Colunas

O silêncio das onças: Nosso adeus ao Peter Crawshaw Jr

A historia por si só mostra ao mundo o tamanho e a influencia do caminho que Peter Crawshaw trilhou e pavimentou pelo planeta, mas quem teve o imenso prazer e privilegio de o conhecer sabia que nem de longe isso era o mais importante

25 de abril de 2021
  • Angela Kuczach

    Angela Kuczach

    Bióloga e Diretora Executiva da Rede Nacional Pro Unidades de Conservação.

  • Avatar

    Ronaldo Gonçalves Morato

    Chefe do Centro Nacional de Pesquisas e Conservação de Mamíferos Carnívoros (CENAP) do Instituto Chico Mendes de Conservação ...

Quando as onças caminham pelo chão da floresta, o silêncio dos seus passos e a camuflagem do seu pelo entre as folhagens vez por outra se contrapõem aos gritos dos pássaros ou os assovios dos macacos, que vendo a maior predadora das Américas dão o alarme e fogem. Paradoxalmente, a presença das onças pode ser contraposta a uma certa cacofonia de quem as vê de longe.

Não hoje. Disseram que hoje a floresta está quieta. As onças hoje não caminharam e encolhidas em suas tocas, em silêncio, se despedem de seu maior defensor. Disseram que os outros bichos, vendo a quietude das onças, também se calaram.

Peter Gransden Crawshaw Junior, brasileiro, nascido no interior de São Paulo há 69 anos, criado no Rio Grande do Sul, foi muito mais que um pesquisador. Foi um pioneiro que com sua experiência abriu e pavimentou o caminho da pesquisa e conservação da onça-pintada no mundo, um lugar por onde todos os pesquisadores que vieram depois caminharam.

Há meros 45 anos, o terceiro maior felino do mundo era um ilustre desconhecido. Foi a partir de uma vinda do mastozoólogo alemão naturalizado estadunidense George Schaller para o Brasil, em 1976, que Peter, então estudante de biologia, teve seu primeiro contato com o universo da pesquisa dos grandes predadores. O destino de Schaller seria a Fazenda Acurizal, hoje sede da RPPN de mesmo nome, na Serra do Amolar, no Mato Grosso do Sul. Peter, junto com Mara Crawshaw, então sua esposa, e a filha mais velha, com apenas três aninhos, partiu para Acurizal, em uma época em que a Serra do Amolar era um lugar quase impossível de chegar. Lá se estabeleceram para o primeiro estudo de onças pintadas no mundo.

Serra do Amolar, onde tudo começou. Foto: Angela Kuczach.

Pela perseguição às onças por parte dos fazendeiros na região, Peter e George, depois de 2 anos, desistiram da pesquisa em Acurizal, mas não das onças e em 1980 migraram seus estudos para a Estância Miranda, hoje Refugio Ecológico Caiman. Schaller deu o ponta pé inicial ao projeto e em seguida foi para a China iniciar estudos com pandas, deixando Peter (e a família) em companhia de Howard Quigley, hoje vice presidente da organização Panthera, onde atuaram até 1984. Nascia ali a historia da pesquisa e conservação da onça-pintada.

Onça-pintada é assim… tem um lugar certo no nosso imaginário… seja nos sertões do Brasil, nas rodas de conversa em volta de uma fogueira, no silêncio da beira dos rios do Pantanal, nas noites de céu estrelado no sertão… dos antigos Maias aos índios do Xingu, dos peões do Pantanal aos ribeirinhos da Amazônia e mesmo entre quem mora na cidade, onça é sempre onça e desperta na nossa imaginação magia e respeito. Admiração e mistério que quase ninguém sabia traduzir.

O Peter sabia.

Tinha o dom de entende-las como ninguém. Sentia no ar sua presença. Não por um dom sobrenatural, mas antes de tudo por uma dedicação extrema as atividades de campo. Era um biólogo de mato, que gostava de mato e de natureza acima de tudo. Que observava a natureza das onças e por isso as lia como ninguém.

Do Pantanal, Peter foi para a Flórida para seus estudos de mestrado e na volta para o Brasil se estabeleceu em Foz do Iguaçu. O Projeto Carnívoros do Iguaçu, no icônico Parque Nacional de mesmo nome, reuniu ao longo dos anos um sem numero de estudantes e recém graduados, que vinham de diversas partes do país para aprender com aquele brasileiro de nome gringo – herança do pai inglês.

Passaram por ali Sandra Cavalcanti, Ronaldo Morato, Rose Gasparini-Morato, Ricardo Boulhosa, Fernando Azevedo, Renata Leite-Pitmann entre tantos outros. Pode-se dizer que, seguindo a filosofia de formar e capacitar pessoas, Peter treinou praticamente todos os profissionais que na década de 1990 passaram a desenvolver projetos com felinos pelo Brasil. A semente plantada lá no Pantanal se transformava então numa árvore ramificada por todos os biomas brasileiros.

George Schaller e Peter Crawshaw, com Sr. Manoel Dantas e Felix, na captura da Feminha, em 24 de maio de 1978, em Acurizal. Foto: Richard Mason.

Entre os profissionais recém formados que chegaram em Iguaçu estava Rose Gasparini-Morato, que o havia conhecido em 1992, por ocasião dos estudos sobre a fauna que seria impactada com a construção da Usina Hidrelétrica de Porto Primavera. Além da amizade de uma vida inteira, a Rose coube o fundamental papel de ajudar a construir a base documental do CENAP (Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Predadores Naturais), formalmente criado em 1994 pelas mãos da então presidente do IBAMA, Nilde Lago Pinheiro, estimulado também por Maria Tereza Jorge Pádua. Pensado para operar nos mesmos moldes que o TAMAR, a criação do CENAP trouxe também a necessidade de criar uma organização não governamental que pudesse captar recursos e ampliar as ações para todo o Brasil. Com essa premissa, junto com sua rede de ex-estagiários e ajudantes, em 1996 Peter ajudou a criar o Instituto Pró-Carnívoros, tendo como primeira presidente Rose Gasparini-Morato.

Juntos, CENAP e Pró-Carnívoros se transformaram no fio condutor da maioria das pesquisas com carnívoros realizadas no país nas décadas de 1990 e 2000, sendo uma das principais referências na conservação de felinos no mundo. Até hoje traz consigo a premissa de seu fundador: agregar e capacitar pessoas e produzir informação não apenas sobre o conhecimento das espécies, mas também para promover a convivência dos predadores com as populações humanas e fomentar politicas publicas, como subsidio para criação de unidades de conservação e o estabelecimento de ações articuladas nos planos de ação.

A historia por si só mostra ao mundo o tamanho e a influencia do caminho que Peter Crawshaw trilhou e pavimentou pelo planeta, mas quem teve o imenso prazer e privilegio de o conhecer sabia que nem de longe isso era o mais importante.

Paixão de uma vida. Foto: Angela Kuczach.

O Peter era antes de mais nada um amigo dos amigos, uma pessoa generosa com seu conhecimento que fez questão de passar pra frente tudo o que aprendeu com as onças. Aprendia com elas, traduzia pra nós e a partir de seu conhecimento nos ajudava a traçar os próximos passos do conhecimento cientifico sobre elas. Era um aglutinador nato, que juntava gente como mosca no mel por onde passava, levando sempre sua alegria, a risada solta, inúmeros causos de onça e seu inseparável violão. De estudantes a grandes referências mundiais na conservação da natureza, Peter, mais do que respeitado, era amado por todos. Com seu jeito boa praça, suas inúmeras historias e sua voz grave e afinada nos fazia ter vontade de sentar no chão da sala para ouvi-lo falar… falar de onça.

Foi o pai de todos nós, foi o tradutor do que a onça contava, nossa fonte de inspiração e amor pelos felinos.

Viveu intensamente. Sobreviveu a mordida de onça, queda de ultraleve, sequestro na Bolivia, acidente de barco e tantas outras intempéries… Viveu e viu um mundo que poucos viram e viveram. Teve uma vida espetacular e por isso dizia que não tinha medo de morrer.

Há muitos anos, em uma captura de onça em Bataguassu, Peter a cavalo, para e olha bem para o Ronaldo e fala “É, hoje é um bom dia pra se morrer”

Peter… pra nós que ficamos, nunca seria um bom dia para ver você ir embora.

Obrigada por tudo.

**Angela Kuczach e Ronaldo Morato foram amigos e ex-auxiliares de campo do Peter.

As opiniões e informações publicadas nas sessões de colunas e análises são de responsabilidade de seus autores e não necessariamente representam a opinião do site ((o))eco. Buscamos nestes espaços garantir um debate diverso e frutífero sobre conservação ambiental.

Leia também

Análises
17 de setembro de 2014

Projeto Onças do Rio Negro: “A união faz a força”

Marina Schweizer e Lucas Leuzinger desenvolvem projeto de conservação de onças-pintadas no Rio Negro e narram suas experiências no blog.

Análises
24 de junho de 2016

Grandes felinos são animais selvagens e merecem respeito à sua natureza

O exército ajuda a preservação quando acolhe onças-pintadas, mas presta um desserviço perigoso e potencialmente trágico quando desfila com esses animais

Colunas
24 de setembro de 2020

O turismo de onças e a tragédia dos incêndios no Pantanal: Uma reflexão

Sentindo a água gelada, minha primeira reação foi agradecer aos céus por todos nós estarmos com coletes salva-vidas, um detalhe de segurança que eu havia insistido em observar

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 15

  1. AvatarJoão Carlos de Souza Carvalho diz:

    O Peter foi um dos melhores defensores da fauna brasileira e de nossos ecossistemas ! Além de ser um grande companheiro para umas cervejas ! Uma grande perda para nossa conservação dos nossos recursos naturais ! Fico muito triste e saudoso !


  2. AvatarJosé Fernandes diz:

    É uma pena perdermos uma coluna de sustentação da natureza. Mas, seus trabalhos devem servir de elo na preservação desse animal fantástico e do meio ambiente de forma geral.


  3. AvatarFabricio PInheiro da Cunha diz:

    Parabéns Angela e Ronaldo, assim como o Peter sabia traduzir com mestria a essência e a natureza das onças vocês fizeram com relação à alma do Peter, um grande mestre, com grande passagem pela Terra, deixando seus rastros com enormes lições e exemplos.


  4. AvatarMARIA HENRIQUETA ANDRADE RAYMUNDO diz:

    Muito triste, uma grande perda. Tive a honra e alegria de conhecer o Peter. Uma pessoa inspiradora que deixa um grande legado para a conservação da biodiversidade, para o país. Muito emocionante e merecida essa homenagem a ele.


  5. Fernando FernandezFernando Fernandez diz:

    Parabéns Angela e Ronaldo pelo belo artigo, uma muito merecida homenagem ao Peter. Como vocês bem destacaram, ele era um conservacionista que fez muitíssimo pelas onças, mas era também uma pessoa muito especial, sempre alegre, com ótimo astral, tratando todos bem, sem malícia. Um homem bom, uma pessoa boa. As onças estão tristes sim, e eu também, nós também. O Peter vai fazer muita falta. Como bem disse o Ingo, que o seu trabalho siga nos inspirando, assim como o exemplo dele como pessoa.


  6. AvatarINGO ISERNHAGEN diz:

    Angela, que linda homenagem, merecidíssima e à altura do que Peter merecia. Lembro-me de tê-lo conhecido na época em que trabalhei na Fundação O Boticário, em reuniões técnicas, promovidas pela Malu e Milano. Ele foi uma das pessoas que me inspiraram a ser conservacionista. Morando agora no norte do MT sei que trabalhos como o dele continuarão sendo sempre importantes, ante à ignorância que parece ter voltado à moda. Que o trabalho dele siga nos inspirando, hoje e sempre.


  7. AvatarMônia L F Fernandes diz:

    Outro dos bons que se foi pela COVID, só soube hoje…. apesar do nome gringo, Peter Crawshaw era bem brasileiro.
    Com um coração enorme e uma simplicidade ímpar, lembro dele com um lindo sorriso no rosto.
    A conservação da biodiversidade perde um dos maiores ícones e pesquisadores do mundo dos grandes felinos.
    Vá Peter, encontre as suas amigas pantaneiras que sofreram durante o grande incêndio do ano passado.
    Nós que ficamos buscaremos honrar teu legado.


  8. AvatarHaroldo Lapertosa Junior diz:

    Tive o privilegio e a honra de ter conhecido e acompanhado uma parte de um trabalho realizado por Peter Crawshaw na Floresta Nacional de Carajás. Momento único e impar na minha historia de vida. Grande pessoa de extrema sensibilidade, conhecimento e dedicação. Podemos dizer que as onças tiveram um antes e um depois de Crawshaw. Que seu exemplo e a causa seja cada vez mais contagiante. Muito ainda por ser feito.


  9. Eduardo PegurierEduardo Pegurier diz:

    Gentil e intenso, um amigo querido apesar de não termos nos encontrado tantas vezes. Peter Crawshaw deixa um buraco. Quando ele contava histórias, era como um cinema: seus olhos projetavam os lugares e as aventuras que viveu pesquisando onças-pintadas. Em especial, aquelas que compartilhou com George Schaller.


    1. AvatarFlavia Franchini diz:

      Querido Peter, que tristeza, que perda. Você foi luz na ciência brasileira. Personalidade, tato, amizade, amor, dedicação. Tantas coisas que poderíamos dizer de você, que já foram ditas nessa linda homenagem, mas que sempre deixarão faltar algo, porque você era muitas coisas, coisas demais, coisas que justificavam todo o carinho e admiração que as pessoas que cruzavam seu caminho rapidamente passavam a ter. Intensamente viveu, trabalhou, impactou, se conectou, intensa é sua partida. Obrigada por tudo o que fez. Você já faz falta. Voe alto e descanse querido amigo.


  10. AvatarJulia Fernandes diz:

    Um texto emotivo. Gostei


  11. AvatarClaudio Klemz diz:

    Que o otimismo do Peter siga nos guiando. Triste momento. Mas a vida segue, e a conservação da natureza demanda nossa energia e devoção. Vamos em frente.


  12. AvatarPR.PR diz:

    Que lindo texto! Peter foi isso tudo e mais um pouco. Viveu intensamente e dedicou a vida à Natureza. E ao partir, nos deixa um legado maravilhoso. Grande ser humano, grande homem, grande biólogo.


  13. AvatarLuccas Longo diz:

    Viva o Peter, que além de deixar conhecimento, deixou generosidade e humanidade para a conservação da natureza. Parabéns, Ângela e Ronaldo.


  14. Pedro da Cunha e MenezesPedro da Cunha e Menezes diz:

    Texto de arrepiar. Dia triste. Vai em paz Peter