Notícias

Floresta Nacional do Jamanxim: Policial é morto durante operação do Ibama

Agente foi baleado no pescoço após equipe sofrer emboscada. Operação combatia desmatamento ilegal na área protegida. Polícia Federal investiga o caso.

Daniele Bragança ·
20 de junho de 2016 · 5 anos atrás
Garimpo ilegal na Floresta Nacional do Jamanxim. Foto: Badaró Ferrari/Ascom/Ibama.
Garimpo ilegal na Floresta Nacional do Jamanxim. Foto: Badaró Ferrari/Ascom/Ibama

Madeireiros que agem ilegalmente dentro da Floresta Nacional de Jamanxim, em Novo Progresso, Pará, parecem ter incluído assassinato na lista criminal. Na sexta-feira (17), o policial João Luiz de Maria Pereira foi morto durante operação do Ibama de combate ao desmatamento e garimpo no local. O homicídio está sendo investigado pela Polícia Federal e já existe um suspeito.

A operação contava com o apoio da Secretaria de Segurança Pública do Estado do Pará. Durante a fiscalização, os agentes destruíram o acampamento dos madeireiros. Não havia ninguém no local. Na volta, a equipe foi atacada a tiros. A emboscada ocorreu por volta das 15h30, numa estrada conhecida como Vicinal da Francy, a cerca de 80 quilômetros da área urbana de Novo Progresso. O sargento João Luiz foi baleado no pescoço e no ombro e morreu a caminho do hospital, 40 minutos após o ataque. O policial tinha 44 anos e era do Grupamento Tático Operacional do Comando Regional da PM de Itaituba.

Na véspera da emboscada, a mesma equipe havia apreendido um trator, um caminhão e várias motosserras que pertenceriam aos invasores. Segundo o Ibama, o ataque foi uma retaliação pela ação dos agentes no local.

Em entrevista a ((o))eco, Jair Schmitt, coordenador geral de Fiscalização Ambiental do Ibama, afirmou que a equipe do Ibama já vinha sendo ameaçada por criminosos.

“Hoje, a Flona de Jamanxim é uma das mais violentas da Amazônia e essa região tem assassinos profissionais envolvidos com desmatamento no garimpo e na grilagem de terras públicas. Existem investigações da Polícia Federal e do próprio Ibama que demonstram todo esse cenário de criminalidade”, afirma.

Divulgação: Ibama.
Divulgação: Ibama.

A operação de fiscalização e combate ao desmatamento foi realizada com base nos alertas de desmatamento gerados pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE). O município de Novo Progresso, no Pará, onde fica a floresta, está no topo da lista de campeões de desmatamento do INPE.

Se a cidade já tem seus problemas, a Floresta Nacional de Jamanxim, criada em 2006 dentro de um pacote ecológico de 2,8 milhões de hectares que o governo usou para combater o desmatamento ao longo da rodovia Cuiabá-Santarém, a BR-163, é um combo para o crime organizado.

“As três principais motivações do desmatamento na região são a grilagem de terra públicas, onde se desmata para vender a terra, a exploração ilegal de madeira, onde se extrai a madeira dentro da Flona do Jamanxim e a atividade garimpeira no local. Todas elas movimentam dinheiro e fortalecem as estruturas criminosas”, explica Jair Schmitt.

Com 1,3 milhões de hectares, até 2014, a unidade perdeu cerca de 11% do seu total para o desmatamento. Ainda segundo Schmitt, mais de 90% do desmatamento em Unidade de Conservação está concentrada nessas áreas protegidas localizadas ao longo da BR 163, como a Floresta Nacional de Itaituba, o Parque Nacional de Jamanxim e a Floresta Nacional de Jamanxim.

 

 

Leia Também

Bom Futuro: morte de policial mostra precariedade da Flona

Ibama estoura garimpo ilegal no Parque Nacional do Jamanxim

Um outro desfecho para Jamanxim

 

 

 

  • Daniele Bragança

    É repórter especializada na cobertura de legislação e política ambiental. Formada em jornalismo pela Universidade do Estado d...

Leia também

Reportagens
20 de agosto de 2009

Um outro desfecho para Jamanxim

Governo estuda revisão dos limites da Floresta Nacional do Jamanxim (PA) enquanto mega operação de fiscalização se depara com centenas de queimadas para ampliação de desmatamentos antigos.

Notícias
17 de junho de 2015

Ibama estoura garimpo ilegal no Parque Nacional do Jamanxim

O garimpo ilegal ocupava uma área de 17,5 hectares dentro da área protegida. Foram apreendidas retroescavadeiras, geradores e maquinário.

Notícias
21 de novembro de 2013

Bom Futuro: morte de policial mostra precariedade da Flona

Invasores desrespeitam lei e matam policial da Força Nacional durante ação de reintegração da floresta que já perdeu 65% da área original.

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 2

  1. larissa diz:

    madeireiras são as responsáveis recebendo e beneficiando a madeira ilegal , a ilegalidade e os crimes são patrocinados por estas madeireiras e com a madeira ilegal tem lucros altissimos


  2. marcio diz:

    os madeireiros que utilizam o serviço de jagunços para dar suporte às suas ações criminosas são da madeireira floresta verde.