Desmatamento na Mata Atlântica cai para menos da metade em um ano

Desmatamento na Mata Atlântica cai para menos da metade em um ano

Vandré Fonseca
domingo, 27 maio 2018 20:16
Jequitibá no Parque Nacional do Monte Pascoal. Apesar de ameaçada, a Mata Atlântica resiste. Foto: Heris Rocha/Wikiparques.

Após três anos de aumento, o desmatamento na Mata Atlântica diminuiu 56% entre 2016 e 2017, segundo o monitoramento realizado pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais e pela Fundação SOS Mata Atlântica. No ano passado, foram destruídos 12.562 hectares de florestas no bioma, a menor taxa anual desde o início do monitoramento, em 1985.

Na avaliação dos responsáveis pelo estudo, o resultado não é suficiente para afirmar que haja uma tendência de queda, pois nos últimos anos as taxas têm variado bastante, com anos de queda, como em 2011 e 2014, seguidos de períodos de aumento.

Para a Fundação SOS Mata Atlântica, a crise econômica pode ter contribuído para a queda, ao afetar investimentos de setores produtivos e o poder econômico. Porém, segundo a organização, seriam necessários mais estudos para comprovar essa possibilidade.

Porém, as imagens de satélite revelam que a mancha de desmatamento tem crescido no sul da Bahia, noroeste de Minas Gerais, interior do Piauí e centro-sul do Paraná. Nos últimos anos, o monitoramento já vinha registrando desmatamento nessas regiões.

Apesar de uma significativa queda, de 67%, a Bahia é o estado com maior desmatamento registrado entre 2016 e 2017, 4.050 hectares. Minas Gerais, que possui a maior extensão de Mata Atlântica entre os estados, também registrou redução do desmatamento (58%). Foram desmatados 3.128 hectares no estado, durante o período analisado.

Houve aumento na derrubada de floresta em três estados, que não tiveram grande impacto na taxa geral, Goiás (aumento de 11%), Paraíba (94%) e Rio de Janeiro (34%). Nos três estados juntos, o desmatamento chegou a 277 hectares no ano passado. Ceará e Espírito Santo, com 5 hectares (ha), são os estados com o menor total de desmatamento no período.

Restam apenas 12% das florestas originárias da Mata Atlântica

Restam apenas 12% de Mata Atlântica original. Ela abrange 15% do total do território brasileiro e se estende por 17 estados, entre eles 14 no litoral. Setenta e dois por cento da população brasileira e três dos maiores centros urbanos da América do Sul estão em áreas do bioma.

Para o diretor de Políticas Públicas da SOS Mata Atlântica, Mario Mantovani, o combate ao desmatamento passa também pela defesa das leis ambientais, com o Código Florestal e a Lei da Mata Atlântica (11.428/2006). “Muitos setores buscam flexibilizar as diversas leis ambientais, o que não podemos aceitar”, defende. “O ano de 2018 é eleitoral e precisamos cobrar novas posturas dos candidatos e eleitos quanto à agenda socioambiental“, destaca.

Para ele, instrumentos como pagamentos por serviços ambientais e ICMS Ecológico são importantes para reduzir o desmatamento, pois 80% dos remanescentes estão em áreas privadas, de acordo com Mantovani.

 

Leia Também 

Por que o aumento da destruição da Mata Atlântica não surpreende

Rio lança projeto para conter desmatamento na Mata Atlântica

A cada dois dias, um Ibirapuera de Mata Atlântica desaparece

 

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.