Fotografia

Imagens mostram passo a passo da criação de um urutau

Ensaio fotográfico em solo boliviano mostra os primeiros dias de vida de uma das aves mais enigmáticas e solitárias da Amazônia e do mundo.

Eduardo Franco Berton ·
24 de fevereiro de 2012 · 9 anos atrás

Por Eduardo Franco Berton

O canto do urutau tem inspirado lendas em países amazônicos. (Crédito: Eduardo Franco Berton)
O canto do urutau tem inspirado lendas em países amazônicos. (Crédito: Eduardo Franco Berton)

As densas selvas tropicais da Amazônia têm sido por séculos o lar de raras e fascinantes criaturas, algumas parte da imaginação dos povos nativos e que inspiraram lendas transmitidas de geração em geração. Desde muito pequeno sempre me chamou atenção a clássica lenda boliviana do urutau (Nyctibius griseus) – chamado guajojó na Bolívia – uma historia popular de amor e tragédia inspirada no agudo e dolorido canto de uma ave noturna, misteriosa e solitária.

Lenda boliviana

Conta uma famosa lenda boliviana, que na densa mata habitava a bela filha do cacique de certa tribo, enamorada por um jovem guerreiro da mesma tribo, a quem amava profundamente. Amava e era amada. Ao saber do romance, o pai da menina, enfurecido pelo ciúmes, usou suas artes mágicas e tomou a decisão de acabar com o namoro da maneira mais trágica: matar o pretendente. Ao sentir o desaparecimento de seu amado, a jovem índia entrou na selva para procurá-lo. Enorme foi sua surpresa ao perceber o terrível fato. Em estado de choque, voltou para casa e ameaçou contar tudo à comunidade. O velho pai, furioso, a transformou em uma ave noturna para que ninguém soubesse do acontecido. Porém, a voz da menina passou à ave. Por isso, durante as noites, ela sempre chora a morte de seu amado com um canto triste e melancólico.
 

Na Bolívia o urutau e sua lenda tem sido fonte de inspiração de célebres artistas como a cantora Gladis Moreno – considerada a embaixadora da canção boliviana – e sua famosa música “El Guajojó”, e também para o historiador Hernando Sanabria (autor da popular estória), que através de suas obras imortalizaram esta ave como parte importante da tradição e cultura do crucenho (habitantes de Santa Cruz). No Peru, o Nyctibius griseus é uma ave arraigada na mitologia dos povos indígenas da Amazônia, onde é conhecido como “Ayaymama”, pois seu canto também lembra uma criança exclamando “ai, ai, mama!”. A lenda peruana conta que o bebê foi abandonado por sua mãe na floresta para evitar que morresse por uma peste que já havia dizimado todo o povo.

Características e distribuição

Dentro da família Nyctibiidae existem sete espécies do gênero Nyctibius, um deles é a Nyctibius griseus, que por sua vez pertence à ordem das aves Caprimulgiformes, composta por aves noturnas insetívoras com grande facilidade de camuflar-se durante o dia graças à peculiar e interessante plumagem, parecida com folhas secas ou casca de árvore. Como são aves noturnas, os urutaus passam grande parte do dia pousados estáticos sobre o tronco como se fossem parte dele. Esperando que o sol se oculte no horizonte e o único resplendor no céu seja o da lua e as estrelas, iniciam seu voo para capturar insetos como fonte de alimento. Os urutaus levam uma vida bastante solitária, já que quase nunca são vistos em casal, a não ser quando se acasalam ou estão cuidando de sua cria, que abandonam depois de três semanas de nascimento.

Seu habitat natural inclui a maioria dos países amazônicos, como Bolívia, Peru, Brasil, Equador, Colômbia, Venezuela, Suriname e Guiana Francesa. Segundo a União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN), graças ao seu amplo espaço de distribuição esta ave não está ameaçada, embora sua população possa diminuir nos próximos anos.

Melancolia e paixão do urutau

Não é fácil enxergar esta ave e menos ainda escutar o seu canto. Agradável surpresa eu e meu amigo Carlos Durán tivemos ao encontrar um exemplar no meio da floresta. A lente da minha câmera começou a documentar essas imagens inéditas – capturadas em um período de dois meses – que retratam um urutau e sua cria em uma das etapas mais importantes da vida de qualquer ser vivo, a criação. Decidimos chamar este ensaio fotográfico de “Melancolia e paixão do urutau”.

Essas são as duas palavras que descrevem a etapa que pudemos retratar com estas fotos. “Melancolia”, por sua triste e vigilante forma de olhar, que nos observou pacientemente o tempo todo na documentação fotográfica, posando sozinha desde a altura de seu tronco, onde nada parecia lhe importar – sua maneira de agir fez com que nos perguntássemos quem estaria observando quem.

“Paixão”, pelo amor maternal e intenso cuidado na proteção de sua cria, a quem protegeu firmemente do calor e do frio, da chuva e do vento, como quem cuida do mais precioso tesouro, esperando que cresça e suas asas sejam suficientemente fortes para empreender seu primeiro voo floresta adentro, cantando de maneira aparentemente triste, dando som às lendas…

 

Leia também
O curupira das noites de luar, pelo ornitólogo Mario Cohn Haft 

Saiba mais:
Vídeo e áudio do urutau

O vídeo e a gravação do canto do pássaro, feitos no Brasil, são de Douglas Fernando Meleti

 

  • Eduardo Franco Berton

    Assessor jurídico da Natura Bolívia, organização apoiada pela Fundação Avina, com atuação na Amazônia e membro da Aliança Reg...

Leia também

Notícias
16 de junho de 2021

((o))eco é parceiro do Vozes da Floresta, projeto de bolsa-reportagem destinado a jovens comunicadores indígenas

Iniciativa vai selecionar quatro bolsistas que queiram desenvolver reportagens pautadas nos debates promovidos pela COP26

Salada Verde
16 de junho de 2021

Governo cria grupo interministerial para discutir lista vermelha de espécies de peixes

Ministérios do Meio Ambiente e da Agricultura vão avaliar e recomendar ações de conservação e uso sustentável para espécies de peixes ameaçados. Composição do colegiado será definido por Salles

Salada Verde
16 de junho de 2021

Vídeo captura onça-parda prenhe em reserva privada

Suçuarana foi flagrada no Parque das Neblinas, entre Mogi das Cruzes e Bertioga. Unidade de Conservação privada é gerida pelo Instituto Ecofuturo

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta