Notícias

Ferramenta de monitoramento de fogo no Rio de Janeiro lança campanha de financiamento

Batizado de InFOGO, a ferramenta funciona como uma rede de alertas colaborativa para notificar órgãos competentes sobre incêndios florestais na cidade

Duda Menegassi ·
20 de setembro de 2020
Brigadistas em combate no Rio de Janeiro. Foto: Rafael Ribeiro

As queimadas avassaladoras em curso na Amazônia e no Pantanal estão nas manchetes, mas o problema dos incêndios florestais ocorre em todo Brasil, inclusive na Mata Atlântica e em cidades como o Rio de Janeiro. Especialmente nos meses mais secos, entre junho e setembro, não é incomum os cariocas se depararem com o Maciço da Tijuca ou da Pedra Branca, os principais redutos florestais da cidade, em chamas. Para tentar acelerar o tempo de resposta no combate a esses focos e se valendo do fato do Rio ser uma cidade superpovoada, a organização Mosaico Carioca de Áreas Protegidas desenvolveu a ferramenta InFOGO. A iniciativa conecta o morador, que registra a localização de uma ocorrência de incêndio, aos brigadistas e gestores de unidades de conservação da cidade, que irão proceder com o combate.

A iniciativa foi lançada em junho e, nesse primeiro momento, os alertas têm se concentrado por meio de uma conta única de Whatsapp. O projeto, entretanto, é desenvolver um aplicativo que faça esse intermédio entre o usuário e os responsáveis pela proteção de áreas protegidas cariocas como o Parque Nacional da Tijuca, Parque Estadual da Pedra Branca e Parque Estadual do Grajaú. Para viabilizar a plataforma digital, o Mosaico Carioca iniciou uma campanha de financiamento coletivo (disponível aqui) para cobrir os custos de desenvolvimento e manutenção do aplicativo, junto com a criação de um site próprio para iniciativa. Com os recursos da campanha, também está previsto a compra de equipamentos de combate, que serão cedidos às equipes de brigadistas atuantes no município, e o treinamento de lideranças comunitárias e voluntários em ações de prevenção e combate.

“A gente sabe que um aplicativo demora muito, então viabilizamos uma ferramenta via Whatsapp em que hoje você fotografa o incêndio, manda pro telefone do InFOGO, ele recebe a informação, existe uma curadoria com os coordenadores do InFOGO, que valida aquele incêndio e dispara as informações para as áreas protegidas. Os brigadistas e os gestores das unidades de conservação são os primeiros a receber essa informação”, explica um dos coordenadores da ferramenta, Anderson Ribeiro.

“O financiamento vem para que essa ferramenta saia do Whatsapp e vire um aplicativo de celular e tenha seu próprio site. Para que toda sociedade possa usar e também os órgãos oficiais possam consultar essa ferramenta. Porque futuramente esse aplicativo vai gerar dados e estatísticas sobre onde se tem mais fogo, onde é uma área mais sensível, onde a gente precisa atuar mais e até ajudar a mapear as causas mais recorrentes dos incêndios”, completa.

O financiamento coletivo do InFOGO teve início no dia 02/09 na plataforma Catarse, e tem como meta alcançar a quantia total de 69 mil reais. Acesse aqui a campanha.

 

Leia também

Fogo consumiu quase 30 campos de futebol de floresta no Parque Nacional da Tijuca

Fogo atinge o Parque Nacional da Tijuca

Novo chefe do Parque Nacional da Tijuca será Coronel do Corpo de Bombeiros

  • Duda Menegassi

    Jornalista ambiental especializada em unidades de conservação e montanhismo. Escreve para ((o))eco desde 2012. Autora do livr...

Leia também

Notícias
5 de junho de 2020

Novo chefe do Parque Nacional da Tijuca será Coronel do Corpo de Bombeiros

Nomeação do coronel da reserva Carlos Eduardo Tavares foi feita hoje (05) no Diário Oficial da União. Parque carioca estava sem chefia há quase um mês

Salada Verde
26 de junho de 2020

Fogo atinge o Parque Nacional da Tijuca

Incêndios causados por balões de Festa de São João atingem o Parque Nacional da Tijuca e o Parque Estadual da Pedra Branca, no Rio de Janeiro

Salada Verde
30 de junho de 2020

Fogo consumiu quase 30 campos de futebol de floresta no Parque Nacional da Tijuca

A maior suspeita é que o incêndio, que ocorreu na última semana, tenha sido causado por um balão de São João e atingiu região do Vale do Quitite, na Zona Oeste

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. CELSO JUNIUS diz:

    Muito importante criar mecanismos que permitam que o cidadão comum possa denunciar e acompanhar as ações em prol do meio ambiente!