Notícias

Marco Aurélio solta mandante do assassinato de Dorothy Stang

Ministro do STF concedeu habeas corpus ao fazendeiro Regivaldo Galvão, o Taradão, condenado por encomendar a morte da missionária, assassinada em 2005

Daniele Bragança ·
25 de maio de 2018 · 3 anos atrás
Local onde Dorothy Stang foi assassinada há 13 anos. Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil.

O ministro do STF, Marco Aurélio Mello, concedeu na quinta-feira (24) um habeas corpus ao fazendeiro Regivaldo Galvão, o Taradão, condenado por encomendar a morte da missionária Dorothy Stang, assassinada em 2005. O ministro afirmou que a execução da pena a partir da 2ª instância é “precária” e “não tem efeito vinculante”. Ou seja, cada ministro deve decidir com base no próprio entendimento.

E foi o que o ministro fez, concedendo o benefício para que o fazendeiro aguarde em liberdade todas as apelações feitas nas instâncias superiores do Judiciário. Regivaldo foi solto na tarde desta sexta-feira (25).

Dorothy Stang foi assassinada com 6 tiros enquanto caminhava por uma estrada de difícil acesso em Anapu, no Pará, em 2005. Tinha 73 anos. A emboscada foi encomendada por fazendeiros insatisfeitos com o trabalho da religiosa, que lutava pela criação dos assentamentos Esperança e Virola-Jatobá, alvo de disputa entre fazendeiros e assentados. O local já era reconhecido pelo Incra como pertencente à União, mas os fazendeiros reclamavam pela posse da área.

Apontado como o principal mandante do crime, Reginaldo Galvão foi condenado a 30 anos de prisão pelo Tribunal do Júri em abril de 2010. Em agosto de 2012, recebeu o primeiro habeas corpus. Ele ficou livre até julho de 2017, quando o STF revogou o dispositivo e ele voltou para à cadeia. A defesa apelou ao Superior Tribunal de Justiça (STJ), perdeu, e apelou de novo, dessa vez para o STF, onde teve o pedido aceito.

Impunidade

Impunidade: placa em homenagem à Irmã Dorothy está crivada de balas. Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil.

A Comissão Pastoral da Terra soltou nota repudiando a decisão do ministro. Segundo a Pastoral, a impunidade alimenta a violência no campo.

“Vivemos a lamentável situação em que autoridades de diversas instâncias, tanto do Executivo, quanto do Legislativo e do Judiciário dão o suporte que esses latifundiários precisam para continuar impondo seus interesses sobre os povos e comunidades”, diz a nota.

Em 2009, uma placa em homenagem à Dorothy Stang e outros “mártires que tombaram na luta pela preservação da floresta e reforma agrária na Amazônia” foi pregada numa árvore no município onde a missionária foi morta. Em 2015, a Agência Brasil foi até o local e constatou que a placa ainda estava lá, porém crivada de balas, um alerta nada sutil sobre qual o destino esperado para quem ousa contrariar os interesses dos poderosos locais.

 

Leia Também 

Metade das mortes de ambientalista no mundo ocorreu no Brasil

Assassino confesso de Dorothy Stang cumprirá pena em casa

A herança de Dorothy

 

 

 

  • Daniele Bragança

    É repórter especializada na cobertura de legislação e política ambiental. Formada em jornalismo pela Universidade do Estado d...

Leia também

Reportagens
17 de fevereiro de 2005

A herança de Dorothy

Pressionado pela violência no Pará, Governo anuncia áreas de proteção ambiental totalizando 5 milhões de hectares e um projeto de gestão das florestas públicas.

Salada Verde
4 de julho de 2013

Assassino confesso de Dorothy Stang cumprirá pena em casa

Condenado a 27 anos de prisão por homicídio, o pistoleiro Rayfran das Neves Sales foi beneficiado pelo regime de progressão de pena.

Notícias
17 de abril de 2014

Metade das mortes de ambientalista no mundo ocorreu no Brasil

Ranking realizado em 35 países contabilizou 908 assassinatos entre 2002 e 2013. No Brasil, 448 pessoas foram mortas por defender o meio ambiente

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta