Reportagens

Mudança do clima põe US$2,5 trilhões em risco

Eventos climáticos extremos e perda de produtividade são as principais causas para a perda econômica, de 1,8% da economia global.

Observatório do Clima ·
7 de abril de 2016 · 5 anos atrás
Foto: quantz/flickr
Foto: quantz/flickr

Um estudo divulgado na segunda-feira (4) na Nature mostra que um aquecimento de 2,5°C até 2100 pode colocar em risco US$2,5 trilhões em ativos – o que representa 1,8% da economia global. No cenário mais pessimista da pesquisa da London School of Economics, e com as incertezas de valoração dos riscos impostos pela mudança do clima, há 1% de chance de que o prejuízo chegue até US$ 24 trilhões.Os autores, liderados por Simon Dietz, concluem que limitar o aquecimento do planeta em 2°C, como acordado na COP21 em Paris, poderia reduzir significativamente os valores sob risco por conta do clima. Mesmo assim, US$ 1,7 trilhões continuarão em risco.“Nossos resultados podem surpreender os investidores, mas não será surpresa para muitos economistas que trabalham em mudanças climáticas, porque os modelos econômicos ao longo dos últimos anos vêm gerando estimativas cada vez mais pessimistas sobre os impactos do aquecimento global sobre o crescimento econômico futuro”, diz Diez. “Mas também descobrimos que o corte de gases de efeito estufa para limitar o aquecimento global a não mais que 2°C reduz substancialmente o valor em risco por causa do clima.”Para apresentar este resultado, os pesquisadores levaram em consideração uma carteira diversificada de ativos e quatro dimensões da incerteza: a taxa de crescimento da produtividade, a vulnerabilidade climática, perdas no PIB relacionadas ao clima e custos de redução de emissões.De acordo com o estudo, há duas maneiras principais em que as mudanças climáticas podem afetar o valor dos ativos financeiros: a destruição direta ou depreciação de bens de capital por eventos climáticos extremos (secas, inundações, tempestades, incêndios), por exemplo, e na mudança no retorno sobre ativos de capital, na produtividade do conhecimento e ou da produtividade do trabalho e, portanto, do salário e distribuição de lucros.

Os pesquisadores ressaltam que investidores institucionais, em especial fundos de pensão, estão na vanguarda do trabalho nesta área. “Para eles, a possibilidade de que as mudanças climáticas reduzam o retorno de longo prazo de investimentos faz com que seja uma questão de dever fiduciário para com os beneficiários de fundos”, dizem os autores. “É por isso que não é incomum ver os fundos de pensão defendendo redução significativa de emissões.”

Segundo análises apresentadas por pesquisadores, as metas voluntárias de redução de emissões apresentadas pelos países à Convenção de Mudanças Climáticas até agora coloca o mundo numa trajetória rumo aos 2,7ºC a 3,5ºC. A revisão dessas metas deve acontecer antes de 2020, quando entra em vigor o Acordo de Paris.

*Este artigo foi publicado originalmente no site do Observatório do Clima, republicado em O Eco através de um acordo de conteúdo. logo-observatorio-clima

 

  • Observatório do Clima

    O Observatório do Clima é uma coalizão de organizações da sociedade civil brasileira criada para discutir mudanças climáticas

Leia também

Reportagens
3 de abril de 2016

Degelo antártico pode dobrar subida do mar

Colapso de partes do manto de gelo do continente austral pode, sozinho, elevar o nível global dos oceanos em 1 metro até 2100 caso emissões não sejam cortadas.

Reportagens
2 de fevereiro de 2016

Atraso em inventário põe R$ 30 mi em risco

Terceira Comunicação Nacional, com estimativa de emissões do país, está parada na Casa Civil desde agosto; atraso já ameaça recursos para quarto inventário, que só começa após entrega do terceiro

Reportagens
26 de janeiro de 2016

Fauna amazônica presta serviço de US$ 5 tri

Estimativa corresponde ao carbono mantido na floresta por macacos e antas ao dispersar sementes de grandes árvores, afirmam pesquisadores do Reino Unido e do Brasil

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. Por que os RURALISTAS e os EMPRESÁRIOS DINOSSAUROS precisam passar para o lado dos AMBIENTALISTAS. Não se trata de "questões poéticas" e nem de ingenuidades! São fatos comprovados! Acordem! Sejam a favor da sustentabilidade integral com suas três vertentes conforme proposto internacionalmente: ambiental, social e econômica. Não sejam ASNOS GANANCIOSOS. Sejam empresários conscientes e inteligentes. O futuro do país não está no dinheiro circulante! Está no nosso patrimônio natural preservado e nos recursos naturais usados com racionalidade e sensibilidade. O nível de percepção do mal que esses oportunistas – OS DEPREDADORES DO PAÍS – causam às atuais e às futuras gerações já foi desmascarado. Um novo modelo de desenvolvimento vai substituir as facções criminosas dos impérios do ouro e da prata. Esse novo movimento vai fazer diferença nas urnas, mais cedo do que pensam. A sociedade não vai mais tolerar os absurdos cometidos pelos grupos que jogam contra a nação e só apostam em suas contas bancárias no exterior. Com oposição ou sem oposição, o equilíbrio das ações humanas será o destino que os atuais jovens políticos seguirão porque não há mais como enganar as pessoas por midia comprada e comprometida só com vulgaridades e distorção da verdade. O próprio jornalismo precisa acordar enquanto é tempo. Não vai ser possível manter as pessoas enganadas por tanto tempo. Não agora, no século XXI. Foi possível no passado! Não será mais no momento atual. Os grupos monopolizadores que sempre comandaram o país, terão que repensar suas convicções distorcidas. Até mesmo porque o tempo – o tempo se encarregará naturalmente de substituí-los. Embota crítico, sou otimista com o futuro do pais. Acredito sim na SOCIEDADE e nos PESQUISADORES BRASILEIROS´sérios. O resto é resto! Devem ser decompostos e mineralizados na cadeia de resíduos e reciclados para germinar sob um novo paradigma do século XXI: a sensatez! Viva a economia? Não! Viva o equilíbrio!