Notícias

A baleia-comum hoje é baleia-rara

Apesar das proibições, a espécie ainda é caçada por óleo, barbatanas e, pricipalmente, carne. Hoje está em perigo de extinção.

Redação ((o))eco ·
12 de dezembro de 2014 · 7 anos atrás

Uma baleia-comum ([i]Balaenoptera physalus[/i]) fotografada em meio a um salto, no Mar Mediterrâneo. Foto:
Uma baleia-comum ([i]Balaenoptera physalus[/i]) fotografada em meio a um salto, no Mar Mediterrâneo. Foto:

A baleia-comum (Balaenoptera physalus) é o segundo maior animal existente no planeta, depois da baleia-azul. Também conhecida como baleia-fin e rorqual-comum, este mamífero marinho pode atingir até 27 metros de comprimento. As baleias-comuns podem ser encontradas em todo os principais oceanos. Entretanto, elas foram severamente afetadas pela caça comercial de baleias: cerca de 750 mil animais foram mortos em áreas do hemisfério sul só entre 1904 e 1979, e elas raramente são avistadas lá hoje. O status atual destes animais é desconhecido na maioria das áreas fora do Atlântico Norte. Embora a Comissão Baleeira Internacional (CBI) tenha obtido uma moratória para a pesca comercial da espécie, Groenlândia, Islândia, Noruega e Japão ainda continuam a caça em determinadas épocas do ano. Também ameaçada por colisões com navios e ruídos de atividades humana nos oceanos, a baleia-comum é considerada com espécie Em Perigo de Extinção pela Lista Vermelha da IUCN.

 

 

Leia Também
Os gigantescos perigos para a tartaruga-de-couro
Atum-rabilho: caiu na rede, está em extinção
Deixe o panda-vermelho em paz

 

 

 

 

Leia também

Notícias
14 de setembro de 2021

Pantanal: Jacaré debilitado é resgatado de rio seco e transferido para local onde ainda há água

Equipes de resgate precisam avaliar qual animal ainda tem chance de sobreviver e pode ser resgatado. É Corrida contra o tempo para evitar a morte de mais animais silvestres

Salada Verde
13 de setembro de 2021

O apocalipse não veio, mas a multa pela infração ambiental virá

Dupla que foi deixada de helicóptero e acampou sem autorização no cume do Dedo de Deus desde 02/09 finalmente desce com apoio de escalador

Reportagens
13 de setembro de 2021

Movimentos sociais pedem investigações do MPF sobre poluição que a Braskem estaria causando na Baía de Guanabara

Representação protocolada tem imagens de microplásticos captadas em corpos hídricos nas imediações da fabricante e outras denúncias. Inea e empresa negam irregularidades.

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta