Divulgação/350.org Brasil e COESUS.

Em março deste ano, o Ibama emitiu parecer contrário à inclusão dos blocos na 16ª Rodada de Licitações promovida pela ANP. No documento, o Ibama ressalta que em caso de acidente com derramamento de óleo, os impactos físicos, biológicos e socioambientais poderiam se estender, atingindo o litoral baiano e a costa do Espírito Santo. Mas o presidente do Ibama, Eduardo Fortunato Bim, autorizou o leilão, acatando o pedido do Ministério do Meio Ambiente (MMA).

Ricardo Salles se recusa a receber abaixo-assinados

Na véspera da rodada de licitação (09), seis organizações que formam a Conexão Abrolhos (Conservação Internacional, Oceana, Rare, SOS Mata Atlântica, WWF-Brasil e pelo grupo Liga das Mulheres pelos Oceanos) foram ao Congresso Nacional e ao Ministério Público Federal (MPF) entregar 1,1 milhão de assinaturas contra  a inclusão de blocos localizados no entorno do Parque Nacional dos Abrolhos. 

Após a entrega dos abaixo-assinados aos parlamentares, o grupo seguiu para uma audiência pública na Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Câmara, onde o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, estava sendo ouvido pelos deputados.

O grupo tentou entregar as petições a Salles, que havia se comprometido a recebê-las. Porém, na saída da audiência se recusou e foi embora. Somente o assessor do ministro, após muita insistência dos manifestantes, aceitou receber as assinaturas. 

Os abaixo-assinados tiveram início no começo de abril e desde então não parou de crescer, recebendo também assinaturas na Alemanha e na França. A Conexão também lançou outra petição com o objetivo de sensibilizar as empresas participantes do leilão a desistirem da exploração. 

 

Leia Também

MPF vai à Justiça contra a exploração de petróleo perto de Abrolhos

Ongs ambientalistas solicitam ampliação do Parque Nacional de Abrolhos

Ampliação do Parque de Abrolhos se arrasta há seis anos sem respostas do ICMBio

 

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.