Notícias

Desmatamento na Amazônia atinge nível recorde no primeiro trimestre de 2020

Desmatamento de janeiro a março de 2020 chega a 796km², 51% a mais do que em 2019. Acumulado desde agosto já ultrapassa 5 mil km² desmatados

Duda Menegassi ·
13 de abril de 2020 · 1 anos atrás
Desmatamento no Pará. Foto: Marcio Isensee e Sá.

O primeiro trimestre de cada ano costuma ser o que apresenta os níveis mais baixos de desmatamento na Amazônia, devido às chuvas fortes que marcam o inverno amazônico e dificultam a propagação de incêndios e a própria operação de desmate. Este ano, entretanto, nem a chuva impediu que o desmatamento na Amazônia Legal entre janeiro e março alcançasse a marca recorde para o período de 796,08 km², de acordo com os alertas do sistema Deter, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

Os 796 km² desmatados no trimestre, o equivalente a quase 80 mil campos de futebol oficiais, representam um aumento de 51% em relação aos três primeiros meses de 2019 e um recorde para o período desde que o Deter adotou a metodologia atual, há 5 anos. “O mais preocupante é que no acumulado de agosto de 2019 até março de 2020, o nível do desmatamento mais do que dobrou. Isso é o mais preocupante”, ressalta o coordenador-geral do Projeto de Mapeamento Anual da Cobertura e Uso do Solo no Brasil (MapBiomas), Tasso Azevedo.

Entre agosto de 2019 e março de 2020, período referência para o cálculo da taxa anual de desmatamento, o acumulado foi de 5.260,18 km² de área desmatada. No período anterior do ano anterior, entre agosto de 2018 a março de 2019, o acumulado foi de 2.525,5 km².

“Esse aumento no primeiro trimestre tem muito a ver com o ritmo que o desmatamento vinha já desde o ano passado por conta de todas as políticas que afrouxaram a fiscalização, das restrições que houve às operações de fiscalização, da redução do número de multas e tudo mais. O que estamos vendo é um reflexo disso”, analisa o coordenador.

Os estados que lideraram o desmatamento no primeiro trimestre de 2020 foram o Mato Grosso, com 267,07 km² desmatados, e o Pará, com 257,24 km². No Pará também está o município que mais desmatou no trimestre, Altamira, onde foram detectados quase 90 km² de perda de cobertura florestal. Amazonas, Roraima e Rondônia completam o pódio dos 5 estados que mais derrubaram florestas entre 1 de janeiro e 31 de março de 2020.

No ranking das áreas protegidas da Amazônia brasileira com maiores índices de desmatamento em primeiro está a Floresta Nacional do Jamanxim (5,43km²), seguida pela Área de Proteção Ambiental do Tapajós (5,11km²), ambas unidades de conservação localizadas no Pará e, em terceiro, a Reserva Extrativista Chico Mendes, no Acre (3,53km²).

O coordenador do MapBiomas esclarece que os dados levantados pelo DETER mostram o quanto de desmatamento foi detectado nesses meses e não o que efetivamente foi desmatado no período. “Um desmatamento pode ter começado em outubro e terminado em fevereiro, mas o DETER só conseguir detectá-lo em março”.

 

Leia Também 

Pecuaristas poderão regularizar áreas desmatadas para vender bois no Pará

Pandemia terá impacto direto no desmatamento da Amazônia

Desmatamento na Amazônia sobe em janeiro, diz Imazon

 

  • Duda Menegassi

    Jornalista ambiental especializada em unidades de conservação e montanhismo. Escreve para ((o))eco desde 2012. Autora do livr...

Leia também

Salada Verde
16 de fevereiro de 2020

Desmatamento na Amazônia sobe em janeiro, diz Imazon

Corte raso aumentou 74% em relação a janeiro de 2019. Sistema de alerta de desmate aponta que as motosserras continuam cantando na Amazônia

Reportagens
23 de março de 2020

Pandemia terá impacto direto no desmatamento da Amazônia

Crise econômica pode levar à redução do desmatamento para abertura de pastagens, mas também aumentar os garimpos e a grilagem de terras

Reportagens
30 de março de 2020

Pecuaristas poderão regularizar áreas desmatadas para vender bois no Pará

O produtor que comprovar que está respeitando o embargo vai poder continuar vendendo para os frigoríficos

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 8

  1. princesa diz:

    Gente, esse GOVERNO deveria ter vergonha de uma coisa dessas desflorestamento do pulmão do mundo.
    VERGONHA!!!
    É DECEPCIONANTE UMA COISA DESSAS


  2. CRISÓGENES FERREIRA diz:

    Com este governo a situação só tende a piorar nos últimos três restantes anos. Infelizmente as populações desta região ficam à mercê das ações de MERCENÁRIOS!


    1. ROBERTO diz:

      O DESMATE VAI PRA MAIS 7ANINHOS OK


      1. ROBERTO diz:

        AMAZONIA TEM QUE DESAPARECER EM 1000 %


  3. Paulo diz:

    Cadê o sr. Mourão, vice presidente. Cadê o Bolsonaro ,Presidente. Vamos se mexer srs.

    Esta preguiça/inercia é igual a malandragem dos governos federais recentes.

    Muita fala e conversa ao vento.


  4. Willian diz:

    Recentemente ouvimos o Vice presidente Sr. Hamilton Mourão dizer que o peso da mão do governo seria dura em cima destes crimes ambientais.
    Porém não é isso que vemos acontecer, que governo/ ministro são esses que não fazem o mínimo necessário.
    Um cenário terrível que colheremos no futuro.


  5. Paulo diz:

    Bom dia.
    Cadê as forças armadas, prometidas pelo Presidente Jair Bolsonaro, para frear e reverter o desmatamento.


  6. Wallace diz:

    Com um governo destes? Claramente contra as questões ambientais? Não é nenhuma novidade!