Download PDF
O tatu-bola-do-Nordeste (Tolypeutes tricinctus). Foto: Liana Sena.

O tatu-bola-do-Nordeste (Tolypeutes tricinctus). Foto: Liana Sena.

A capacidade de flexionar a carapaça e assumir o formato de bola deveria funcionar como mecanismo de proteção para o tatu-bola, mas ao invés disso, o torna muito mais vulnerável à caça do que os outros tatus, pois ele não foge diante da ameaça dos caçadores. Ele também é bastante vulnerável à mudanças climáticas e ambientais, e estudos sobre a espécie são escassos. Por isso, a pesquisadora Liana Sena resolveu estudar o tatu-bola-do-Nordeste (Tolypeutes tricinctus) e identificar o impacto da caça ilegal sobre a espécie.

“Os tatus são animais extremamente presentes na cultura brasileira, principalmente no semiárido nordestino, muito devido à caça e à agricultura. Apesar disso, são animais pouco estudados mas que exercem funções importantes para o ambiente, como a atividade escavadora do solo, essencial para manutenção de solos férteis”, explicou a pesquisadora.

O projeto “Usando modelos de ocupação para investigar uso do habitat do tatu-bola e sua vulnerabilidade frente à caça ilegal” foi contemplado em novembro com um financiamento da Fundação Rufford, uma instituição no Reino Unido que apoia 4276 projetos de conservação da natureza em 157 países em desenvolvimento. Os objetivos do estudo são investigar a pressão de caça sobre a espécie e estimar a efetividade dos remanescentes florestais de Caatinga em manter populações viáveis no presente e no futuro. Os resultados serão usados para sugerir áreas prioritárias para a conservação da espécie na Caatinga, revelar lacunas de proteção em outras áreas de ocorrência e subsidiar ações de manejo e conservação.

Foto: Liana Sena.

Foto: Liana Sena.

Mais conhecido por ter sido o mascote da Copa de 2014, o tatu-bola-do-Nordeste (Tolypeutes tricinctus) consta na Lista Nacional das Espécies da Fauna Brasileira Ameaçadas de Extinção na categoria “Em Perigo” (EN). É a única espécie de tatu endêmica no Brasil e foi contemplada no Plano de Ação Nacional para a Conservação do Tatu-bola  elaborado pelo ICMBio/MMA em 2014, que tem duração de cinco anos.

De acordo com Liana Sena, a principal causa apontada para a ameaça de extinção do tatu-bola é a caça: “por isso, o projeto incorporou a dimensão humana na pesquisa aplicada a conservação, como ferramenta para entender a influência de fatores socioeconômicos e culturais na caça de subsistência e captura ilegal do tatu-bola. Essas informações são cruciais para entender conflitos e a relação humano-vida fauna silvestre, e assim construir estratégias mais eficientes e realistas de intervenção e conservação”, esclareceu.

O tatu-bola ocorre em todos os estados do Nordeste e no Tocantins, Minas Gerais e Goiás, sendo encontrado predominantemente na Caatinga e em algumas áreas do Cerrado. No Brasil há uma outra espécie de tatu-bola, Tolypeutes matacus, que possui registros no Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, sendo mais comum na Bolívia, Paraguai e Argentina.

A pesquisa vem sendo desenvolvida no Parque Nacional da Serra da Capivara, no Piauí, onde encontra-se a maior concentração de sítios arqueológicos atualmente conhecida nas Américas. A Unidade de Conservação foi fundada em 1979 e em 1991 foi declarada Patrimônio Cultural da Humanidade pela Organização das Nações Unidas pela Educação, Ciência e Cultura (Unesco).

 

Leia Também

O Brasil tem que prestar mais atenção na Caatinga

Tatu-bola-da-caatinga será o mascote da Copa brasileira

Refúgio Tatu-bola, nova e maior área protegida de Pernambuco