Salada Verde

Exoneração de diretor do Ibama será investigado pelo MPF

Olivaldi Azevedo foi exonerado após operação do Ibama de combate ao garimpo ilegal em terras indígenas. Procuradores querem saber as circunstâncias do afastamento

Daniele Bragança ·
22 de abril de 2020 · 1 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
MPF apurará se houve improbidade administrativa no ato de exoneração do diretor. Foto: Vinícius Mendonça/Ibama.

O Ministério Público Federal investigará a exoneração do diretor de Proteção Ambiental do Ibama, Olivaldi Azevedo, ocorrida na semana passada (14). A queda de Olivaldi ocorreu dois dias após a veiculação de uma reportagem produzida pelo Fantástico (Rede Globo) que acompanhou uma operação de fiscalização do Ibama em Terras Indígenas no sul do Pará para combater o garimpo ilegal e impedir a transmissão da COVID-19 para os indígenas.

A investigação do MPF, aberta após pedido das Câmaras de Meio Ambiente e Patrimônio Cultural (4CCR) e de Populaçoões Indígenas e Comunidades Tradicionais (6CCR), apurará se houve desvio de finalidade e quais serão os reflexos da decisão, especialmente nas operações de fiscalização que estão em curso na Amazônia.

A investigação apurará se houve improbidade administrativa no ato de exoneração do diretor.

Histórico

O governo iniciou a mudança na área de fiscalização do Ibama após a veiculação da reportagem da TV Globo, que mostrou queima de maquinário usado em garimpo. A operação tem desagradado grupos apoiadores do governo e a exoneração foi vista como retaliação aos fiscais.

No Ibama, a exoneração do coordenador de operações de fiscalização do Ibama, Hugo Loss, um dos entrevistados na reportagem do Fantástico; e do coordenador-geral de fiscalização ambiental, Renê Luiz de Oliveira, está sendo aguardada pelos fiscais, que enviaram uma nota interna à presidência do Ibama pedindo a suspensão dos processos de exoneração.

“Após resultados expressivos na Amazônia Legal e nos demais temas da fiscalização ambiental, entendemos que os coordenadores exercem condignamente sua atividade e conquistaram a lealdade profissional dos Agentes Ambientais Federais. Nesse contexto, estranhamos o momento das pretensas exonerações, entendendo que, se efetivadas, poderiam refletir retaliação aos servidores. Vislumbra-se, ainda, a possibilidade de dificultar ou, talvez, obstruir as investigações e as operações em curso, senão por uma ação direta, ao menos como resultado de uma mudança de gestão que implicaria em descontinuidade dos trabalhos desenvolvidos”, diz a nota, assinada por 16 analistas ambientais.

 

Leia Também 

Diretor de Proteção Ambiental do Ibama é exonerado

Salles nomeia PM de São Paulo para diretoria do Ibama

Desmatamento na Amazônia atinge nível recorde no primeiro trimestre de 2020

 

  • Daniele Bragança

    Daniele Bragança

    É repórter especializada na cobertura de legislação e política ambiental. Formada em jornalismo pela Universidade do Estado d...

Leia também

Notícias
13 de abril de 2020

Desmatamento na Amazônia atinge nível recorde no primeiro trimestre de 2020

Desmatamento de janeiro a março de 2020 chega a 796km², 51% a mais do que em 2019. Acumulado desde agosto já ultrapassa 5 mil km² desmatados

Notícias
15 de abril de 2020

Salles nomeia PM de São Paulo para diretoria do Ibama

Coronel Olímpio Ferreira Magalhães substitui diretor exonerado na terça-feira após ‘Fantástico’ mostrar operação do Ibama de combate ao garimpo ilegal

Notícias
14 de abril de 2020

Diretor de Proteção Ambiental do Ibama é exonerado

Queda de Olivaldi Azevedo ocorre dois dias depois de reportagem mostrar operação do Ibama de combate ao garimpo ilegal em terras indígenas. MMA não justifica remoção

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta