Notícias

MPF pede que Ibama ignore Salles e mantenha proteção da Mata Atlântica em São Paulo

De acordo com a recomendação do Ministério Público Federal, ato administrativo do Ministro põe em risco bioma e deve ser desconsiderado pelo IBAMA

Duda Menegassi ·
4 de maio de 2020 · 1 anos atrás
MPF pede que Ibama desconsidere decisão do ministro de reduzir proteção na Mata Atlântica. Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

O Ministério Público Federal (MPF) de São Paulo se manifestou hoje (04) sobre a proposta do Ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, que autoriza o reconhecimento de propriedades rurais instaladas em áreas protegidas na Mata Atlântica, em detrimento da Lei da Mata Atlântica, que protege um dos biomas mais ameaçados do país. A recomendação, assinada pelos procuradores da República, Suzana Schnitzlein e Gustavo Soares, pede à superintendência do IBAMA do estado que desconsidere o ato administrativo de Salles e mantenha interdições, autos de infração e outras sanções aplicadas por ocupação ilegal e degradação da Mata Atlântica no estado de São Paulo. O pedido é parte de uma atuação nacional conjunta com os Ministérios Públicos estaduais, articulada pela 4ª Câmara de Coordenação e Revisão do MPF.

De acordo com o MPF, a decisão de Salles, oficializada no início de abril, “se baseia em um parecer da Advocacia-Geral da União emitido por pressão de setores do agronegócio”, segundo o qual o Código Florestal (Lei 12.651/2012) garantiria anistia às propriedades rurais estabelecidas até 22 de julho de 2008 em áreas protegidas, descartando a proteção especial que existe no bioma através da Lei da Mata Atlântica (Lei 11.428/2006). O MPF alerta que as disposições feitas pelo Código Florestal não revogam a Lei da Mata Atlântica que, “embora anterior, deve prevalecer sobre a legislação aprovada em 2012 devido a seu escopo mais específico”.

Em nota, a Procuradoria da República no Estado de São Paulo afirma que “ao negar a prevalência da Lei da Mata Atlântica, o Ministério do Meio Ambiente põe em risco as poucas áreas remanescentes do bioma, que correspondem a menos de 10% da cobertura original ao longo de 17 estados brasileiros.”.

O MPF ressalta ainda que a proposta de Salles “pode implicar o cancelamento indevido de milhares de autos de infração ambiental e termos de embargos lavrados a partir da constatação de supressões, cortes e intervenções danosas e não autorizadas à Mata Atlântica, assim como a abstenção indevida da tomada de providência e do regular exercício do poder de polícia em relação a desmatamentos ilegais”.

A recomendação do MPF (acesse o documento na íntegra) foi redigida na última quinta-feira (29) e a superintendência do IBAMA em São Paulo tem cinco dias, a partir da data de recebimento, para se posicionar e indicar quais providências serão adotadas. Caso não acate a orientação do MPF, ficará sujeito a medidas judiciais, “ressaltando-se que o silêncio será entendido como não acatamento”.

A Lei da Mata Atlântica x Salles

Pela regra da Lei da Mata Atlântica, estabelecida em 2006, todo desmatamento de vegetação no bioma só é permitido com autorização e nunca em áreas de preservação permanente, como topos de morro ou margens de rios. Ou seja, não há a hipótese legal de considerar essa área desmatada sem autorização como área consolidada.

A decisão de Salles determina que a partir de agora os desmatamentos irregulares feitos na Mata Atlântica até 2008 serão anistiados ou terão recomposição menor, seguindo regra prevista no novo Código Florestal, e anula a decisão do próprio Ministério do Meio Ambiente, feita em 2017, de seguir a Lei da Mata Atlântica.

 

Leia também

Salles ignora Lei da Mata Atlântica e flexibiliza proteção

Desmatamento na Mata Atlântica é o menor já registrado

Municípios são essenciais para a conservação da Mata Atlântica

  • Duda Menegassi

    Jornalista ambiental especializada em unidades de conservação e montanhismo. Escreve para ((o))eco desde 2012. Autora do livr...

Leia também

Análises
29 de agosto de 2017

Municípios são essenciais para a conservação da Mata Atlântica

UCs municipais representam 41% das 2.233 áreas protegidas situadas no bioma. Ainda assim, a participação do setor público municipal é frágil

Notícias
23 de maio de 2019

Desmatamento na Mata Atlântica é o menor já registrado

Entre 2017 e 2018, foram desmatados cerca de 113 quilômetros quadrados, quase o tamanho de 3 parques nacionais da Tijuca. É o menor número registrado desde o início das medições

Reportagens
21 de abril de 2020

Salles ignora Lei da Mata Atlântica e flexibiliza proteção

Ministro estabeleceu que norma do Código Florestal seja usada ao invés da Lei da Mata Atlântica para áreas consolidadas. Mudança no entendimento anistia multas por desmatamento   

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 4

  1. José diz:

    MPF e o ativismo ambiental.


    1. Paulo diz:

      Sim, se não, não sobrará nada.

      Aliás, o que restou foi , devido ao ativismo.


      1. isabel andrade diz:

        Muito bom o ato da MPF .Até que enfim ,uma notícia boa


  2. Paulo diz:

    Ah $alleszão fazendo suas lambanças de maldade. O dinheiro "veio', fala alto no silêncio do MMA.