Salada Verde

MP beneficiará casos recentes de grilagem, diz Imazon

Organização lança nota técnica contra a medida provisória 910, que regulariza a ocupação de terras públicas até 2018 em todo o país

Daniele Bragança ·
13 de fevereiro de 2020 · 1 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
Foto: Marcio Isensee e Sá.

O Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon) publicou uma nota técnica sobre a MP da regularização fundiária (MP 910), publicada pelo governo em dezembro (11), que regulariza a ocupação de terras públicas até 2018 em todo o país.

A MP está tramitando em comissão mista no Congresso Nacional, formada por deputados e senadores, e já recebeu 542 emendas

Segundo a nota técnica, assinada pelos especialistas Brenda Brito e Paulo Barreto, a regularização das ocupações irregulares em terras públicas: 

  • Possibilita a anistia ao crime de invasão de terra pública àqueles que o praticaram entre o final de 2011 e 2018, além de permitir a titulação de áreas públicas desmatadas ilegalmente nesse período;
  • Regulariza sem licitação quem ocupou terra pública entre o final de 2011 e 2018, criando uma barreira à livre concorrência, já que dispensa a competição para determinar quem teria as melhores propostas para uso da terra;
  • Amplia a concessão de subsídios custeados pela sociedade brasileira que, só na Amazônia, podem chegar a R$ 88 bilhões (1/4 do valor de mercado da Petrobras) pelo baixo valor cobrado na venda da terra pública (até 98% abaixo do valor de mercado de terras); 
  • Promove um “Refis fundiário” ao conceder uma terceira prorrogação de prazo de renegociação aos titulados que descumpriram regras, e acaba estimulando a inadimplência, uma vez que cria a expectativa de que as obrigações nunca serão cobradas;
  • Contraria uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), pois amplia a regra de emissão de títulos com dispensa de vistoria sem criar um procedimento robusto de checagem de banco de dados já disponíveis.

Por esses motivos, os autores recomendam que o Congresso rejeite a matéria. 

Leia a nota na íntegra

 

Leia Também 

MP da regularização fundiária anistia grilagem de terras públicas até 2018

Depois da madeira vem o gado: o desmatamento em Santo Antônio do Matupi

Grilagem de terra é responsável por 35% do desmatamento na Amazônia, diz Ipam

 

 

  • Daniele Bragança

    É repórter especializada na cobertura de legislação e política ambiental. Formada em jornalismo pela Universidade do Estado d...

Leia também

Notícias
20 de novembro de 2019

Grilagem de terra é responsável por 35% do desmatamento na Amazônia, diz Ipam

Segundo o Instituto, as florestas estão sendo destruídas para que terras públicas fiquem nas mãos de poucas pessoas

Reportagens
4 de fevereiro de 2020

Depois da madeira vem o gado: o desmatamento em Santo Antônio do Matupi

No sul do estado do Amazonas, perto das divisas de Rondônia e Mato Grosso, retirar madeira e colocar gado repete o padrão que destrói a floresta

Reportagens
11 de dezembro de 2019

MP da regularização fundiária anistia grilagem de terras públicas até 2018

Governo Bolsonaro publica pacote de medidas para “modernizar” processo de titulação de terras no país, mas resultado é anistia geral da grilagem e estímulo à ocupação de mais terras públicas, dizem especialistas

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta