Reportagens

Zogue-zogue-rabo-de-fogo, o encontro inesquecível

A expedição terminava e, embora os avistamentos de fauna tivessem sido variados, estávamos apreensivos de voltar sem a missão cumprida.

Adriano Gambarini ·
27 de novembro de 2013 · 7 anos atrás

Cachoeira das Andorinhas, Aripuanã. Fotos: Adriano Gambarini
Cachoeira das Andorinhas, Aripuanã. Fotos: Adriano Gambarini

Após vários dias completamente incomunicável, retomo o blog com muitas novidades, acontecimentos, descobertas e mudanças de roteiro. Afinal, se o trabalho de levantamento faunístico já não é fácil nesta Amazônia desconhecida por onde estamos viajando, imagine buscar uma espécie específica de primata, naturalmente tímido, discreto e que vive em pequenos grupos. Ainda mais se tratando do zogue-zogue rabo-de-fogo, cuja área de ocorrência é desconhecida.

Assim, o planejamento original foi mudando a cada quilômetro rodado, trilha caminhada, conversa com os moradores locais. No entanto, um fator tem prejudicado consideravelmente a busca pelo macaco; uma chuva matinal constante, um céu nublado e uma névoa fina que não tem dado trégua. Mesmo já estando dentro dos limites da área que Julio considera ser de ocorrência da espécie, o interflúvio dos Rios Aripuanã e Roosevelt, é importante termos a oportunidade de escutar a vocalização dos grupos de Zogue, que normalmente ocorre no raiar do dia. Porém, com este tempo nebuloso os bichos ficam quietos e se limitam a curtas jornadas em busca de alimento. Isto tem sido péssimo para nossas buscas.

Mesmo assim, ao longo destes últimos 5 dias conseguimos visualizar e documentar várias espécies de primatas; macaco-aranha, barrigudo, cuxiú, duas espécies de mico, macaco-prego, mico-de-cheiro, guariba (ou bugio, como é conhecido no sudeste do país) e duas espécies de zogue-zogue. Surpreendentemente, encontramos um solitário quati macho numa figueira florida, a mais de 20 metros de altura. Aves diversas, irara, inúmeros rastros que iremos detalhar num próximo blog. Em uma expedição itinerante como esta é gratificante lograr estes avistamentos.

Clique nas imagens para ampliá-las e ler as legendas

Voltando ao nosso protagonista, à medida que os dias passavam, o céu nublado acentuava nossa preocupação em não encontrar o rabo-de-fogo. Esta expedição foi delineada por duas demandas principais, essenciais para futuras ações de conservação do WWF-Brasil: uma melhor definição da área de ocorrência da nova espécie, assim como sua detalhada documentação, já que não existem fotos do bicho (salvo as poucas que o Júlio fez na época de sua primeira captura). Por conta disto e com a expedição chegando ao seu final, resolvemos dar uma guinada radical em nosso roteiro e seguimos para a região onde o macaco foi encontrado, às margens do Rio Roosevelt. Lá teríamos, em teoria, mais chance de avistarmos algum eventual grupo próximo das estradas, além de ser uma região propícia à navegação.

Desafiando as estradas esquecidas desta Amazônia Meridional, seguimos por 2 cansativos dias rumo ao noroeste do Mato Grosso. Vimos um estado castigado por décadas de descaso ambiental, onde a força das motosserras deixaram suas marcas; vimos campos dominados por pastos, onde uma floresta outrora ostentou sua imponência.

Mas vimos também, no penúltimo dia da nossa expedição, um grupo de 5 zogue-zogue-rabo-de-fogo forrageando em sua rotina matinal, próximo ao Rio da Dúvida, alheios aos movimentos de moradores locais, caminhões e atividades humanas. Apenas cumprindo a rotina da sobrevivência e nos dando a grata satisfação de cumprir o nosso objetivo.

Confesso que foi emocionante fotografar aqueles pequenos macacos pulando descontraidamente nos galhos finos das embaúbas. E mais, por ter tido a honra de ser o fotógrafo escolhido para esta incumbência.

A expedição chegou ao fim, mas nos próximos dias quero compartilhar o que vimos, de bom e ruim, por este trecho que pode ser considerado um dos mais desconhecidos da Amazônia. Foram tantas imagens, tantos aprendizados, que não devem ser restritos a nós, que tivemos o privilégio de vivenciá-los. Todos devem poder conhecer e saber o que tem acontecido nestes cantos escondidos deste (ainda) fantástico país.

Finalmente, o Zogue-Zogue Rabo de Fogo! Aguardem os próximos posts, mostraremos mais!
Finalmente, o Zogue-Zogue Rabo de Fogo! Aguardem os próximos posts, mostraremos mais!

 

 

 

 

Outros posts desta expedição
Breve histórico da busca pelo Rabo de Fogo
Emoções na BR174, embora sem encontrar a estrela do show
Levantamento de pontos de ocorrência do Zogue-Zogue
Em busca do esquivo Zogue-Zogue-Rabo-de-Fogo

Você pode acompanhar o trajeto percorrido pela expedição nos links abaixo:
O trajeto completo da expedição
O dia-a-dia da equipe
As principais ocorrências

Leia Também
Nova espécie de macaco na Amazônia
Rio da Dúvida

 

 

 

  • Adriano Gambarini

    Adriano Gambarini

    É geólogo de formação, com especialização em Espeleologia. É fotografo profissional desde 92 e autor de 14 livros fotográfico...

Leia também

Notícias
6 de maio de 2021

Responsável por relatório que expõe ineficiência no Ibama, servidor teria sido ameaçado

Rumores indicam que o servidor do Ibama teria sido ameaçado após escrever nota técnica expondo ineficiência do atual sistema de multas do órgão

Notícias
6 de maio de 2021

Organizações pressionam contra decisão de reduzir UCs em Rondônia

Projeto de lei que remove mais de 200 mil hectares de duas unidades de conservação em Rondônia está na mesa do governador para sanção

Notícias
5 de maio de 2021

Salles mente sobre orçamento e Fundo Amazônia em audiência na Câmara

Ministro espalhou desinformação sobre reserva legal e voltou a associar desmatamento à pobreza

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. AvatarPaulo diz:

    $alle$$$, mentindo até morrer. E os Biomas ministros, fod……………