Notícias

Estado do Rio regenerou 41 km² de Mata Atlântica

SOS Mata Atlântica divulgou o ranking dos municípios fluminenses que mais regeneraram o bioma. Casimiro de Abreu foi a cidade que mais recuperou a floresta em 30 anos

Sabrina Rodrigues ·
6 de fevereiro de 2017 · 5 anos atrás

rppn-fazenda-bom-retiro

O estado do Rio de Janeiro recuperou 40,92 quilômetros quadrados (km²), a área é maior que o município de Mesquita, localizado na baixada fluminense. É como se, em 30 anos, o estado tivesse recuperado, espontaneamente ou por reflorestamento, o tamanho de quase 26 parques do Ibirapuera. O levantamento, divulgado nesta segunda-feira (06) pela Fundação SOS Mata Atlântica e pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), faz uma avaliação detalhada sobre a regeneração da Mata Atlântica no estado do Rio de Janeiro.

Segundo o Atlas, o município de Casimiro de Abreu apresentou mais áreas regeneradas dentro do período avaliado, correspondendo a um total de 267 ha. Em seguida vem a cidade de Itaperuna (com 223 ha), Duas Barras (220 ha), Rio de Janeiro (209 ha) e Vassouras (203 ha).

O estudo foi realizado com base no Atlas dos Remanescentes Florestais da Mata Atlântica, que monitora a distribuição espacial do bioma. O Atlas utiliza a tecnologia de sensoriamento remoto e de geoprocessamento para monitorar remanescentes florestais acima de 3 hectares (ha).

tabela-mata-atlantica-rio-de-janeiro

Política ambiental

No estado do Rio de Janeiro, restam apenas 18,7% de Mata Atlântica. Em 3 décadas, foram desmatados 186.345 mil hectares de florestas no estado. Embora vilão, nos últimos anos o estado conseguiu a façanha de atingir o chamado desmatamento líquido zero, que são quando estados, outrora grandes desmatadores, conseguem diminuir a perda de florestas para números menores que 100 hectares. Entre 2014 e 2015, o Rio perdeu apenas 27 hectares de florestas. O sucesso pode ser explicado com um conjunto de políticas públicas ambientais implementadas, como a criação de novas áreas protegidas, incluindo o incentivo para criação de reservas particulares (RPPNs), e o fortalecimento do serviço de guardas-parques, que agora segue ameaçado.

Nova Friburgo e Silva Jardim, por exemplo, contam com 20 reservas privadas cada uma. Hoje, estado, há um total de 150 RPPNs.

“Agora, o desafio é recuperar e restaurar as florestas nativas que perdemos. Embora o levantamento atual não assinale as causas da regeneração, ou seja, se ocorreu de forma natural ou se decorreu de iniciativas de restauração florestal, é um bom indicativo de que estamos no caminho certo”, afirma a diretora-executiva da SOS Mata Atlântica, Marcia Hirota.

Leia Também

Paraná é o estado que mais regenerou Mata Atlântica

Mudança de gestão ameaça implementação da Agenda Verde no Rio de Janeiro

Todos os guardas-parques do Rio serão demitidos até abril

  • Sabrina Rodrigues

    Repórter especializada na cobertura diária de política ambiental. Escreveu para o site ((o)) eco de 2015 a 2020.

Leia também

Notícias
19 de janeiro de 2017

Todos os guardas-parques do Rio serão demitidos até abril

Contrato não será mais renovado e nova mão de obra deverá ser contratada por uma Organização Social. Mesmo já treinados, 163 guardas serão dispensados

Reportagens
10 de fevereiro de 2015

Mudança de gestão ameaça implementação da Agenda Verde no Rio de Janeiro

Troca de comando e brigas políticas na Secretaria de Ambiente do Rio paralisou por um ano quase todos os programas ambientais desenvolvidos.

Notícias
17 de janeiro de 2017

Paraná é o estado que mais regenerou Mata Atlântica

Levantamento realizado pela Fundação SOS Mata Atlântica e pelo INPE traça panorama da regeneração florestal no bioma Mata Atlântica

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 3

  1. Julia Gomes diz:

    Que notícia boa Sabrina. Fiquei contente em saber desse estudo.
    Continuem assim!


  2. Sousa Santos diz:

    O site " OECO " algum tempo está ficando estranho .
    Aqui deveria se defender o meio-ambiente , mas pelo contrário aqui tem mais gente que apoia madeireiras , caçadores , mineradoras etc. O Brasil acabando com seu maior patrimônio e um site chamado " OECO " como se estivesse incentivando para acabar com tudo.


  3. Dinho souza diz:

    Pelo amor de Deus , excelente iniciativa , mas isso não é nada! do que eu estou vendo , a região do Imbé no Norte do Estado, esta´ cada vez mais cortado de trilhas, e mais desmatado, com animais sumindo junto com a mata. Uma exploração de "turismo ecológico" está violentando a mata cada vez mais, enquanto , imobiliárias " rurais" criam "condomínios juntos à Natureza"!! Tenham dó! não é aceitável esse papo de "condominios junto `a Natureza. Ao contrário tragam a Natureza para a Cidade e para junto aos condominios urbanos. Plantes árvores por todo lado. Nas matas não tem que plantar apenas árvores mas é necessário recuperar o sistema. Umas árvores plantadas não formam um sistema biologico ativo. Culpo o Descaso da politica dos últimos anos , seguindo um viés mais ideológico , deixaram de lado os interesses da Nação básicos