Salada Verde

Crime organizado é responsável pelo desmatamento na Amazônia, diz Raquel Dodge

Segundo a PGR, é preciso enfrentar o problema como um fenômeno transnacional, onde há quem desmata e quem usa essa madeira no exterior

Sabrina Rodrigues ·
3 de setembro de 2019 · 2 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
Para a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, é preciso combater o crime organizado que desmata, enfrentando o problema da corrupção da lavagem de dinheiro. Foto: Leonardo Prado / Secom / PGR.

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, afirmou que o crime organizado é responsável pelo desmatamento da Floresta Amazônica. A declaração foi feita na solenidade de abertura da reunião de trabalho entre procuradores do Ministério Público Federal (MPF) e representantes da Eurojust (Unidade de Cooperação Jurídica da União Europeia), feita ontem (02), em Brasília.

Dodge afirmou que é preciso enfrentar a questão como um fenômeno transnacional, pois segundo informações apuradas pelo MPF, há indícios da existência de associação entre grupos que derrubam a mata e os compradores de madeira no exterior, para onde segue grande parte do produto extraído ilegalmente das florestas brasileiras.

“[A madeira] não é usada só no território brasileiro. Aliás, é poucas vezes usada no território nacional. Inclusive, porque o porto do escoamento é no Norte do Brasil, não é para dentro do Brasil”, declarou a procuradora-geral. 

Segundo Raquel Dodge, o empreendimento de desmatamento é muito oneroso.“Porque adentrar a floresta, desmatá-la numa primeira fase com uso de mão de obra escrava, carregar aquelas toras, encaminhá-las pelo rio até chegar ao porto, transportá-las de navio até o exterior é obra de uma organização e de um engendramento que não é fruto de coautoria, de uma ação ocasional não planejada”.

Para combater o crime, a PGR reforçou a necessidade de implementação de ações conjuntas entre o Ministério Público brasileiro e autoridades estrangeiras para o enfrentar o problema da corrupção e da lavagem de dinheiro. “Inclusive, porque os outros países têm sido santuário do desvio do dinheiro do patrimônio público brasileiro. Se não houver cooperação para que os países europeus não sejam o destino desse dinheiro desviado do nosso patrimônio público, essa corrupção continuará a ser praticada”, enfatizou Dodge.

 

 

Leia Também

MPF dá 10 dias para que governo comprove que dados do INPE não são confiáveis

MPF entra com ação para proibir mineração em Florestas Nacionais

MPF denuncia 22 pessoas por esquema de fraudes e crimes ambientais no Amazonas

 

 

  • Sabrina Rodrigues

    Repórter especializada na cobertura diária de política ambiental. Escreveu para o site ((o)) eco de 2015 a 2020.

Leia também

Salada Verde
27 de junho de 2019

MPF denuncia 22 pessoas por esquema de fraudes e crimes ambientais no Amazonas

Entre os denunciados estão o ex-diretor jurídico do Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas (Ipaam), Fábio Rodrigues Marques e ex-superintendente do Ibama, José Leland Barroso

Salada Verde
23 de maio de 2019

MPF entra com ação para proibir mineração em Florestas Nacionais

Órgão pede que Justiça proíba garimpo dentro das Flonas Itaituba I e II, no município de Itaituba e Trairão, no Pará e que Agência Nacional de Mineração pare de autorizar as atividades

Notícias
26 de agosto de 2019

MPF dá 10 dias para que governo comprove que dados do INPE não são confiáveis

Órgão enviou ofícios para os ministérios do Meio Ambiente e Ciência e Tecnologia e para a nova diretoria do INPE. Em julho, o presidente da República questionou publicamente a veracidade dos dados

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta