Salada Verde

Juiz sentencia caçador a assistir ao filme “Bambi”

David Jerry Jr., condenado a um ano de prisão, por matar centenas de cervos no estado do Missouri, nos Estados Unidos, terá que assistir ao clássico da Disney uma vez por mês

Sabrina Rodrigues ·
18 de dezembro de 2018 · 3 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
Caçador furtivo terá que assistir ao clássico da Disney, “Bambi”, uma vez por mês durante um ano. Foto: Projeção do filme “Bambi”/Loren Javier/Flickr.

Um juiz do condado de Lawrence, no estado de Missouri, nos Estados Unidos, utilizou uma sentença um tanto inusitada para condenar um caçador ilegal que matou centenas de cervos. O magistrado Robert George sentenciou David Jerry Jr., de 29 anos, a assistir, uma vez por mês, ao filme “Bambi”, um clássico da Disney.

David Jerry Jr. foi condenado a um ano de prisão e nesse período deverá  assistir, obrigatoriamente, a animação de 1942, onde o personagem principal, um cervo chamado Bambi, tem sua mãe morta por caçadores.

No dia 31 de agosto de 2016, David Berry Jr foi preso junto com o seu pai, David Berry Sr. e mais dois irmãos pela matança de centenas de cervos. As autoridades não sabem informar o número exato de animais mortos. David, além de matar os animais, decapitava-os, levando com ele as cabeças e os chifres dos animais como troféus, deixando o resto dos corpos dos cervos apodrecendo. O evento está sendo considerado como um dos maiores casos de caça no estado de Missouri.

O pai de Berry e seus dois irmãos pagaram US 51.000 (o equivalente, hoje, a R$ 200 mil) em multas e custas judiciais, mas a David coube a “sentença” adicional de assistir ao desenho.

A investigação, que levou os Berry à prisão, durou quase nove meses e também envolveu casos no Kansas, Nebraska e Canadá. O Departamento de Conservação do Missouri disse que as informações fizeram 14  residentes do estado a enfrentar mais de 230 acusações em 11 países.

David Berry Jr. tem até o dia 23 de dezembro para começar a assistir ao filme “Bambi”.

 

Leia Também

Homem é multado por abater veado-campeiro em São Paulo

Relator rejeita Projeto de Lei que liberaria a caça no Brasil

Projeto de Lei regulamenta a caça de animal silvestre no Brasil

 

  • Sabrina Rodrigues

    Repórter especializada na cobertura diária de política ambiental. Escreveu para o site ((o)) eco de 2015 a 2020.

Leia também

Notícias
3 de janeiro de 2017

Projeto de Lei regulamenta a caça de animal silvestre no Brasil

Proposta quer a criação de reserva própria para caça de animais e revoga a Lei de Proteção à Fauna, de 1967, que proíbe o exercício da caça profissional

Salada Verde
5 de dezembro de 2017

Relator rejeita Projeto de Lei que liberaria a caça no Brasil

Na segunda-feira (04), o deputado Nilto Tatto (PT/SP) emitiu parecer rejeitando o PL 6.268/16, que previa a regulamentação do exercício da caça no país

Salada Verde
27 de setembro de 2017

Homem é multado por abater veado-campeiro em São Paulo

Polícia Ambiental encontrou partes cortadas do animal no freezer da residência do sujeito, em Regente Feijó. Multa foi fixada em 5 mil reais

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 4

  1. Carlos Magalhães diz:

    Eu li as matérias originais desse assunto em algumas mídias norte americanas. NENHUMA falava em caçador (hunter). Todas, SEM EXCEÇÃO, falam de POACHER, o que é bem diferente de hunter.

    Mas aqui, nestes tristes trópicos de monoglotas e ideologias enviesadas… Pobres de nós.


    1. José Brazil diz:

      1. Bruno Chaves diz:

  2. Carlos Magalhães diz:

    "condenar um caçador", "um dos maiores casos de caça no estado de Missouri." Essas duas afirmações já não podem ser consideradas simples ignorância, mas denotam um viés ideológico e preconceituoso torto.

    Esse homem preso NÃO era caçador, mas sim um "poacher", ou caçador ilegal; resumindo: um bandido. Nos Estados Unidos são mortos, por ano, muitos milhares de cervos legalmente, como, aliás, em todos os países de primeiro mundo, sem exceção.

    Da. Sabrina, procure informar-se mais e melhorar um pouco seus textos. Um pouco mais de responsabilidade, precisão e informação não fariam mal.