Notícias

Morre o jornalista ambiental Washington Novaes, aos 86 anos

Pioneiro na cobertura de meio ambiente e povos indígenas no Brasil, Novaes faleceu em decorrência de complicações após uma cirurgia para retirada de tumor

Daniele Bragança ·
25 de agosto de 2020 · 1 anos atrás
Jornalista Washington Novaes, em pronunciamento sobre a encíclica do Papa Francisco, no Senado. Foto: Geraldo Magela/Agência Senado.

O jornalismo ambiental perdeu na noite desta segunda-feira (24) um dos seus principais membros e ilustre fundador. Washington Novaes, de 86 anos, morreu em decorrência de complicações após uma cirurgia para a retirada de um tumor descoberto em março. Premiado internacionalmente, seu trabalho popularizou a temática ambiental e indigenista muito antes do assunto virar tema de editorias especializadas. Novaes deixa quatro filhos, esposa e sete netos.

Novaes já foi editor do Globo Repórter e do Jornal Nacional e passou pelas principais redações do país, como Veja, Folha de S.Paulo e O Estado de S. Paulo. No último veículo, publicou colunas entre 1997 e 2019, sendo a última em janeiro de 2019, sobre a mudança da Funai para o Ministério da Agricultura, reforma promovida pelo presidente Jair Bolsonaro logo no começo do mandato. 

Nascido em Vargem Grande do Sul (SP) em 3 de junho de 1934, o jornalista morava atualmente em Goiânia. 

Novaes ganhou o Prêmio Esso Especial de Ecologia e Meio Ambiente, em 1992, pela série de artigos sobre a Eco-92 publicados no Jornal do Brasil e a Medalha de ouro no Festival Internacional de TV de Seul, Coréia do Sul (1985), pela série Xingu – A Terra Mágica, série de dez programas levada ao ar pela extinta Rede Manchete de Televisão, em 1985. 

Ao longo da carreira, Washington publicou mais de doze livros, boa parte deles sobre meio ambiente, povos indígenas e jornalismo. 

Em vídeo, o jornalista André Trigueiro relembrou a trajetória de Novaes e como ele ajudou a formar uma geração de jornalistas. Veja: 

 

Saiba Mais

Acervo Estadão: Washington Novaes [1934-2020] e a missão de despertar a consciência ambiental

Leia Também

Nerd, budista, pai da Biologia da Conservação: a vida maravilhosa de Michael Soulé

Morre Alfredo Sirkis, liderança na defesa do clima e um dos fundadores do Partido Verde

O bicudinho quase foi para o brejo

 

  • Daniele Bragança

    É repórter especializada na cobertura de legislação e política ambiental. Formada em jornalismo pela Universidade do Estado d...

Leia também

Análises
9 de outubro de 2018

O bicudinho quase foi para o brejo

O bicudinho do brejo é uma ave monogâmica de menos de 10 g, que se não fosse Bianca e Marcão poderia estar extinta antes de ser conhecido pelos brasileiros

Notícias
10 de julho de 2020

Morre Alfredo Sirkis, liderança na defesa do clima e um dos fundadores do Partido Verde

Ex-deputado foi vítima de um acidente de carro em Nova Iguaçu (RJ). Seu último livro foi o recém-lançado “Descarbonário”, sobre os 40 anos de experiência na área do clima

Colunas
28 de junho de 2020

Nerd, budista, pai da Biologia da Conservação: a vida maravilhosa de Michael Soulé

Passou quase despercebido no Brasil o fim da vida de uma das pessoas mais importantes para a conservação da biodiversidade do planeta

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta