Salada Verde

Sebastião Salgado apoia a criação de unidades de conservação marinhas

O fotógrafo se posicionou a favor da proteção dos arquipélagos de São Pedro e São Paulo, na costa pernambucana, e Trindade e Martim Vaz, na costa capixaba

Sabrina Rodrigues ·
20 de fevereiro de 2018 · 4 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
Trindade é uma ilha na costa do estado do Espírito Santo que, junto com Martim Vaz, forma um arquipélago. Foto: Simone Marinho/Wikimedia Commons.

 

O movimento em prol da criação de um mosaico de unidades de conservação no ambiente marinho ganhou um reforço de peso. O fotógrafo Sebastião Salgado e sua esposa, Lélia, aderiram a campanha em favor da proteção dos arquipélagos de São Pedro e São Paulo, na costa pernambucana, e Trindade e Martim Vaz, na costa capixaba.

“Aos brasileiros, apoiamos com ênfase esta proposta de dois imensos mosaicos marinhos brasileiros, pedimos a todos que também apoiem”, Lélia D.W. Salgado e Sebastião Salgado que, juntos, mantêm uma reserva privada na cidade natal do fotógrafo, em Aymorés, Minas Gerais.

Nos dias 07 e 08 de fevereiro, foram realizadas consultas públicas obrigatórias para a criação de Unidades de Conservação. O processo de consulta ficará aberto por 30 dias.

Essas áreas protegeriam uma área total de 887.040 km² do arquipélago de São Pedro e São Paulo (ASPSP) e da cadeia de Montes Submarinos Vitória-Trindade e Arquipélagos de Trindade/Martim Vaz. Nessa proposta, em ambas regiões seriam criadas UCs em duas categorias de manejo: um Monumento Natural (MONA), de proteção integral; e uma Área de Proteção Ambiental (APA), que permite uso sustentável dos recursos.

Durante as consultas, as autoridades receberam apoio dos representantes da academia, ONGs e empresários do setor de ecoturismo e mergulho recreativo sobre a proposta, e a maioria dos que se manifestaram ressaltaram a necessidade de que se ampliasse o desenho dos Monumentos Naturais, de Proteção Integral. Eles também ressaltaram a necessidade de regular adequadamente a pesca e proibir a mineração dos fundos marinhos nas Áreas de Proteção Ambiental (APAs) do entorno.

O Brasil tem menos de 2% de áreas protegidas marinhas, sendo que maior parte dessa porcentagem permite o uso de recursos naturais existentes, como a pesca e o extrativismo.

Novas unidades

A ilha de Trindade, no Espírito Santo, é onde acontece o primeiro nascer do sol do país. A região abriga uma enorme riqueza de espécies marinhas, como moluscos, peixes de mar aberto, tubarões, golfinhos, baleias, esponjas, e 13 espécies de peixes recifais. Já o arquipélago de São Pedro e São Paulo, no litoral de Pernambuco, é o único conjunto de ilhas brasileiras acima da linha do Equador. É o lar do atobá, ave migratória mais encontrada na região, caranguejos, tubarões-baleia e da arraia-jamanta, que na fase adulta pode pesar mais de 1,5 tonelada.

 

Saiba Mais

Movimento #ÉaHoradoMar!

Leia Também

Ferramenta ajuda a pressionar o governo a decretar UCs marinhas

A hora do mar: uma conversa crítica sobre os mosaicos de unidades de conservação marinhas

É a hora do mar

 

 

  • Sabrina Rodrigues

    Repórter especializada na cobertura diária de política ambiental. Escreveu para o site ((o)) eco de 2015 a 2020.

Leia também

Análises
31 de janeiro de 2018

É a hora do mar

É essencial que entidades ambientalistas tomem conhecimento e apoiem a iniciativa, se posicionem e defendam esse grande passo que o Brasil está dando

Análises
6 de fevereiro de 2018

A hora do mar: uma conversa crítica sobre os mosaicos de unidades de conservação marinhas

O Brasil está no caminho certo ao planejar a expansão das UCs marinhas, mas é preciso ficar de olho no que consta (e no que não consta) nos decretos de criação

Salada Verde
6 de fevereiro de 2018

Ferramenta ajuda a pressionar o governo a decretar UCs marinhas

E-mails serão enviados para o presidente com cópia para os ministros da Defesa, Casa Civil e do Meio Ambiente apoiando a criação de UCs em dois arquipélagos oceânicos

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta