Salada Verde

CNJ identifica 283 mil ações sobre crimes ambientais na Justiça

De acordo com o levantamento, a região amazônica registrou nos últimos 20 anos mais de 54 mil processos contra crimes ambientais na Justiça

Marcos Furtado ·
29 de novembro de 2020
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente

O Brasil tem 283 mil ações sobre crimes ambientais registradas na Justiça há pelo menos 20 anos. Só na região amazônica foram identificados 54,6 mil processos. Os dados são de um levantamento feito pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e foram divulgados durante a primeira reunião do Observatório do Meio Ambiente do Poder Judiciário.

O relatório, que leva em consideração a série histórica desde 2000, apontou que mais da metade das ações é de danos ambientais (110 mil) é de infrações contra a fauna e a flora (41,5 mil).

Na Amazônia, região que vem sofrendo com o aumento das queimadas e desmatamento nos últimos anos, o levantamento apontou que a maior parte das ações registradas também foi de danos ambientais (32,7%). Os crimes contra a flora (22,2%) e a poluição (12%) correspondem ao segundo e terceiro motivos que mais se repetem na Justiça, respectivamente.

O Pará foi o estado da região que liderou o número de ações relacionadas à temática ambiental. De acordo com o CNJ, mais de 20 mil processos direcionados ao território paraense apareceram no levantamento. O estado também vem liderando os resultados do Deter, sistema do INPE que faz o alerta de alterações na cobertura florestal. Em setembro, oito unidades de conservação do Pará ficaram entre as 10 mais desmatadas da Amazônia.

Mato Grosso (14,2 mil ações), Rondônia (7,2 mil), Amazonas (5,7 mil) e Maranhão (2,8 mil) completam a lista dos 5 estados com mais processos abertos contra crimes ambientais. (Marcos Furtado)

 

*Foto de destaque: Pixabay.

Leia Também 

MMA regulamenta normas que alteram aplicação e cobrança de multas ambientais no país

 

  • Marcos Furtado

    Marcos Furtado

    Escreveu para ((o))eco, Estadão, Folha de SP, Colabora. Ganhou o Prêmio Santander Jovem Jornalista e teve o 3º lugar em concurso do ICFJ

Leia também

Reportagens
11 de fevereiro de 2020

MMA regulamenta normas que alteram aplicação e cobrança de multas ambientais no país

Com a regulamentação das mudanças, Bolsonaro consolida suas promessas de campanha de “tirar o Estado do cangote de quem produz” e acabar com “indústria da multa”, defendem especialistas

Notícias
18 de outubro de 2020

Pará tem 8 das 10 unidades de conservação mais desmatadas da Amazônia

Dados do monitoramento do Deter/INPE de setembro revelam que mais de 44% das áreas desmatadas da Amazônia estão concentradas no estado do Pará

Notícias
16 de novembro de 2020

Quase 50% das queimadas estão em áreas recém-desmatadas, diz INPE

Instituto cruza dados de desmatamento com ocorrência de fogo em nova seção de site, com atualização mensal; dados desmentem Bolsonaro e Mourão

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 2

  1. AvatarPaulo diz:

    Com licença.
    E o CNJ vai agilizar estas ações encalhadas. Sim ou não.

    Se não. Então não precisamos de mais diagnóstico, precisamos de tratamento.


    1. AvatarAAI diz:

      Com certeeza precisamos de ação para solução do problema. Mas se é algo que está nesse estado, precisamos primeiro ter conhecimento disso. Levantamento e divulgação da informação, para que a sociedade se toque e possa começar a cobrar que algo seja feito.