Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente

Museu do Amanhã debate os 20 anos do vazamento de óleo na Baía de Guanabara

Sabrina Rodrigues
terça-feira, 14 janeiro 2020 18:16
No dia 18 de janeiro de 2000, o rompimento do duto da Petrobras com 1,3 milhão de litros de petróleo resultou num lamaçal de destruição. Foto: Museu do Amanhã/Divulgação.

Há vinte anos, um duto da Petrobras se rompeu e despejou 1,3 milhão de litros de petróleo nas águas da Baía de Guanabara, no Rio de Janeiro. A mancha se espalhou por 40 quilômetros quadrados. O desastre passou a fazer parte de uma das maiores tragédias socioambientais do Brasil. Para debater o que tem sido feito para evitar novos acidentes, será realizado um encontro no dia 18 de janeiro, às 11h, no Museu do Amanhã, no centro da cidade.

A data marca os 20 anos do acidente. 

O debate terá a presença do ambientalista e secretário Municipal de Planejamento de Niterói, Axel Grael, e do Procurador da República, Renato Machado, que atuou durante 8 anos em ações ligadas à Refinaria de Duque de Caxias (Reduc).   

Derramamento de óleo na Baía de Guanabara é uma constante na história local. Só em 2018, o Instituto Estadual do Ambiente (Inea) foi acionado 21 vezes para ocorrências de vazamentos de óleo na Baía de Guanabara. Desses casos, 11 estavam relacionados a dutos.

Os interessados em participar do evento poderão se inscrever gratuitamente aqui.

Serviço: Óleo na Guanabara – 20 anos
Quando: 18 de janeiro de 2020.
Onde: Observatório do Amanhã – Praça Mauá, 1 – Centro, Rio de Janeiro.
Horário: 11h às 13h30.
Inscrições: https://museudoamanha.org.br/user/register?destination=palestra-oleo-na-guanabara-20-anos

Leia Também

Baía de Guanabara: vazamento da Petrobras completa 14 anos

Pescadores da Baía de Guanabara pedem ajuda para sair da invisibilidade

A Baía de Guanabara não está morta

 

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.