Salada Verde

Quase 1700 araras-azuis-de-lear habitam na Bahia

Número é resultado do censo, que pela primeira vez, é realizado em cinco dormitórios utilizados atualmente pela Anodorhynchus leari na região de Raso da Catarina

Sabrina Rodrigues ·
27 de agosto de 2018 · 3 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
De acordo com o censo realizado na região de Raso da Catarina, na Bahia, existem, hoje, em média, 1694 araras-azuis-de-lear (Anodorhynchus leari). Foto: João Quental/Flickr.

Espécie classificada pela IUCN como em perigo (Endangered), existem, hoje, em média, 1694 araras-azuis-de-lear (Anodorhynchus leari) na região do Raso da Catarina, Bahia. Esse foi o resultado do censo realizado entre os dias 07 e 10 de agosto, que reuniu pesquisadores do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (Cemave, Esec Raso da Catarina, Resex Canavieiras e APA Chapada do Araripe), da Fundação Biodiversitas, do Instituto de Meio Ambiente e Recursos Hídricos da Bahia (INEMA) e da Qualis Ambiental, e mais 15 voluntários.

O censo foi realizado, pela primeira vez, nos cinco dormitórios utilizados atualmente pela Anodorhynchus leari: Serra Branca (localizada no sul da Esec Raso da Catarina), Estação Biológica de Canudos, Fazenda Barreiras, Baixa do Chico (Terra indígena dos Pankararés) e Barra do Tanque. “Isso possibilitou chegarmos a uma estimativa mais aproximada do tamanho real da população de araras-azuis-de-lear na natureza”, afirma Emanuel Barreto, analista ambiental do Cemave.

O levantamento seguiu a metodologia padrão estabelecida pelo Cemave (Centro Nacional de Pesquisa para a Conservação das Aves Silvestres), com seis contagens a partir de um ponto fixo, sendo três ao amanhecer (quando as araras saem dos dormitórios para as áreas de alimentação) e três ao entardecer (quando elas retornam aos dormitórios). Em todos os pontos de contagem estabelecidos havia pelo menos dois recenseadores com binóculos, máquinas fotográficas e rádios de comunicação.

Segundo o biólogo Thiago Filadelfo, da Qualis Ambiental, foi importante a inclusão do dormitório situado na Barra do Tanque, em Euclides da Cunha, no censo, pois ele possui característica diferente dos demais dormitórios. “É o único dormitório onde as araras dormem em árvores, um hábito comportamental desconhecido para a arara-azul-de-lear até pouco tempo”, afirma o biólogo.

A arara-azul-de-lear (Anodorhynchus leari) é uma espécie endêmica da Caatinga, mais especificamente do Raso da Catarina, nordeste do estado da Bahia. O tráfico de animais e a destruição do seu habitat estão entre as principais ameaças sofridas pela espécie. Outro problema enfrentado pela arara-azul-de-lear é a redução provocada pela atividade humana do seu principal alimento, que são os coquinhos da palmeira licuri (Syagrus coronata).

 

*Com informações da Assessoria de Comunicação do ICMBio.

 

Leia Também

Arara-azul-de-lear é resgatada na Bahia

Araras-azuis-de-lear estão voando para casa

O retorno das ararinhas bahianas

 

  • Sabrina Rodrigues

    Repórter especializada na cobertura diária de política ambiental. Escreveu para o site ((o)) eco de 2015 a 2020.

Leia também

Notícias
6 de fevereiro de 2015

O retorno das ararinhas bahianas

As araras-azuis-de-lear têm uma população pequena, com menos de 1000 animais. Mas o sucesso da conservação parecer mudar estes número.

Análises
29 de fevereiro de 2016

Araras-azuis-de-lear estão voando para casa

Programa internacional de reprodução em cativeiro é uma das ferramentas que está tirando a espécie do caminho rápido para a extinção.

Salada Verde
19 de outubro de 2017

Arara-azul-de-lear é resgatada na Bahia

A ave foi avistada no município baiano de Euclides da Cunha. Animal sofreu um aumento do volume da articulação na asa direita, mas sem ferimentos

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta