Notícias

MPF cobra agilidade no julgamento de afastamento do ministro Ricardo Salles

A ação foi apresentada há três meses, mas ainda não foi analisada. O documento pede que o ministro responda por desmonte de políticas ambientais

Rafaela Moreira ·
23 de setembro de 2020
O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles. Foto: Marcos Corrêa/PR.

O Ministério Público Federal (MPF) pediu, nesta quarta-feira (23), agilidade no julgamento que solicita o afastamento de Ricardo Salles do cargo de ministro do Meio Ambiente, pelas práticas de desmonte a proteção ao meio ambiente.

Segundo o documento a permanência de Salles tem trazido várias consequências para o meio ambiente, como o número alarmante de queimadas, especialmente na Amazônia. “O aumento exponencial e alarmante do desmatamento da Amazônia, consequência direta do desmonte deliberado de políticas públicas voltadas à proteção do meio ambiente, pode levar a Floresta Amazônica a um ‘ponto de não retorno’, situação na qual a floresta não consegue mais se regenerar”, afirma a ação judicial.

O pedido de afastamento do ministro foi feito há três meses, por 12 procuradores da República e ainda não foi avaliado. A ação tramita na Justiça Federal, em Brasília. 

Enquanto isso, os números de desmatamento e de queimadas só aumentaram, nos meses de julho, agosto e setembro os dados são alarmantes. Apenas em agosto deste ano, os incêndios na Amazônia superaram a média história, do dia 1º até 31, foram mais de 29 mil registros. Comparando o mês de julho deste ano com do ano passado, houve 28% a mais de focos de incêndio na floresta, os dados são do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

O Pantanal também registrou recorde nos incêndios. Em agosto, o bioma teve o segundo maior número de queimadas para o mês em sua história, foram mais de 5 mil focos de calor. Em meio aos incêndios, o bioma único teve perdas imensuráveis de biodiversidade e com a morte de vários animais.

De acordo com a ação judicial, os dados demonstram que a proteção ambiental no Brasil está sendo prejudicada pela desestruturação da política ambiental promovida pelo ministro e os procuradores pede que medidas urgentes sejam tomadas.

*Rafaela Moreira, da Agência Regra dos Terços, especial para ((o))eco.

 

Leia Também 

MPF pede o afastamento imediato de Ricardo Salles do cargo de ministro do Meio Ambiente

Entidades pedem que Ricardo Salles seja investigado por improbidade

Conselho de Ética do Meio Ambiente apresenta pedido de investigação contra Salles

 

Leia também

Notícias
21 de setembro de 2020

Conselho de Ética do Meio Ambiente apresenta pedido de investigação contra Salles

Representação pede ao TCU que seja instaurado oitiva sobre possíveis irregularidades nas contratações do Ministério do Meio Ambiente para Comissão

Notícias
21 de agosto de 2019

Entidades pedem que Ricardo Salles seja investigado por improbidade

Cerca de cinquenta organizações protocolaram documento junto à Procuradoria Geral da República para averiguação de atos de improbidade do ministro

Notícias
6 de julho de 2020

MPF pede o afastamento imediato de Ricardo Salles do cargo de ministro do Meio Ambiente

Procuradores consideram o ministro responsável pelo desmonte do sistema de proteção ambiental do país e o acusam de improbidade administrativa 

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 2

  1. Adin 4029 diz:

    Deixa ele acabar/fundir/juntar com ChicoBio, depois pode tirar…


  2. Paulo diz:

    A justiça dorme zZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZ…….

    Chama para se explicar.