Download PDF

A agrossilvicultura permite o desenvolvimento da pecuária, lavoura e floresta numa mesma área. Foto: Divulgação/Emater

A agrossilvicultura permite o desenvolvimento da pecuária, lavoura e floresta numa mesma área. Foto: Divulgação/Emater

A agrossilvicultura é a prática de combinar espécies florestais (árvores ou outras espécies perenes lenhosas) com culturas agrícolas e/ou pecuária, com o objetivo melhorar o aproveitamento dos recursos naturais e a produção de alimentos. Também é chamada de sistemas agroflorestais (SAF's), ela busca o uso mais sustentável dos recursos produtivos.

Embora técnicas de combinação de árvores com agropecuária já tenham sido praticadas antes mesmo do surgimento da agricultura moderna, a ciência da agrossilvicultura surgiu apenas na década de 1970, quando se realizaram grandes estudos sobre o papel das árvores na saúde do solos tropicais. As bases principais da prática estão na silvicultura (estudo da regeneração e exploração de florestas), agricultura, zootecnia e manejo do solo. Seus objetivos varia da produção de alimentos, produtos florestais madeireiros e não madeireiros, melhoria da paisagem, incremento da diversidade genética e conservação ambiental.

Os SAF's têm vantagens em relação aos sistemas convencionais de uso da terra, pois permitem maior diversidade e maior sustentabilidade. A coexistência de mais de uma espécie numa mesma área melhora a utilização da água e dos nutrientes do solo. Há ainda a recuperação da fertilidade dos solos, o fornecimento de adubos verdes e o controle de ervas daninhas.

Classificação

A classificação de sistemas agroflorestais (SAF's) mais empregada inclui: as árvores, os cultivos e os animais, que podem ser classificados como:

Sílviagrícola: árvores associadas com cultivos agrícolas anuais e/ou perenes. São exemplos: jardins domésticos, "taungya" (plantio de espécies agrícolas nos primeiros anos dos povoamentos florestais), alley cropping (plantio de árvores em fileiras ou faixas e cultivo agrícola entre as fileiras ou faixas)

Silvipastoril: árvores associadas com pecuária. Esta combinação potencializa a produção de madeira e de proteína animal. São exemplos: Banco de proteína (plantio de árvores em áreas de produção de proteína para corte ou pasto direto), árvores em pastagens naturais e/ou plantadas (para regeneração artificial ou natural de árvores em áreas de pastagens naturais ou artificiais), pasto em áreas reflorestadas.

Agrossilvipastoril: árvores associadas com cultivos agrícolas e atividade pecuária. Seu correto manejo possibilita ao mesmo tempo a conservação ambiental, o aumento da produtividade agrícola, o conforto e a maior produção animal, além de melhor qualidade de vida, contribuindo para a fixação do homem no campo. São exemplos: jardins domésticos com animais, método "taungya" seguido de pastagem durante a fase de manutenção de florestas.

 

 

Leia também
O que é a Zona Econômica Exclusiva
O que é uma Armadilha Fotográfica
O que é Monitoramento Remoto de Animais