Notícias

Investidores e empresas pedem a manutenção da moratória da soja

Em carta enviada ao presidente Jair Bolsonaro, varejistas como Tesco e Carrefour afirma que desejam continuar investindo na indústria brasileira se o acordo for mantido

Sabrina Rodrigues ·
5 de dezembro de 2019 · 2 anos atrás
Em vigor há 13 anos, moratória da soja se tornou alvo de críticas da ministra da Agricultura, Teresa Cristina e de grupos ligados ao agronegócio. Foto: Marilze Venturelli Bernardes.

Investidores e empresas, entre elas, as varejistas Tesco e Carrefour, estão entre os 84 nomes que enviaram uma carta ao presidente Jair Bolsonaro pedindo a manutenção da moratória de soja na Amazônia. O apelo vem num momento em que crescem pressões pelo fim do acordo. A carta foi enviada na terça-feira (03).

A moratória da soja é um acordo entre produtores e associação de exportadores de graus onde essas entidades se comprometeram a não comercializar nem financiar soja produzida em áreas que foram desmatadas na Amazônia a partir da assinatura do pacto, em 2006.  

“Queremos poder continuar nos abastecendo ou investindo na indústria brasileira da soja, mas se a moratória da soja na Amazônia não for mantida, isso colocará em risco o nosso negócio com a soja brasileira”, escreveram os signatários na carta.

A carta é coordenada pelo Farm Animal Investment Risk & Return, uma rede de investidores que orienta esses agentes sobre os riscos e onde aplicar os seus investimentos. 

Os investidores não querem sua imagem associada ao desmatamento da Amazônia. O Brasil é o maior produtor e exportador de soja do mundo. O grão é usado na fabricação de óleo de cozinha, ração de animais e em uma série de produtos, inclusive para o mercado vegano. Para os signatários da carta, a moratória da soja fez com que o produto fosse bem aceito no mercado. 

“Outros benefícios da moratória da soja tanto para o Brasil e quanto para o mercado global incluem: o fornecimento de uma solução eficiente para garantir a conformidade legal da soja com a Amazônia; a atração de investimento para o setor brasileiro de soja; e proteção do ciclo da água em que todo o setor agrícola é dependente. Sem a moratória, todos esses benefícios estão em risco”, termina a carta.

A pressão em pról do fim da moratória é liderado pela Associação dos Produtores de Soja e Milho (Aprosoja), que ameaçou  ingressar com uma reclamação no Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE) contra a acusando a Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove). A Aprosoja acusa a Abiove de promover reserva de mercado.  

Em novembro, a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, se manifestou publicamente contra a moratória.  

Saiba Mais

An open letter on soy and the Amazon

 

Leia Também

Ministra da Agricultura critica moratória da soja

Pesquisadores defendem extensão da moratória da soja

Ministro quer expandir moratória da soja para o Cerrado

 

  • Sabrina Rodrigues

    Repórter especializada na cobertura diária de política ambiental. Escreveu para o site ((o)) eco de 2015 a 2020.

Leia também

Notícias
19 de outubro de 2016

Ministro quer expandir moratória da soja para o Cerrado

A proposta foi feita durante evento promovido pela Abiove é um pacto de desmatamento zero: a indústria se compromete a não comercializar nem financiar o cultivo de soja produzido em áreas que foram desmatadas.

Notícias
23 de janeiro de 2015

Pesquisadores defendem extensão da moratória da soja

Estudo sobre a Moratória da Soja mostra o impacto positivo do acordo e sugere não só mantê-lo como estendê-lo para proteger o Cerrado

Notícias
13 de novembro de 2019

Ministra da Agricultura critica moratória da soja

Em evento do agronegócio, Tereza Cristina disse que acha o tratado um absurdo. Movimentação no governo é para acabar com o acordo firmado em 2006

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. SERGIO diz:

    Ainda vamos ter que acompanhar muito atraso vindo deste governo. Preparem os sentidos.