Colunas

Petróleo, rodovias e meio ambiente

Euforia petrolífera nacional dificulta investimentos em fontes mais limpas de energia, como já fazem outros países. Brasil também insiste nas rodovias, modal caro e poluente de transportes

16 de setembro de 2008 · 13 anos atrás
  • Carlos Gabaglia Penna

    Professor de Engenharia Ambiental da PUC-Rio, pós-graduado em Gerenciamento Ambiental pela Universidade de Tufts (EUA) e mest...

Foto: Divulgação/Petrobras

A imprensa noticiou, recentemente, duas novidades de grande impacto econômico: o início da exploração de petróleo da camada pré-sal no Campo de Jubarte, Espírito Santo; e a possível construção de um nova estrada Rio-São Paulo, proposta pelo governador de São Paulo, José Serra.

As notícias, para a maioria das pessoas, parecem alvissareiras, principalmente a do petróleo. Mas são altamente discutíveis, para dizer o mínimo, uma vez que encarnam o mais arcaico dos modelos de desenvolvimento, baseado na exploração intensa de recursos naturais e caracterizado por grandes impactos ambientais. É uma visão desenvolvimentista ultrapassada, revelando um assustador descompasso com a discussão em torno da (in) sustentabilidade das atividades humanas. Para os políticos nativos, meio ambiente é – quando muito – falar em defesa da Amazônia (que não conhecem e não protegem).

Há uma grande agitação em torno dos campos do pré-sal. O governo fala em investimentos maciços na educação, em eliminar a pobreza e outros delírios que, como sempre, não levam a sério. Essa louvação ao petróleo é a principal razão que obstrui o avanço de fontes alternativas de energia, renováveis e imensamente mais limpas que os combustíveis fósseis.

O petróleo, o carvão mineral e, em menor proporção, o gás natural, são os principais produtores dos gases que estão provocando mudanças aceleradas no clima do planeta, com certeza um dos maiores desafios que a sociedade humana deverá encarar nas próximas décadas.

Além do agravamento do efeito estufa, tais combustíveis liberam uma série de compostos químicos danosos às saúdes ambiental e humana: materiais particulados de tamanhos microscópicos (que penetram nas vias respiratórias); óxidos de nitrogênio e de enxofre (formadores da chuva ácida); ozônio troposférico e monóxido de carbono (gases altamente tóxicos).

Usina de Candiota, no Rio Grande do Sul. Foto: PAC/Eduardo Tavares.

A evaporação de gasolina, por exemplo, libera hidrocarbonetos (compostos igualmente danosos), os quais, reagindo com óxidos de nitrogênio, sob ação do Sol, formam ainda o ozônio, um dos mais perigosos componentes do smog (fuligem fotoquímica, que deixa uma névoa amarronzada em cidades poluídas). A combustão incompleta do diesel libera partículas de carbono que transportam substâncias carcinogênicas denominadas PAHs. Estes são apenas alguns exemplos das consequências da utilização intensa desses combustíveis sujos.

É sabido que eles deverão continuar a ser os principais componentes da matriz energética mundial por ainda duas ou três décadas. Mas, sabe-se também que boa parte dos países educados investe intensamente em novas fontes de energia, como a eólica, a solar e a de hidrogênio, além de pequenas centrais hidrelétricas (que causam muito menos impactos do que as grandes).

Nos últimos cinco anos, a capacidade instalada de energia de vento, no mundo, cresceu acima de 29% ao ano. Os Estados Unidos instalaram, em 2006, 2.454 Megawatts (MW) de turbinas eólicas, elevando a sua capacidade total para 11.660 MW. A União Europeia instalou 7.600 MW, acumulando um total de 48.000 MW. Enquanto isso, no Brasil, a capacidade instalada somava apenas 237 MW em 2006, ou apenas 0,25% da capacidade de geração total de energia elétrica no País.

O total de energia gerado mundialmente por painéis solares é bem inferior ao produzido por vento. No entanto, cresceu seis vezes de 2000 a 2006 (média anual de quase 46%, nos últimos cinco anos). A Alemanha, em 2006, adicionou 1.100 MW à sua matriz e o Japão produziu 927 MW em células solares fotovoltaicas. No Brasil, a capacidade instalada total de energia solar é tão somente 0,02 MW, ou zero por cento (considerando uma casa decimal) da geração total de energia elétrica.

Painéis solares. Foto: Greenpeace

É óbvio que faltam estímulos fiscais, financeiros e de mercado para o desenvolvimento dessas energias no Brasil. Faltam também cultura ambiental, vontade política e cobrança da sociedade, pois não é preciso alertar ninguém que as condições geográficas do País são altamente favoráveis a essas fontes modernas.

Em 2006, segundo a Aneel, funcionavam no Brasil uma usina solar e 15 eólicas, versus 945 usinas termoelétricas, a forma mais poluente de se produzir energia. Isso começa a derrubar o mito de que a geração de eletricidade no Brasil não polui. Nesse mesmo ano, a Aneel outorgou 186 novas unidades de energia elétrica, das quais 128 para centrais termoelétricas, 57 para usinas hidroelétricas, uma para energia eólica e zero para solar.

Não há dúvida de que o poderoso lobby da Petrobras, assim como o de fabricantes de veículos a combustão e o de fornecedores de termoeletricidade (21,2% da capacidade instalada no Brasil em 2006) e de hidroeletricidade (74,8%) representam grandes obstáculos a qualquer avanço do Brasil na utilização de energias mais limpas.

Rodovia – Por sinal, esses mesmos lobbies, somados ao das grandes empreiteiras, são responsáveis pela ideia estapafúrdia de uma outra rodovia ligando São Paulo ao Rio de Janeiro. Além de incentivar o aumento de uso de veículos a gasolina e diesel, é claro que a opção equivocada de estradas afasta, cada vez, a adoção de ferrovias como meio de transporte.

Como tal estrada liga as duas maiores e mais engarrafadas cidades do país, a proposta do governador de São Paulo deve ter como objetivo óbvio piorar ainda mais o tráfego caótico dessas megalópoles.

Obra da rodovia BR 493. Foto: PAC/Flickr.

A construção de estradas provoca grandes impactos, desde movimentos de terra e consumo de combustíveis até danos a paisagens e poluição do ar, do solo e da água. Demanda muito maiores quantidades de materiais e, no seu trajeto, interfere muito mais nos ecossistemas e sítios agrícolas do que linhas de trens, exigindo também um tempo muito maior para as obras.

Cidades e países civilizados dificultam cada vez mais a circulação de veículos e estimulam fontes renováveis e menos impactantes de energia. Não bastam o álcool veicular e o biocombustível, serão igualmente necessários programas de conservação e de redução do consumo de energia e iniciar, o quanto antes, a inevitável mudança da matriz energética.

 

*Editado às 21h33, do dia 10/07/2018, para melhoria da diagramação e recorte de fotografias. O texto não foi alterado.

 

Leia Também

Impacto ambiental do conforto humano

O Petróleo é nosso e a poluição também

No mar, petróleo versus conservação

 

Leia também

Reportagens
8 de dezembro de 2010

No mar, petróleo versus conservação

Em plena era do pré-sal, Greenpeace lança atlas para suscitar pensamento sustentável na exploração dos recursos marinhos.

Análises
29 de outubro de 2013

O Petróleo é nosso e a poluição também

Derramamento de óleo na costa são problemas comuns e longe de solução, principalmente pela postura evasiva das empresas petrolíferas.

Colunas
28 de agosto de 2008

Impacto ambiental do conforto humano

Os seres humanos criaram um padrão de consumo incompatível com a conservação da natureza. Ciência e tecnologia podem mitigar o problema. A solução só virá quando consumirmos menos

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta