Fotografia em Unidades de Conservação: o debate está aberto

Nanda Melonio
terça-feira, 15 setembro 2015 17:28
Pôr do sol na Reserva Extrativista Chico Mendes, no Acre. Foto: Nanda Melonio
Pôr do sol na Reserva Extrativista Chico Mendes, no Acre. Foto: Nanda Melonio

A divulgação de imagens das áreas protegidas é um instrumento para fiscalizar e disseminar informações para o grande público, mas as regras que os fotógrafos devem seguir ainda são um obstáculo. Em 2011, o Instituto Chico Mendes de Biodiversidade (ICMBio) lançou uma norma que gera polêmica entre os fotógrafos, cinegrafistas e demais profissionais que trabalham com imagens de natureza. Eles costumam questionar a legalidade da Instrução Normativa nº 19/2011, que regulamenta o uso de imagens em UCs federais, dos bens ambientais e do patrimônio nestas incluídos, assim como a elaboração de produtos e exploração da imagem da área, independentemente de fim comercial.

Na prática, a regra trata da realização de filmagens, gravações e fotografias, de caráter educativo, cultural, científico, comercial e publicitário no interior das UCs federais. A maior preocupação de fotógrafos profissionais e amadores é o possível cerceamento da livre expressão artística e cultural.

Para ter acesso às UCs e realizar a captação de imagens, o profissional deve preencher um formulário (eletrônico ou impresso) dirigido à gestão da área, onde o profissional deve informar qual o produto, subproduto ou serviço a ser produzido e se o uso pretendido é ou não comercial. Pede-se uma antecedência de 5 a 10 dias, dependendo do número de UCs em que se pretende trabalhar.

Protesto

A Associação dos Fotógrafos de Natureza (Afnatura) reclama: “O que fica claro é que por trás dessa IN [Instrução Normativa] está uma atitude autoritária, arbitrária, discriminatória e controladora, sem justificativa ambiental e contra o interesse da sociedade. Como a criatividade artística pode ser exercida e valorizada sem se permitir a livre circulação da fotografia como bem cultural? Como utilizar a fotografia como ferramenta de preservação e conservação se para isto deverá passar pelo crivo do ICMBio? ”.

Porém, a regra do ICMBio está fundamentada na Lei do Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza (SNUC), que afirma em seu artigo 33 que a exploração comercial de produtos e imagens das UCs depende de autorização prévia e pagamento. As exceções são  as APAs (Áreas de Proteção Ambiental) e as reservas privadas (RPPN ou Reserva Particular do Patrimônio Natural).

Além disso, o artigo 27 do Decreto Regulamentador nº 4.340/02 do SNUC também prevê a cobrança para uso de imagens com finalidade comercial, assim como a gratuidade quando estas forem utilizadas estritamente para fins científico, educativo ou cultural.

Para Leonardo Milano, fotógrafo e analista do ICMBio, “é preciso que o diálogo seja reestabelecido, e que haja coerência e bom senso, pois há equívocos dos dois lados, seja pela interpretação e difusão errônea da lei, seja pela falta de entendimento do órgão sobre as possibilidades de atuação dos fotógrafos”.

Ferramenta

A fotografia amadora e profissional nos parques pode ser uma forma valiosa de ampliar o conhecimento do público sobre o patrimônio natural brasileiro, atraindo turistas para os parques e ampliando sua receita com o aumento da visitação. Com isso, também contribui para reduzir o extrativismo e a caça ilegais, pois gera renda para a população que vive ao redor das áreas protegidas, através da abertura de serviços para receber os fotógrafos, que vão, por exemplo, dos guias de trilhas até pousadas e restaurantes.

Fotógrafos bem orientados são um efetivo informal de fiscalização que as próprias unidades muitas vezes não possuem, como destaca esta reportagem de Fabíola Ortiz, em ((o))eco.

Todavia, embora o ato de fotografar em si não cause danos, sem cuidados, a conduta de fotógrafos pode ser prejudicial à flora e à fauna. Há relatos de mudança de localização de ninhos nas árvores para melhorar o ângulo das fotos, e até mesmo o uso de goma nos galhos para manter beija-flores estáticos. Por isso, é necessário orientar e regrar os fotógrafos sobre o comportamento adequado no parques.

A fotógrafa e birdwatcher Claudia Komesu diz que a presença humana causa impacto na natureza. “No entanto, prefiro o impacto de pessoas andando em trilhas dentro dos parques ao impacto da motosserra destruindo tudo – que é o risco que nossos parques correm, um risco real, que já está acontecendo” diz ela. “Desde 2008, quase 5 milhões de hectares (tamanho do Estado do Rio de Janeiro) deixaram de ser parque com canetadas federais que fizeram com que áreas que estavam protegidas deixassem de ser. E não havia ninguém que as conhecesse para poder protestar”.

Diálogo

Em julho, o presidente do ICMBio, Cláudio Maretti, publicou um post em sua conta pessoal no Facebook em que abre um canal de comunicação para conversar sobre questões relativas às UCs federais, inclusive fotografia amadora / profissional, divulgação das imagens, publicações, horários diferenciados, etc. A iniciativa foi bem recebida pelos interessados, que têm se manifestado opinando e dando ideias.

Em conversa com ((o))eco, Maretti diz que “a princípio, o objetivo deste debate é ouvir, dialogar com a sociedade. Se for necessário ou adequado, pode ser que haja uma nova portaria”.

Dentre os próximos passos, articula-se uma reunião durante o próximo Congresso Brasileiro de Unidades de Conservação (CBUC), que ocorrerá em   setembro, em Curitiba (PR). O grupo de fotógrafos de natureza está elaborando um documento com reivindicações e sugestões com base no que foi debatido na postagem de Maretti. Quem tiver interesse em opinar no documento e se oferecer para participar da reunião no CBUC, pode entrar no grupo (Não) É proibido fotografar. Confira e participe!

 

 

Leia também
Fotografia em UCs, debate sem fim
ICMBio quer facilitar fotografia profissional nos parques

 

 

 

10 comentários em “Fotografia em Unidades de Conservação: o debate está aberto”

    • AUTORITARÍSMO ESCACARADO !

      * sou ativista Sócio ambiental & Fotógrafo, (com formação em Manejo Ambiental) participei da construção desta LEI 2011, que foi transformada em FERRAMENTA DE DITADURA PELOS GESTÔRES DAS UCs, que estão se utilizando da normativa de FORMA ERRADA impedindo todos sem restrições de fazer os registros, INDEPENDENTE DE QUAIS AS INTENÇÕES & UTILIZAÇÃO DOS REGISTROS.

      * VAMOS RETORNAR A SALA DE AULA, VAMOS REFORMULAR A LEI E REGRAS.

      Responder
  1. Os gestores de UCs tinham que entender mais de mercado e ser menos stalinistas. As UCs não são do ICMBio. São NOSSAS! Nos, o povo, os cidadãos e contribuintes deste pais, é que bancamos elas. É um absurdo querer nos impedir de fotografa-las.

    É obvio que se vem o Discovery Channel filmar um documentário com fins lucrativos, a cobrança é apropriada. Mas submeter um fotografo que quer divulgar as fotos em seu blog, ou um agente de viagens que quer divulgar a UC para potenciais visitantes, as mesmas normas é uma estupidez. Isso nunca vai gerar renda para as UCs. Só impede que as imagens delas fiquem conhecidas, atraindo apoio público e visitação.

    O problema é que tem uma galera no governo federal obsecada com "controle". Como não conseguem controlar as motoserras e espingardas, deslocam seu impeto para cima de quem podem, fotógrafos e visitantes.

    Responder
  2. Existe entre muitos gestores, uma ideia errônea de que as imagens destes lugares "valem uma fortuna" e que os fotógrafos ganham dinheiro vendendo-as. Pouquíssimos fotógrafos conseguem vender essas imagens e quando o fazem, certamente não é por um valor que compense os custos de deslocamentos, hospedagem e a própria depreciação do equipamento. Por outro lado, incentivar a fotografia, faz com que o local receba divulgação gratuíta, e ainda contariam com uma legião de "fiscais informais", cuja atuação em nada fica a dever a de funcionários contratados. Será que é muito difícil enxergar isso?

    Responder
  3. Tomara que o dialogo se torne decisão, pois o chefe máximo desta turma fala, fala, fala, fala ,fala ,fala, mas não consegue tomar nenhuma, simplesmente nenhuma decisão.

    Responder
  4. Há um problema ainda maior, no qual este se circunscreve: É preciso refletir o que o ICMbio DEVE cobrar, e não o que PODE cobrar. Pagar entrada em PN e ainda pagar taxa de trilha, é um erro superado nas catartas do Niagra em 1905! Quem o ICMBio aproxima como visitante e quem afasta? São os parque um dos meios de coesão social, ou de reprodução da exclusão? Quais as consequências dessas ações para o apoio da sociedade aos Parques? Alguém consegue imaginar cobrança de fotos em nossas praias? Ou sustentar um corpo burocrático para gerir isso, com tantos problemas maiores?

    Responder
  5. O SNUC tem coisas absolutamente cretinas. E a IN é fruto dessas cretinices. Se não pago para fotografar o Palácio do Planalto e a fauna que por ali circula, porquê deveria pagar para fotografar em um parque?

    Responder
  6. Quando vc despreza uma poderosa e gratuita ferramenta de divulgação das belezas naturais de seu país, vc coloca sob ameaça a existência de emprego de uma classe inútil de servidores gananciosos – ociosos, que preenchem o tempo, criando taxas para fazer caixa para complemento salarial extra? Que certamente vai ser difícil de ser contabilizada. Esse procedimento beneficia às produções de propaganda oficial do governo, que terão diante de si, um vasto manancial de imagens inéditas, impactantes, gratuitas e sem similares no mercado – sopa no mel! É o nosso espírito de sempre encorporado nas autarquias com seu pratrimonialismo hereditário, cartorial- colonial, e chapa-branca ecológico para dar um colorido verde na montagem.
    Pobre país de natureza tão rica! E pobre fotógrafos de natureza ameaçados de extinção! Em memória ao amigo e guerreiro Luiz Claudio Marigo.

    Responder

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.