Reportagens

Sistema vai mapear mudança de uso da terra

Por meio de dados de satélites, MapBiomas produzirá mapas anuais de dinâmica do uso do solo em todos os biomas do Brasil. Ferramenta inédita reúne dados desde 1985

Observatório do Clima ·
26 de novembro de 2015 · 6 anos atrás
A tela do aplicativo.
A tela do aplicativo MapBiomas.

Uma plataforma inédita em todo o mundo reunirá dados de satélites para mapear mudanças de uso da terra em todos os biomas brasileiros. O MapBiomas, produto do SEEG/Observatório do Clima, produzirá mapas anuais da cobertura e uso do solo no Brasil, com dados desde 1985 até os dias atuais. A ferramenta foi lançada em versão beta (ainda não finalizada) nesta quinta-feira (26), em São Paulo.

A plataforma está em desenvolvimento e utiliza a tecnologia do Google Earth Engine, que permite o processamento das imagens de satélite na nuvem de forma distribuída e rápida. A partir de um mosaico de pixels – os pontos de cores que formam as imagens digitais – gerado pelo processamento das imagens e a comparação com mapas de períodos anteriores, será possível identificar se houve alteração na cobertura do solo. Também é possível distinguir a variação desse uso, identificando, por exemplo, se uma área foi destinada a pastagem ou agricultura, e até diferenciar cobertura florestal original de áreas reflorestadas. O vídeo abaixo explica a dinâmica da ferramenta e o trabalho em rede dos especialistas.

A iniciativa surgiu para suprir a necessidade de informações atualizadas sobre a dinâmica de uso da terra no Brasil, dados necessários para contabilizar as emissões de gases de efeito estufa no País e para subsidiar políticas públicas no setor de uso da terra e agropecuária. Atualmente, os dados de mudança de uso do solo em escala nacional são produzidos somente em intervalos de cinco a oito anos.

“A produção de mapas anuais vai mudar a forma como enxergamos a dinâmica de uso do solo no Brasil e isso vai ser possível aplicando novas tecnologias e ferramentais hoje disponíveis que não existiam há poucos anos”, diz Tasso Azevedo, coordenador geral do projeto. As referências para calibrar a plataforma são mapas já existentes e utilizados oficialmente pelo governo brasileiro, como imagens do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), do IBGE e do Ibama.

“É uma revolução para a conservação brasileira, pois as imagens vão mostrar um raio x real e atualizado de todas as áreas naturais que foram devastadas e as que foram recuperadas com florestas”,  avalia André Ferretti, coordenador-geral do Observatório do Clima. “O grande espírito do MapBiomas é disponibilizar de forma mais fácil e organizada dados que antes estavam disponíveis apenas para especialistas.”

Os técnicos envolvidos no projeto também destacam que os dados gerados pelo MapBiomas poderão apoiar o monitoramento das metas brasileiras de redução de emissões de gases de efeito estufa e em outras políticas relacionadas a conservação e uso do solo, como a implementação do Sistema Nacional de Unidades de Conservação.

Para Ana Cristina Barros, secretária de Biodiversidade e Florestas do Ministério do Meio Ambiente, a sociedade civil deve dialogar com o governo para melhorar o uso dos dados, pois os mapas por si só não interferem em políticas públicas. “É necessário diminuir ruídos no lançamento de dados oficiais e dados da sociedade civil e tornar mais úteis essas informações.”

O acesso à ferramenta de trabalho e aos dados será aberto, possibilitando que pesquisadores do Brasil e de fora do país usem os produtos gerados e trabalhem na ferramenta que gera os dados gerando informações específicas e personalizadas. “O MapBiomas é um projeto inovador e ambicioso para entender as mudanças de uso do solo no Brasil”, diz Rebecca Moore, Diretora do Google Earth Engine “e acreditamos que se alinha naturalmente com nosso compromisso na Google de desenvolver tecnologias que ajudam as pessoas a encontrar, usar e gerar informações úteis para enfrentar os desafios de nosso tempo”.

Assista ao vídeo completo do evento de lançamento da plataforma:

 

*Este artigo foi publicado originalmente no site do Observatório do Clima, republicado em O Eco através de um acordo de conteúdo. logo-observatorio-clima

 

 

Leia Também
Concentração de gases-estufa bate recorde, mesmo com emissão “estagnada”
País poderá viver drama climático em 2040
2015 deve ser (de novo) o ano mais quente

 

 

 

  • Observatório do Clima

    O Observatório do Clima é uma coalizão de organizações da sociedade civil brasileira criada para discutir mudanças climáticas

Leia também

Reportagens
26 de outubro de 2015

2015 deve ser (de novo) o ano mais quente

Agência norte-americana do clima confirmou nesta segunda-feira a informação que 2015 deve ser o ano mais quente já registrado na história.

Reportagens
30 de outubro de 2015

País poderá viver drama climático em 2040

Em 25 anos, Brasil conviverá com calor extremo, falta d’água e de energia, queda na produção agropecuária, doenças e prejuízo por ressacas, sugere maior estudo já feito sobre impactos do clima.

Reportagens
10 de novembro de 2015

Concentração de gases-estufa bate recorde, mesmo com emissão “estagnada”

Novos dados da Organização Meteorológica Mundial indicam que nível de CO2 no ar atingiu 397,7 partes por milhão em 2014

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta