Reportagens

Esqueletos no armário

Fechada há mais de três décadas e retomada pela floresta, estrada ilegal que cortava o Parque Nacional do Iguaçu ainda figura em plataformas online de órgãos públicos

Aldem Bourscheit ·
29 de março de 2020 · 1 anos atrás
Porção do Parque Nacional do Iguaçu, no extremo oeste do Paraná, antes cortada pela “Estrada do Colono”. Foto: Aldem Bourscheit / Março de 2020. Foto realizada durante sobrevoo da Unidade de Conservação realizado com apoio da Rede PróUC – Rede Nacional Pró-Unidades de Conservação.

Aberta na marra nos anos 1950 por políticos e moradores do oeste paranaense e fechada desde 1986 por repetidas decisões da Justiça Federal, a “Estrada do Colono” foi retomada pela vegetação no Parque Nacional do Iguaçu. Mas, passados 34 anos, o trecho ilegal ainda figura em mapas dos departamentos Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) e de Estradas de Rodagem do Estado do Paraná (DER/PR).

Conforme as informações levantadas pela reportagem, a estrada que cortava a área protegida federal por quase 18 quilômetros ainda é encontrada em mapas oficiais que o DNIT disponibiliza pela Internet. Em um dos arquivos (imagem abaixo), ela figura como uma via de terra ainda em operação. A legenda do mapa é de 2013.

Recorte de mapa do DNIT com a “Estrada do Colono” (PR-495) ainda ativa em trecho (círculo amarelo) que cruzava o Parque Nacional do Iguaçu (limites em pontilhado). O arquivo foi acessado em 26.03.2020.

Questionado, o DNIT afirmou que as “informações referentes à rodovia estadual PR-495 foram fornecidas pelo Departamento de Estradas de Rodagem do estado do Paraná e (…) este Departamento não edita ou corrige as informações que recebe de terceiros”, informou a Diretoria de Planejamento e Pesquisa do órgão federal.

Com a batata quente no colo, o Departamento de Estradas de Rodagem do Estado do Paraná comentou a O Eco que a “Estrada do Colono se refere a uma estrada que cortava o Parque Nacional do Iguaçu, atualmente fechada e não representada em nossos mapas rodoviários ou no sistema rodoviário estadual”. 

Pelo menos desde 2013, data marcada do mapa do DNIT, a malha oficial paranaense de rodovias, estradas e ferrovias reconhece apenas trechos da PR-495 ao norte e ao sul dos limites do Parque Nacional do Iguaçu. O trecho da rodovia que cruzava a unidade de conservação era conhecido como “Estrada do Colono”. 

Em decreto atualizando o sistema rodoviário do Paraná publicado em abril do ano passado a via segue desprezada. O documento foi assinado pelo governador Ratinho Júnior, pelo chefe da Casa Civil, Guto Silva, e pelo secretário de Estado de Infraestrutura e Logística, Sandro Alex.

Todavia, o DER/PR, vinculado justamente à Secretaria Estadual de Infraestrutura e Logística, ainda faz referências à “Estrada do Colono” em seus mapas rodoviários de 2019. Um dos arquivos aponta o início e o fim da via (imagem abaixo), que nunca foi reconhecida por Ibama ou ICMBio, os órgãos ambientais federais.

Arquivo para Google Earth disponibilizado pelo DER/PR (acesso em 26.03.2020) aponta o Início e o Fim da E.d.C. – Estrada do Colono. A mancha verde contínua é o Parque Nacional do Iguaçu.

A insistência dos órgãos públicos em representar a “Estrada do Colono” se refletia em bases globais de mapeamento. Até ser questionado, em meados de Março, o Google Maps seguia exibindo o traçado da antiga via através da área protegida federal.

No fechamento desta reportagem, o Google Earth seguia marcando o “Início da E.d.C.” e “Fim da E.d.C.”, como no arquivo disponibilizado pelo Departamento de Estradas de Rodagem do Estado do Paraná.

Fontes consultadas e pesquisas realizadas pela reportagem apontaram que as plataformas usam imagens de satélite e também dados públicos para exibir o traçado de rodovias, estradas e ferrovias em todo o planeta.

Flagrante ilegalidade 

Clóvis Ricardo Borges é diretor-executivo da SPVS – Sociedade de Pesquisa em Vida Selvagem e Educação Ambiental, com sede em Curitiba (PR), e avalia que os departamentos Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) e de Estradas de Rodagem do Estado do Paraná (DER/PR) agem de forma ilegal mantendo a “Estrada do Colono” em seus mapas públicos e, assim, fazem coro com aqueles que agem pela reabertura da via através do Parque Nacional do Iguaçu.

Como mostramos em O Eco, em Março, na legislatura atual o deputado federal Vermelho (PSD-PR) e o senador Álvaro Dias (Podemos-PR) defendem a obra, também apoiada por Jair Bolsonaro, pelo governador do Paraná Ratinho Júnior (PSD), por deputados estaduais e por prefeitos do oeste paranaense.

“DNIT e DER/PR manterem a estrada em seus mapas é uma ilegalidade explícita e uma agressão ao Judiciário e ao ICMBio. Este comportamento está fortemente arraigado nas decisões destes órgãos públicos, em boa parte amparados pelos interesses privados em obras de qualquer porte ou natureza. Uma ação judicial deveria impor a retirada destas informações de suas bases de informações”, ressaltou Borges.

 

Leia Também 

Estrada no Iguaçu pode beneficiar negócios de parlamentar que propõe a obra

Estrada-parque é balela para desmatar um dos principais parques do país

Se Ratinho acha que vai reabrir Estrada do Colono com consenso, está iludido

 

 

  • Aldem Bourscheit

    Jornalista cobrindo histórias sobre Conservação da Natureza, Crimes contra a Vida Selvagem, Ciência, Comunidades Indígenas e ...

Leia também

Análises
9 de fevereiro de 2020

Se Ratinho acha que vai reabrir Estrada do Colono com consenso, está iludido

Em Cascavel, governador disse ser a favor de reabertura de estrada que corta a parte mais preservada do Parque Nacional do Iguaçu

Análises
17 de fevereiro de 2020

Estrada-parque é balela para desmatar um dos principais parques do país

Rede de especialistas em ecologia de transportes prova por A + B porque a proposta de abertura da Estrada do Colono, no Parque Nacional do Iguaçu, jamais se qualificaria como “estrada-parque"

Reportagens
1 de março de 2020

Estrada no Iguaçu pode beneficiar negócios de parlamentar que propõe a obra

Deputado Vermelho e filhos possuem construtoras. Um deles concorreu em edital para recuperar rodovia de acesso ao parque nacional, e sua empresa está em área protegida por lei, às margens do Rio Iguaçu

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1