Salada Verde

Uma sessão para o retalhe

Falta apenas uma sessão ordinária na Câmara para que os projetos de lei que diminuem em 24% o Parque da Serra da Canastra siga para o Senado. MPF lamenta tramitação.

Redação ((o))eco ·
25 de junho de 2010 · 11 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente

Falta só mais uma sessão ordinária para que os Projetos de Lei 1448 e 1517/2007 – que diminuem em 24% o Parque Nacional da Serra da Canastra e criam no lugar um Mosaico de Unidades de Conservação – saiam da Câmara e sigam para o Senado. A última sessão na Casa em que serão aceitos recursos deve ocorrer na próxima terça-feira, se houver quorum. Enquanto isso, pipocam manifestações contra os projetos. Na última terça-feira, o Ministério Público Federal se manifestou publicamente, lamentando a aprovação do documento pelas Comissões de Constituição e Justiça e Meio Ambiente da Câmara.

 Em nota, o MPF chama a atenção para a forma com que os PLs tramitaram nas comissões, sem qualquer debate público a respeito, o que resulta, segundo o Ministério Público, no completo desconhecimento da população acerca de suas conseqüências. “O silêncio a respeito é tamanho que causa perplexidade a aprovação do projeto por congressistas ditos ‘ambientalistas’, como o deputado federal Fernando Gabeira”, diz o texto, em referência ao parecer positivo do relator do projeto, o deputado do Partido Verde do Rio de Janeiro.

Para o MPF, os projetos, na verdade, visam atender a interesses econômicos, inclusive de mineradoras e grupos estrangeiros que estão se estabelecendo no local e que detêm hoje os direitos de mineração mais expressivos na região. Além disso, o Ministério aponta que os projetos são falhos e incongruentes, pois não foram precedidos de estudos técnicos e não contaram com a participação dos órgãos ambientais. “ Os polígonos propostos possuem traços grosseiros, imprecisos, aparentemente não baseados em critérios ambientais”.

No texto, o MPF diz esperar que a Câmara dos Deputados se manifeste contrariamente aos projetos, em cumprimento aos comandos constitucionais e pela preservação de tão relevante patrimônio ambiental brasileiro. Mas, a julgar pela forma como os PLs estão tramitando na Câmara, o pedido do MPF não será atendido. (Cristiane Prizibisczki)

Leia mais
Canastra mais perto de ser retalhada
Canastra a um passo do recorte

Leia também

Notícias
29 de julho de 2021

Leite repete Salles e desinforma sobre combate ao desmatamento

Em documento, novo ministro culpa Covid por cancelamento de quase metade das operações do Ibama, comemora ações que não saíram do papel e tenta desqualificar INPE

Notícias
29 de julho de 2021

Treze peixes-bois resgatados e reabilitados são devolvidos aos rios da Amazônia

Programada para ocorrer em 2020, a soltura teve atraso por causa da pandemia da Covid-19. É o maior número de devolvidos na natureza feito pelo Projeto Mamíferos Aquáticos da Amazônia

Salada Verde
28 de julho de 2021

Governador do Mato Grosso pede a Bolsonaro que “estadualize” Chapada dos Guimarães

Durante reunião com o presidente, o governador Mauro Mendes pediu a estadualização do Parque Nacional da Chapada dos Guimarães para que estado possa "fomentar o turismo"

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. Fomentar o Turísmo Estadual ? ou Atirar a Chapada dos Guimarães “no Colo do AGRO NEGÓCIO”,..? !
    *Este Parque Além de Ser um PATRIMÔNIO NACIONAL,..Tem Que ser Declarado PATRIMÔNIO DA HUMANIDADE.
    (Nosso País Esta Cheio de más Gestões Estaduais, ex. BANHADO DO TAÍM/RS, LAGÔA DO PEIXE, (houve inclusive um Movimento dos Ambientalístas Contra um Possível “Entreguísmo”,..Entre Outros)