Salada Verde

Desmatamento consolidado: Amazônia perdeu 7.536 km² em 2018

INPE divulgou os dados consolidados do período de agosto de 2017 a julho de 2018. Os números preliminares indicavam um desmatamento de 7.900 km²

Sabrina Rodrigues ·
26 de junho de 2019 · 2 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
O Pará lidera como o estado que mais desmatou em 2018, segundo dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE). Foto: Frank Krämer/Flickr.

O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) divulgou ontem os dados consolidados do desmatamento na Amazônia Legal, que atualizam os dados preliminares, divulgados no final de 2018. A taxa revisada diminuiu e mostra que a Amazônia perdeu 7.536 km² de floresta. Esse valor é 4,61% abaixo da taxa estimada pelo PRODES em novembro de 2018, que foi de 7.900 km². 

Mesmo assim, é como se uma área de floresta um pouco menor que cinco cidades de São Paulo fosse derrubada em 12 meses.

O calendário do desmatamento vai de agosto de 2017 a julho de 2018. O resultado demonstra um aumento de 8,5% em comparação ao mesmo período do ano anterior, quando foram registrados 6.947km². 

O Pará lidera como o estado que mais desmatou, sendo responsável por 36,4% do desmate ocorrido no período, seguido de Mato Grosso (19,8%), Rondônia (17,5%), Amazonas (13,9%) e Acre (5,9%).

Desde 2008, o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) faz um esforço para divulgar os dados preliminares do desmatamento no final do ano, durante ocorrência de alguma COP do clima. A tradição de manter um calendário de divulgação começou na COP de Bali (COP-13), ainda durante a gestão de Marina Silva no Ministério do Meio Ambiente. No ano seguinte, entre julho e setembro, são divulgados os dados consolidados. Normalmente, a variação do dado preliminar para o total não ultrapassa 10% para mais ou para menos.

O INPE é o órgão responsável pelos dados oficiais do desmatamento na Amazônia brasileira. 

 

Leia Também

Desmatamento aumenta 14% na Amazônia, maior taxa em 9 anos

Aquecimento e desmate podem cortar Amazônia pela metade em 2050

Vídeo desfaz mitos que opõem produção à conservação no país

 

  • Sabrina Rodrigues

    Repórter especializada na cobertura diária de política ambiental. Escreveu para o site ((o)) eco de 2015 a 2020.

Leia também

Salada Verde
29 de abril de 2019

Vídeo desfaz mitos que opõem produção à conservação no país

Com participação de Tasso Azevedo e Camila Pitanga, filme cruza duas bases de dados para mostrar que país tem espaço para ampliar a proteção às florestas e a agropecuária

Notícias
24 de junho de 2019

Aquecimento e desmate podem cortar Amazônia pela metade em 2050

Novo estudo sugere que efeitos combinados reduziriam a riqueza de espécies em até 58% e criariam “duas Amazônias”, com porção fragmentada ao sul

Notícias
23 de novembro de 2018

Desmatamento aumenta 14% na Amazônia, maior taxa em 9 anos

Foram derrubadas 7.900 km² de floresta entre agosto de 2017 e julho de 2018, aumento de 13,7% em relação ao período anterior, quando foram desmatadas 6947 km²

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta