Salada Verde

Hong Kong quer acabar com o comércio de marfim

Em meio às críticas contra a matança de elefantes, governo enviou um projeto de lei proibindo o comércio na região. Decisão está nas mãos do legislativo

Sabrina Rodrigues ·
29 de junho de 2017 · 4 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
O marfim é contrabandeado para fazer ornamentos nos países asiáticos, principalmente para a China, e também para atender “colecionadores” norte-americanos. Foto: Matthias Rosenkranz/Flickr.
O marfim é contrabandeado para fazer ornamentos nos países asiáticos, principalmente para a China, e também para atender “colecionadores” norte-americanos. Foto: Matthias Rosenkranz/Flickr.

 

O governo de Hong Kong quer proibir do comércio de marfim em seu território. Para isso, enviou ao legislativo local um projeto de lei com a proibição da comercialização do artefato responsável pela caça ilegal de milhares de elefantes todos os anos. A iniciativa é uma resposta não só às manifestações ocorridas na cidade pedindo o fim do comércio, como também, às acusações de que as autoridades estariam atrasadas em relação à China nas ações para eliminar esse mercado.

O projeto de lei proíbe a importação e exportação de marfim trabalhado e bruto até 2021, incluindo a proibição da posse e venda de todo o marfim obtido antes de 1990. No dia 6 de junho, houve uma consulta pública sobre a proposta de proibição de marfim do governo. A consulta contou com a presença de experientes guardas-parques, que tentaram sensibilizar os legisladores do quão mordaz é o comércio de marfim. Muitos guardas já tiveram suas vidas ceifadas combatendo esse comércio.

Consumidor gigante

Hong Kong é o maior comércio de marfim no varejo. A maioria dos compradores são chineses, que fazem o contrabando do marfim através da fronteira.

O extermínio de elefantes na África é alimentado pelo tráfico ilegal de marfim, utilizado para fazer ornamentos nos países asiáticos e também para atender “colecionadores” norte-americanos.

Hong Kong quer seguir os passos da China, que encerrou oficialmente as atividades das fábricas de marfim em 31 de março deste ano. Agora, a decisão da proibição do comércio de marfim na cidade está nas mãos do legislativo.

Leia Também

Elefantes banguelas e ecossistemas mutilados

Demanda por marfim está desestabilizando a África Central

China decide proibir comércio de marfim em 2017

 

  • Sabrina Rodrigues

    Repórter especializada na cobertura diária de política ambiental. Escreveu para o site ((o)) eco de 2015 a 2020.

Leia também

Salada Verde
2 de janeiro de 2017

China decide proibir comércio de marfim em 2017

Com a medida, o país visa proteger os elefantes. Anúncio foi comemorado pelos ambientalistas, que destacaram a decisão como histórica

Reportagens
20 de junho de 2013

Demanda por marfim está desestabilizando a África Central

A caça maciça de elefantes feita através de fronteiras por grupos violentos está levando os países da região a organizarem uma reação.

Análises
28 de setembro de 2016

O genocídio do supérfluo: circo dos horrores no tráfico de fauna

Depois de mais de 30 anos vindo às reuniões da CITES – e de outros tratados internacionais de “uso sustentável dos recursos naturais”, como a Comissão Internacional da Baleia – as pessoas me perguntam por que é que eu fico tão irritado quando falo dessas reuniões. É de fato uma pena que outros ambientalistas e

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 3

  1. ALBERICO ROCHA NEVES diz:

    AINDA BEM,QUE SE INICIEM AÇÕES NESTE SENTIDO

    ALBERICO ROCHA NEVES
    SALVADOR BAHIA BRASIL


  2. Luzia Paglione diz:

    O importante é nao desistir jamais……..sempre devemos ter esperanças


  3. paulo diz:

    Atitude boa, mas muito tardia.

    Aguardar.