Salada Verde

MMA publica nota contra alterações no relatório que recorta Jamanxim

Ministério vai propor veto ao presidente caso proposta seja aprovada como está nos plenários da Câmara e do Senado. MP foi descaracterizada do propósito original

Daniele Bragança ·
12 de abril de 2017 · 4 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
Da esquerda para a direita: deputada Janete Capiberibe (PSB-AP), em pé, relator José Priante (PMDB-PA) e o presidente da comissão mista, senador Flexa Ribeiro (PSDB-PA), na votação do relatório final, na terça. Foto: Waldemir Barreto/Agência Senado.
Da esquerda para a direita: deputada Janete Capiberibe (PSB-AP), em pé, relator José Priante (PMDB-PA) e o presidente da comissão mista, senador Flexa Ribeiro (PSDB-PA), na votação do relatório final, na terça. Foto: Waldemir Barreto/Agência Senado.

O Ministério do Meio Ambiente publicou nota contra a aprovação do relatório do deputado José Priante (PMDB/PA) na Comissão Mista que analisa a MP 756, aquela que alterou os limites da Floresta Nacional (Flona) de Jamanxim, no Pará. Aprovada ontem (11), o novo texto, além de flexibilizar ainda mais a proteção da área, modifica unidades de conservação que não tem nada a ver com a história e retira as recompensas ambientais que a MP incluiu ao diminuir Jamanxim: o aumento do Parque Nacional do Rio Novo para dentro de parte da Flona foi anulado.

Veja a nota do Ministério:

O Ministério do Meio Ambiente, com base em estudos e pareceres técnicos do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), manifesta sua posição contrária ao texto aprovado pela comissão mista encarregada de analisar a Medida Provisória nº 756/2016, pelos seguintes motivos: 

  1. O texto aprovado descaracteriza o propósito original da MP 756, ao sinalizar contrariamente aos esforços do Governo Federal em conter o desmatamento na Amazônia, cujos índices voltaram a subir, tendo atingido, em 2016, a marca de 7.989 km2, o que representa um aumento de 29% em relação ao ano anterior.
  2. A FLONA do Jamanxim localiza-se em área que concentra as maiores taxas de desmatamento ilegal em unidades de conservação federais (68,48% de todo o desmatamento ilegal nas unidades de conservação federais na Amazônia). Somente a FLONA do Jamanxim representa 37,7% da taxa total de desmatamento (dados PRODES 2016 preliminar).
  3. A região tem sido palco de frequentes conflitos fundiários, de atividades ilegais de extração de madeira e minérios, associadas à grilagem de terra e à ausência de regramento ambiental, com reflexos na escalada da criminalidade e da violência contra agentes públicos.
  4. O texto aprovado não colabora com a implantação das políticas de governo adequadas para enfrentar essas questões, notadamente o Plano de Prevenção e Combate ao Desmatamento na Amazônia (PPCDAm), que prevê, entre outras medidas, a ampliação, consolidação e fortalecimento de unidades de conservação na Amazônia.
  5. O texto representa também um retrocesso nos esforços do governo brasileiro para cumprir com os compromissos que assumiu sob o Acordo de Paris para combater o aquecimento global, por meio de metas de redução de emissões nas quais o combate ao desmatamento e a valorização da floresta em pé têm importância central.

Caso seja aprovado no Plenário, o Ministério irá recomendar o veto do Presidente da República, com base nos pareceres técnicos do ICMBio.

 

Leia Também

Comissão aprova relatório que recorta ainda mais Jamanxim

Parlamentares podem até extinguir a Floresta Nacional de Jamanxim

Redução de Jamanxim beneficia grileiros recentes, diz estudo

 

  • Daniele Bragança

    É repórter especializada na cobertura de legislação e política ambiental. Formada em jornalismo pela Universidade do Estado d...

Leia também

Reportagens
20 de fevereiro de 2017

Redução de Jamanxim beneficia grileiros recentes, diz estudo

Nova análise feita pela ONG Imazon reforça acusações de que a redução da Floresta Nacional do Jamanxim premia e incentiva seus invasores

Reportagens
12 de março de 2017

Parlamentares podem até extinguir a Floresta Nacional de Jamanxim

Emendas feitas à MP original suprimem a área protegida e até propõem alterar partes do SNUC, a lei mais alta do país sobre o assunto

Reportagens
11 de abril de 2017

Comissão aprova relatório que recorta ainda mais Jamanxim

Relator acatou 12 das 15 emendas feitas à MP; Parlamentares sustaram o aumento do Parque Nacional do Rio Novo e acrescentaram duas UCs que não estavam no texto original

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. paulo diz: