Notícias

Rio lança projeto para conter desmatamento na Mata Atlântica

Em 2016, o estado perdeu mais de 700 mil m² de floresta. Rio de Janeiro foi o município que mais desmatou, seguido por Rio Bonito, Mangaratiba e Parati

Duda Menegassi ·
26 de junho de 2017 · 4 anos atrás
O triste registro do desmatamento ilegal na Mata Atlântica. Germano Woehl Jr./Instituto Rã-bugio.
O triste registro do desmatamento ilegal na Mata Atlântica. Germano Woehl Jr./Instituto Rã-bugio.

Na última sexta-feira (23), foi lançado o Projeto Olho no Verde. A iniciativa é uma parceria entre a Secretaria de Estado do Ambiente (SEA) e do Instituto Estadual do Ambiente (INEA) com a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ/Coppetec), com o objetivo de alcançar a meta de desmatamento ilegal zero na Mata Atlântica até 2018 e conter a destruição do bioma. Em 2016, o estado fluminense perdeu 709.688,0 m² de florestas, número liderado pela capital carioca, que registrou desmatamento de 110.355,8 m². O município que menos desmatou foi Itatiaia, com 518,2 m².

Atento ao problema, o Projeto Olho no Verde realiza o monitoramento sistemático de uma área de sete mil quilômetros quadrados, onde estão os principais remanescentes florestais do estado. Através das imagens via satélite, é possível acompanhar a supressão arbórea mesmo em pequena escala. De acordo com o subsecretário da SEA, Rafael Ferreira, “é possível identificar a supressão de uma única árvore”. Ele explica ainda como funciona o projeto: “Quando observamos áreas com alterações, enviamos aos técnicos para validação. Depois de validadas, as informações são encaminhadas para as unidades regionais próximas. Por meio do sistema, elas recebem os alertas, que são as imagens do satélite, e vão fiscalizar. Após o retorno das operações, os dados são sistematizados para gerar um perfil do desmatamento distribuído pelo estado”.

Polígono de monitoramento do Projeto de Olho no Verde. Divulgação Inea.
Polígono de monitoramento do Projeto de Olho no Verde. Divulgação Inea.

Ao longo de 2016, foram geradas 326 imagens de alertas, das quais 196 confirmaram uma supressão de vegetação ou intervenção irregular no local. Com esse trabalho, a Secretaria espera agilizar o trabalho de fiscalização e se antecipar aos crimes ambientais. A expectativa é que ainda este ano o Olho no Verde possa ampliar seu olhar para outras áreas do estado através de parcerias com os municípios.

O Projeto foi lançado durante o III Encontro de Secretários de Meio Ambiente dos Estados da Mata Atlântica. No mesmo evento, foi divulgado o ranking dos municípios que mais desmataram. O Rio de Janeiro lidera (110.335,8m²), seguido por Rio Bonito (93.983,1), Mangaratiba (62.804,6), Parati (57.512,2) e Cambuci (46.450,2). Quem menos desmatou foi Itatiaia, que registrou 518,2 m² de supressão arbórea ilegal.

 

O avanço do desmatamento na Mata Atlântica

ranking-rj-desmatamento_2016Entre 2015 e 2016, o desmatamento na Mata Atlântica aumentou aproximadamente 60%. Na lista dos 17 estados que abrigam remanescentes do bioma, o Rio de Janeiro apareceu em 12º lugar, com um aumento de 37% comparado ao período anterior. O estado que mais desmatou foi a Bahia, com perda de 122.880.000 m² no período.

Os dados são do Atlas da Mata Atlântica, uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE). A diretora executiva da Fundação, Marcia Hirota, esteve presente no evento da sexta-feira e lamentou os números: “Esse dado é um alerta, um retrocesso. Atualmente temos apenas 12.4% de Mata Atlântica no país. Devemos abrir o olho e pensar o que podemos fazer para que esse desmatamento ilegal seja estancado e ao mesmo tempo contribuir para uma agenda de proteção do que resta do bioma no Brasil”.

Em 2015, os 17 secretários de Meio Ambiente dos Estados da Mata Atlântica firmaram um compromisso para zerar o desmatamento ilegal no bioma até 2018 e ampliar a cobertura da vegetação nativa. O acordo foi selado na carta “Nova História para a Mata Atlântica”. Com apenas seis meses até 2018, os personagens dessa história precisam se apressar para garantir que ela será de fato um novo começo para o bioma.

 

 

Leia Também

Por que o aumento da destruição da Mata Atlântica não surpreende

A cada dois dias, um Ibirapuera de Mata Atlântica desaparece

“Efeito mineração” faz desmatamento na Mata Atlântica subir em Minas Gerais

 

 

 

 

 

 

  • Duda Menegassi

    Jornalista ambiental especializada em unidades de conservação e montanhismo. Escreve para ((o))eco desde 2012. Autora do livr...

Leia também

Notícias
25 de maio de 2016

“Efeito mineração” faz desmatamento na Mata Atlântica subir em Minas Gerais

Estado volta a liderar ranking de destruição do bioma, após desmatar 7.702 hectares de floresta, um aumento de 37% em relação ao ano passado.

Notícias
29 de maio de 2017

A cada dois dias, um Ibirapuera de Mata Atlântica desaparece

Desmatamento no bioma cresceu quase 60% em 2016 em comparação com o resultado anterior. Bahia foi o estado que mais desmatou, com mais de 12 mil hectares

Análises
25 de junho de 2017

Por que o aumento da destruição da Mata Atlântica não surpreende

A Floresta com Araucária sofre um abusivo ataque há mais de 500 anos, num processo histórico suportado por um Estado relapso e conivente com a degradação do patrimônio natural e cultural

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 3

  1. arari capellup diz:

    Desmatamento continua crescendo em rio claro RJ. Só se vê pasto estão acabando com as árvores. O que estão fazendo à respeito? Nós não respiramos bosta de vaca..


  2. Arari diz:

    Desmatamento continua grande em rio claro RJ cada vez que passamos pela serra só morro para pastagem estão destruindo tudo jogam veneno e as árvores secam é horrível .nós não respiramos bosta de vaca precisamos reflorestar rápido e multar essas pessoas o que será feito?


  3. Andreia diz:

    Muito legal esse olho verde!
    Mas de que adianta, se são há pessoal nem infraestrutura suficientes para fiscalização, com os órgãos ambientais na penúria total?!