Salada Verde

Por meio da arte, festival online traz diálogos sobre práticas de conservação do rio

Do dia 2 a 10 de agosto, o Seres-Rios Festival Fluvial realiza exposição de artes visuais e mostra de cinema, além de debate com encontro inédito entre Ailton Krenak e Marisol de La Cadena

Bruna Martins ·
2 de agosto de 2021
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente

Em meio a situação crítica de escassez de recursos hídricos na Bacia do Paraná, torna-se importante abrir o debate sobre a relação homem-água. Utilizando a arte, o evento on-line Seres-Rios Festival Fluvial busca trazê-lo junto ao diálogo com especialistas sobre o assunto. Em sua programação há mesas de debates, exposição coletiva de artes plásticas, mostra de filmes, cartografia inédita e conteúdo infantil sobre três dos mais importantes rios de Minas Gerais – Opará-São Francisco, Watú-Doce e Yékyty-Jequitinhonha – e as pessoas que moram no seu entorno.

Realizado pelo BDMG Cultural, a abertura ocorrerá nesta segunda-feira, dia 02 de agosto, às 19h, com o debate sobre política cósmica: “A convivência de seres humanos com seres rios no mesmo planeta”, entre o líder indígena, ambientalista, filósofo e escritor Ailton Krenak e Marisol de la Cadena, antropóloga peruana, com a mediação de Ana Gomes. Em seguida, às 20h30, a conversa abre espaço para a música e quem apresenta é a cantora Mônica Salmaso com o show “A Música dos Rios”, junto com o pianista André Mehmari e com o saxofonista e flautista Teco Cardoso. O evento acontecerá até o dia 10.

Para o espaço de diálogo, o festival trará debates relacionados à temática dos rios e seu futuro, com a participação de ambientalistas, urbanistas, antropólogos e pesquisadores. “Rios Urbanos: Qual o futuro dos rios nas cidades?”; “Futuro dos rios: O que podem os rios no mundo pós-desenvolvimentista?”, “Extinções: Como morrem os rios?”, “Desextinção – Como renascem os rios?”, “Ecossistêmicas: Podem rios vivos curar humanos?” e “Rios sujeitos de direitos: O que pensam os rios? Quem fala em seu nome?” são exemplos das conversas que irão compor o espaço.

Apesar dos debates diretos sobre o assunto, evento dá importância ao diálogo também pelo viés artístico, como exposição de artes visuais com obras de artistas ligados à temática, como fotos, vídeos, dança e áudios dos trabalhos de Davi de Jesus do Nascimento, Edgar Xakriabá, Ana Pi, Nydia Negromonte, Paulo Nazareth e Sara Lana, além da mostra de cinema “Rios para ver”, que conta com 18 filmes retratando as riquezas naturais dos rios Doce, São Francisco e Jequitinhonha, além de 6 produções sobre outros rios brasileiros e as tradições dos povos ligados às suas águas.

“Em um momento em que se discute as questões ambientais, a crise hídrica, especialmente em Minas Gerais – a caixa d’água do país –, é urgente falar sobre os nossos rios e a nossa relação com eles. O Seres-Rios chega como um espaço múltiplo de diálogos e conhecimentos, que propõe perspectivas diferentes e plurais para pensar o lugar que os rios ocupam e deveriam ocupar hoje e no futuro. Uma abordagem multidisciplinar e de origens diversas para falar sobre águas e dos ensinamentos que brotam a partir delas” –  Gabriela Moulin, Presidente do BDMG Cultural. 

As crianças também fazem parte da sociedade afetada pela escassez hídrica e são contempladas pela programação. Para estarem desde pequenos atenciosos à questão das águas, o festival exibirá a gravação de um episódio especial do podcast Maritaca, programa voltada ao público infantil, além de oficinas e a transmissão do espetáculo “Pra Nhá Terra”, que aborda de forma lúdica e poética as questões ambientais do planeta, interpretado pelo grupo de teatro Ponto de Partida e Meninos de Araçuaí e banda.

O evento será transmitido de forma gratuita pela plataforma www.seresrios.org e ocorrerá do dia 2 a 10 de agosto.

  • Bruna Martins

    Jornalista em formação pela Universidade Federal do Amazonas (UFAM).

Leia também

Salada Verde
3 de junho de 2021

Parques do Brasil: Evento busca o debate sobre a gestão e valorização dos parques

Previsto para os dias 9 e 10 de junho, evento do Semeia contará com a presença do ex-ministro do Meio Ambiente, Rubens Ricupero, e o governador do Espírito Santo, Renato Casagrande

Reportagens
22 de novembro de 2020

Hidrelétrica no ‘Velho Chico’ poderá promover graves desequilíbrios, diz estudo

Tratado como prioridade nacional, empreendimento no Alto Rio São Francisco está localizado em área de preservação permanente e poderá afetar 8 mil pescadores

Salada Verde
24 de outubro de 2018

Ibama autoriza funcionamento do Eixo Leste da Transposição do Rio São Francisco

A validade da licença de operação (LO) está condicionada à continuidade da execução dos planos e programas socioambientais aprovados pelo órgão ambiental

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta