Notícias

Brasil perde 20% de energia nas linhas de transmissão

Falta de eficiência e ausência de investimento em energia alternativa, como eólica e solar, são criticadas em relatório sobre o setor.

Daniele Bragança ·
13 de novembro de 2012 · 8 anos atrás
Vista Geral da subestação Cuiabá (MT) da Linha de Transmissão Catxerê. Foto: Divulgação/Ministério do Planejamento.
Vista Geral da subestação Cuiabá (MT) da Linha de Transmissão Catxerê. Foto: Divulgação/Ministério do Planejamento

A segunda edição do relatório “O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 – Oportunidades e Desafios” foi lançada ontem (12) em São Paulo. O estudo faz uma análise crítica da eficiência do modelo energético e afima que um quinto da energia produzida no país é desperdiçada durante a transmissão da energia até os centros de consumo.

Essas perdas de energia, diz o documento, aumentam 5% a tarifa média paga pelo consumidor. A conta foi feita em 2007 pela auditoria do Tribunal de Contas da União (TCU).  Segundo o levantamento, as perdas no sistema de transmissão de energia elétrica não chegam a 6% no Chile e, na Europa, estão em 7%.

“Além de demonstrar o cenário alarmante de desperdício de energia elétrica no Brasil, [as conclusões] tornam questionável a estratégia da atual matriz energética que, em vez de priorizar programas de combate de perda de energia elétrica nas linhas de transmissão, busca sanar a demanda de energia por meio da construção de outras fontes de geração, como novas hidrelétricas que, além de absorveram significativo montante de recursos públicos, dinheiro dos contribuintes, implicam em significativos impactos socioambientais”, diz Oriana Rey, assessora do Programa Eco-Finanças da Amigos da Terra – Amazônia Brasileira e autora de um dos capítulos do relatório.

O documento afirma que “os impactos e riscos socioambientais de hidrelétricas são tipicamente subestimados ou mesmo desconsiderados nos estudos inventários de bacia e relatórios de impacto ambiental (EIA/Rimas) e, portanto, nas análises de viabilidade econômica dos empreendimentos”.

Os autores das 93 páginas pertencem às organizações não governamentais (ONGs): Instituto Socioambiental (ISA), Greenpeace Brasil, Amigos da Terra – Amazônia Brasileira, International Rivers – Brasil, Amazon Watch e com o apoio da WWF – Brasil e dos especialistas professores Célio Bermann, do Instituto de Eletrotécnica e Energia da USP e Philip M. Fearnside, do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA). O prefácio é assinado por Marina Silva.

Lançado pela primeira vez durante a Rio+20 o relatório “O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 – Oportunidades e Desafios” pode ser lido na íntegra aqui.

 

Leia Também

Cresce o número de países que usam energia eólica no mundo

Energia hidrelétrica na Amazônia: limpa ou cinza?

ICMBio: servidores divulgam carta aberta contra recorte de UCs

 

 

 

  • Daniele Bragança

    Daniele Bragança

    É repórter especializada na cobertura de legislação e política ambiental. Formada em jornalismo pela Universidade do Estado d...

Leia também

Notícias
27 de julho de 2012

ICMBio: servidores divulgam carta aberta contra recorte de UCs

Chefes das Unidades de Conservação da Amazônia que sofreram alterações para facilitar hidros do Tapajós denunciam falta de estudos técnicos.

Análises
20 de junho de 2012

Energia hidrelétrica na Amazônia: limpa ou cinza?

Durante a Rio+20, governo e construtoras alardeiam que a energia hidrelétrica brasileira é limpa. Não é bem assim que funciona na prática.

Notícias
21 de julho de 2011

Cresce o número de países que usam energia eólica no mundo

Estudo da Associação Mundial de Energia Eólica (WWEA) revela que 86 países já utilizam essa renovável para produção de energia elétrica.

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 4

  1. AvatarEduardo diz:

    Os links ali estão desatualizados. Segue o link bom para o relatório “O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 – Oportunidades e Desafios”: https://wwfbr.awsassets.panda.org/downloads/publi


    1. AvatarRafael Ferreira diz:

      Obrigado pelo aviso, Eduardo. Atualizamos o link.


  2. AvatarWashington diz:

    1. Avatarherbert lopes diz:

      Qualquer profissional de transmissao de energia sabe que quanto mais longe se envia a energia,maior a perda. Comparar o Chile e os paisinhos da Europa com o Brasil de proporcoes continentais chega a ser uma piada,