Notícias

Governo autoriza 42 novos agrotóxicos e chega a 239 registros no ano

Dos 42 princípios ativos registrados nesta segunda-feira, 17 são proibidos na União Europeia. Apenas 2 dos 42 novos registros são classificados como pouco tóxicos ao meio ambiente

Fernanda Wenzel ·
24 de junho de 2019 · 2 anos atrás
Pulverização aérea de agrotóxico em plantação. Foto: Pixabay.

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) publicou no Diário Oficial da União desta segunda-feira (24) o registro de 42 novos agrotóxicos. Com isso, eles passam a ter a comercialização permitida no Brasil. Desde o início do ano, já são 239 novas autorizações, o equivalente a 1,3 registros por dia.

Dos 42 produtos registrados nesta segunda-feira, 14 são extremamente tóxicos à saúde humana, 4 altamente tóxicos, 16 medianamente tóxicos e 8 pouco tóxicos. Em relação aos riscos ao meio ambiente, um deles é altamente perigoso ao meio ambiente, 22 são muito perigosos ao meio ambiente, 17 são perigosos ao meio ambiente e 2 são pouco perigosos ao meio ambiente.

Chama a atenção que, dos 42 novos registros, 17 têm como base princípios ativos cujo uso é proibido em todos os países da União Europeia. São eles os herbicidas Tebutiurom, Hexazinona, Atrazina e Ametrina, além dos inseticidas Tiodicarbe e Novalurom. A lista inclui ainda dois novos produtos à base de Glifosato, produto associado a casos de câncer nos Estados Unidos, e o dois novos produtos à base de 2,4-D, um herbicida muito usado nas lavouras de soja e que vem causando prejuízos aos vitivinicultores do Rio Grande do Sul.

Com a exceção de um deles, todos os outros agrotóxicos da lista são genéricos de produtos já vendidos no Brasil. Ou seja, ingredientes antigos que passam a ser vendidos sob novas marcas comerciais. A exceção fica por conta do herbicida Florpirauxifen-benzil, inédito no Brasil. Segundo nota do Mapa, “o produto formulado à base deste novo herbicida, que no futuro poderá ser utilizado para o controle de plantas daninhas na cultura do arroz, ainda está em fase final de análise nos órgãos federais envolvidos, com previsão de finalização para as próximas semanas”. Ainda segundo a nota, este ingrediente ativo ganhou o prêmio de química verde em 2018, e será uma alternativa de menor toxicidade do que os herbicidas disponíveis hoje no mercado. O Florpirauxifen-benzil foi classificado pela Anvisa como medianamente tóxico para a saúde humana e classificado pelo Ibama como perigoso ao meio ambiente. Seu registro ainda está em análise na União Europeia.

Segundo o Mapa, este foi o primeiro novo princípio ativo a ser registrado no Brasil em 2019. Na verdade, isso já havia acontecido em 9 de janeiro com o registro do inseticida Sulfoxaflor. Mas apesar de ter sido oficialmente registrado no governo Bolsonaro, a aprovação ocorreu ainda na gestão de Michel Temer.

O Mapa afirma que o objetivo de autorizar a venda de genéricos é aumentar a competição e reduzir o preço dos agrotóxicos para os produtores rurais. Ao mesmo tempo, a atitude contraria o discurso de setores do agronegócio que defendem a entrada de moléculas mais modernas no Brasil, pois estas seriam menos tóxicas que as moléculas antigas.

Errata:

Em 7 de abril de 2019 ((o))eco errou ao afirmar que “no caso dos registros publicados neste ano pelo Mapa, apenas 2 se referem a princípios ativos novos”. Dos dois princípios ativos referidos como novos na matéria, Cloridrato de Cartape e Sulfoxaflor, apenas o último era realmente inédito no Brasil.

 

 

Leia Também 

Governo registra mais três agrotóxicos associados à mortandade de abelhas

Brasil registra mais de um agrotóxico por dia em 2019

Deputados querem retirar Anvisa e Ibama da avaliação de agrotóxicos

 

  • Fernanda Wenzel

    Fernanda Wenzel é jornalista freelancer especializada em Amazônia e meio ambiente.

Leia também

Reportagens
16 de maio de 2018

Deputados querem retirar Anvisa e Ibama da avaliação de agrotóxicos

O que você prefere: comer um alimento com agrotóxicos ou defensivos fitossanitários? A adoção do nome menos "depreciativo" é apenas uma das mudanças previstas no chamado PL do Veneno

Reportagens
7 de abril de 2019

Brasil registra mais de um agrotóxico por dia em 2019

Foram 121 novos registros em 3 meses de governo e maioria dos produtos são antigos. 41% dos agrotóxicos registrados são extremamente ou altamente tóxicos

Reportagens
26 de maio de 2019

Governo registra mais três agrotóxicos associados à mortandade de abelhas

Os produtos estão em uma leva de 31 agrotóxicos registrados na última semana. Já são 197 novos registros em 2019, uma média de mais de um por dia

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 6

  1. Edilson diz:

    Bom dia a todos tinha de acabar com os defencivos agricola e deixar as pragas comer tudo, para ver o povo dos grandes centros comprar da europa a comida ja que la e tudo melhor que aqui no Brasil, acho que esta na hora de todos ir para o campo ver o que realmente acontece e não ficar criticando.


  2. Flavio diz:

    Boa Bozo!!!!! Votei em vc pq odiava o molusco e sua turma.
    Nao preciso de mais tempo como muitos, " eh cedo ainda pra dizer" vc eh outra farsa assim como o governo anterior.
    Cheguei a esta conclusao de que nao importa se eh direita ou esquerda centro ou sei la o que. Brasil nao tem jeito.
    Continue assim a abrir as pernas pros EUA e Israel. Em dois anos todos vao te comparar ao sapo barbudo e a esperan;a de um Brasil melhor
    sera enterrada de uma vez por todas.


  3. danyrius19 diz:

    São novos registros para comercialização. Nessa leva entram os genéricos, os novos (só foram registrados dois em 2019) e os com princípios ativos já comercializados, mas que serão usados em outras culturas ou com combinações diferentes do produto "original". Atualmente temos 2305 produtos agrotóxicos comercializados em todo o Brasil. Até 2018 eram 2006.


  4. George diz:

    Bem, "novo" mesmo só tem um, que segundo a reportagem seria menos nocivo do que outros – "prêmio de química verde", seja lá o que for isso.

    Agrotóxico é ruim, e agrotóxico banido nos países civilizados é pior. Mas não parece que houve "novos agrotóxicos" aprovados até agora, a não ser esse "verde." Ou estou entendendo mal as próprias matérias na imprensa?


  5. Paulo diz:

    Eta farra quimica do dinheiro.


  6. Glauco D diz:

    A serviço do lucro. Simples assim!