Notícias

Dois filhotes de lêmures preto-e-branco nascem no Zooparque Itatiba

Instituição é a única no Brasil a manter essa espécie Varecia variegata sob cuidados humanos; fêmea deu à luz no dia 27 de agosto. Filhotes passam bem

Daniele Bragança ·
24 de setembro de 2018 · 3 anos atrás
O casal de filhotes. Foto: Zooparque Itatiba (SP).

A equipe do Zooparque Itatiba comemora o primeiro nascimento de filhotes de lêmures-preto-e-branco (Varecia variegata) no país. Originário de Madagastar, na África, a espécie é considerada criticamente ameaçada de extinção pela lista vermelha da IUCN (União Internacional para a Conservação da Natureza).

Os filhotes, um macho e uma fêmea, nasceram no dia 27 de agosto e estão sob os cuidados naturais da mãe.

“A fêmea está cuidando muito bem de seus filhotes sozinha e não foi necessária nenhuma intervenção da equipe do zoo durante todo o período de gestação, nascimento e cuidados neonatais”, explica a bióloga Camila Piovani, coordenadora do Departamento de Biologia e Educação do Zooparque.

Na instituição existem dois machos de lêmures preto-e-branco adultos e duas fêmeas. Os animais foram importados de um zoológico da Áustria. No ano passado, eles formaram casais. Logo depois, um dos casais iniciou a reprodução.

Mãe e filhote de lêmures-preto-e-branco (Varecia variegata) . Foto: Zooparque Itatiba (SP).

A gestação da primata foi acompanhada de perto pelos profissionais do zoo, que evitaram interferir ao máximo no processo. O tempo médio de gestação da espécie é de 14 semanas e meia.

A fêmea e os filhotes passam bem. A mãe tenta proteger ao máximo os filhotes e procura escondê-los assim que percebe a presença de estranhos. “Em mais algumas semanas os filhotes vão começar a explorar o recinto junto com a mãe e ficará cada vez mais fácil observá-los”, afirma Camila.

Em julho, o Zooparque Itatiba comemorou o nascimento de 4 filhotes de pato-mergulhão (Mergus octosetaceus) sem a ajuda de seres humanos. A espécie é uma das aves mais raras e ameaçadas do mundo. A reprodução em cativeiro é um dos principais objetivos de programas de conservação, pois é uma chance de, futuramente, esses animais conseguem ser reintroduzidos na natureza.

Conseguir que uma espécie ameaçada se reproduza na natureza é um dos objetivos dos projetos de conservação. Isso dá esperança de que a espécie pode ser salva da extinção, já que esses filhotes ou os filhos deles poderão ser reintroduzidos futuramente na natureza.

 

Leia Também

Filhotes animam projeto de conservação do pato-mergulhão

O árduo caminho para proteger o pato mergulhão

Vídeo: Qual a importância da reprodução em cativeiro do pato-mergulhão? por Camila Piovani

 

 

 

 

  • Daniele Bragança

    Daniele Bragança

    É repórter especializada na cobertura de legislação e política ambiental. Formada em jornalismo pela Universidade do Estado d...

Leia também

Vídeos
9 de setembro de 2018

Vídeo: Qual a importância da reprodução em cativeiro do pato-mergulhão? por Camila Piovani

Filhotes nasceram em cativeiro, sem ajuda humana. Experiência na reprodução em cativeiro pode salvar a espécie, criticamente em perigo de extinção

Colunas
3 de novembro de 2015

O árduo caminho para proteger o pato mergulhão

Projeto do Instituto Terra Brasilis, na região da Serra da Canastra, busca proteger esta que é uma das dez espécies de aves mais ameaçadas do mundo.

Notícias
14 de agosto de 2018

Filhotes animam projeto de conservação do pato-mergulhão

Zoológico do interior de São Paulo já havia conseguido reproduzir a espécie em cativeiro, mas desta vez os casais de patos-mergulhões não precisaram de ajuda para chocar os ovos

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta