Notícias

GPS, câmera e monitor cardíaco para salvar rinocerontes

Conservacionistas ingleses criaram um kit tecnológico para detectar em tempo real de caçadores ilegais que matam o animal só para obter seu chifre.

Redação ((o))eco ·
28 de julho de 2015 · 6 anos atrás

Legenda: Câmera fica instalada dentro do chifre do rinoceronte. Foto: Humane Society International / Divulgação
Legenda: Câmera fica instalada dentro do chifre do rinoceronte. Foto: Humane Society International / Divulgação

No mercado asiático, um quilo de chifre de rinoceronte vale cerca de 60 mil dólares e, por conta do tráfico de chifres, 1215 rinocerontes foram abatidos ilegalmente na África do Sul em 2014, e outros 1.000 animais morreram em 2013. Nesse ritmo, estima-se que em 20 anos o rinoceronte esteja extinto na natureza. Os números dramáticos moveram a ONG inglesa Protect a criar um kit high-tech para proteger o animal, que gera um alarme em tempo real quando os caçadores ilegais estão atacando.

O equipamento foi chamado de RAPID, da sigla em inglês “Real-time Anti-poaching Intelligence Device” (algo como ‘Equipamento inteligente anti-caça, em tempo real’). Ele consiste de uma câmera instalada no próprio chifre, um equipamento de GPS e um monitor cardíaco instalado sob a pele do animal. Quando os batimentos cardíacos de um desses rinocerontes disparam ou desabam, o RAPID envia um alerta para um centro de controle, que, à distância, ativa a câmera para saber se a causa são caçadores. A câmera não só confirma o risco como gera provas

contra os agressores. O GPS dá a posição exata do animal.Segundo o líder do projeto, o biólogo Paul O’Donoghue, a ideia não é parar um ataque, mas evitá-lo. Ao ver que o rinoceronte é monitorado, os caçadores perceberão que não têm chance de escapar com o chifre e desistirão do abate. “Não há sentindo em atacar um animal monitorado”, diz Steve Piper, outro membro da Protect, ao site The Verge. “O tempo entre o animal ficar estressado e o alarme ser acionado será de fração de segundo. Não haverá oportunidade para os caçadores tirarem o chifre”.

Os primeiros protótipos estão em teste na África do Sul. Na versão atual, a bateria do monitor cardíaco precisa ser trocada poucas vezes durante a vida do rinoceronte. A instalação da câmera no chifre não causa sofrimento ao animal. E, no futuro, há chance da bateria ser recarregada com o seu próprio movimento. Se tiver êxito, o kit pode ser adaptado para outros animais em perigo como elefantes, leões e, diz a Protect, até baleias. Já existe um protótipo em desenvolvimento para tigres.

Veja abaixo, um vídeo feito através da câmera de um rinoceronte monitorado:

Vídeo

 

 

Leia também
Vigiado 24h, assim vive o último rinoceronte branco do norte
África do Sul: matança de rinocerontes bate novo recorde
Cientistas querem proteger rinoceronte-negro com chifres sintéticos

 

 

 

Leia também

Notícias
14 de julho de 2015

Cientistas querem proteger rinoceronte-negro com chifres sintéticos

Projeto quer inundar o mercado negro de cópias de chifres cultivadas em laboratório com o intuito de reduzir a pressão da caça ilegal.

Notícias
23 de janeiro de 2015

África do Sul: matança de rinocerontes bate novo recorde

Mais de 1200 animais foram abatidos no país. Desses, 827 foram mortos dentro do Parque Nacional Krueger, o principal destino safári do país.

Reportagens
15 de setembro de 2021

Escuta o xamã: Davi Kopenawa Yanomami envia mensagem para o povo da cidade

Liderança indígena faz apelo por mobilização contra a aprovação do marco temporal e do Projeto de Lei 490

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta