Notícias

Debate aponta que rastreabilidade e boas práticas na pecuária são mais rentáveis

Última dia do Seminário Jornalistas em Diálogo expõe a cadeia da pecuária e caminhos para que produção e meio ambiente caminhem juntos, e tem debate com jornalistas internacionais

Redação ((o))eco ·
16 de setembro de 2020
A mesa foi composta pelo pecuarista Mauro Lucio Costa, o pesquisador André Vasconcelos e a jornalista Juliana Tinoco: Foto: Reprodução

O Seminário Jornalistas em Diálogo, organizado por ((o))eco em parceria com o Imazon, chegou ao fim nesta quarta-feira (16). Os três dias de evento tiveram como objetivo principal, como o nome indica, promover um rico debate entre temas socioambientais e capacitar comunicadores. No encerramento, a primeira mesa trouxe um assunto muito discutido atualmente: a pecuária e sua relação, direta e indireta, com o desmatamento. A conversa foi enriquecida pelo pecuarista Mauro Lúcio Costa, vice-presidente da Associação de Criadores do Pará (Acripará), junto ao pesquisador André Vasconcelos, da Trase, empresa que faz o monitoramento da cadeia produtiva do gado para exportação. A mesa teve a mediação da jornalista Juliana Tinoco, da Partnerships for Forest.

As falas de Mauro Lúcio, dono de uma fazenda no interior do Pará e que se dedica a criar rebanho bovino, ajudaram a mostrar não apenas que o diálogo é possível entre agronegócio e meio ambiente, mas também que tem gente no campo tentando reduzir impactos ambientais e atuar com responsabilidade, e que isso é muito mais rentável.

“Essa rastreabilidade é importante para o produtor como gestão da propriedade. Esse é o ponto. é fazer o cara ganhar mais dinheiro fazendo aquilo que é certo, aquilo que o mercado quer. Mas não é porque o mercado vai pagar mais não, é porque ele vai descobrir como que ele produz mais, como que ele tem um fornecedor melhor, de mais qualidade. É esse caminho. Agora o que falta para isso? É informação”, comenta o pecuarista. “Meu faturamento é 16 vezes maior que a média”, acrescenta.

O pesquisador da Trase, André Vasconcelos, ajudou a contextualizar esse mercado da pecuária, responsável por 8,5% do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro e apresentou o trabalho de rastreamento já feito pela Trase, que está disponível para consulta de todos na plataforma online do projeto. O monitoramento mapeia diversas cadeias produtivas de commodities, como a soja e a carne bovina, e faz a conexão entre os locais de produção, as empresas e as exportações – o país final de destino.

Com esse levantamento é possível estimar o risco de desmatamento associado à produção daquela commoditie. No caso da pecuária, entretanto, André ressalta que ainda falta informação, principalmente sobre os fornecedores indiretos, que fazem a cria do bezerro e a engorda, e sobre o consumo do mercado doméstico, ou seja, como a carne é distribuída dentro do Brasil. “Nosso objetivo é aumentar a transparência, para que os frigoríficos consigam combater os riscos associados a cadeia produtiva”, explica o pesquisador.

“É importante compartilhar a responsabilidade desses impactos em todos os diferentes elos dessa cadeia, não só o produtor, não só o consumidor, mas trazer todo mundo junto pra discutirmos as soluções para isso”, pondera André.

Junto com Mauro Lúcio, os dois concordaram que não é necessária a abertura de novas áreas para pastagem e que, se geridas de forma mais inteligente, através da capacitação dos produtores e da tecnologia, é possível aumentar a produção dos pastos existentes e recuperar áreas abandonadas e degradadas. Ou seja, aumentar a produtividade do rebanho sem colocar mais nenhuma árvore abaixo.

Assista na íntegra a mesa “Do pasto ao prato”, disponível abaixo:

Como o mundo vê a Amazônia

Na segunda mesa do dia, dando sequência aos debates sobre jornalismo ambiental, o Seminário contou com a participação de dois jornalistas de veículos internacionais, Sarah Maslin, do The Economist, e Andres Schipani, do Financial Times. A conversa de ambos foi mediada pelo coordenador de comunicação do Observatório do Clima, Claudio Angelo, e abordou as experiências dos profissionais na cobertura não apenas da Amazônia, mas do Brasil, e como o mundo olha para nós.

Os dois falaram sobre as práticas do bom jornalismo, como checar todas as informações, mesmo oriundas de autoridades; ouvir todos os lados e as pessoas, principalmente as comunidades locais, como indígenas e ribeirinhos; e os desafios de “traduzir” o Brasil para o mundo.

Andres também comentou as pressões internacionais que o governo brasileiro tem sofrido em resposta aos descaso com a agenda ambiental e climática. “Ainda não tem uma regulação global que possa fazer uma punição, caso o Brasil desmata mais do que xis % vai ter algum tipo de sanção comercial. Acho que por enquanto muito difícil. Sobretudo porque o Acordo de Paris foi tão difícil e isso foi a primeira parte para tentar harmonizar um pouco as regulações ambientais, imagina se já passa disso para ação policial, de punição. Acho que ainda a engrenagem precisa mais óleo”, opina o correspondente do Financial Times.

Sua dupla no painel, Sarah Maslin, falou também sobre como ainda é necessário quebrar certas versões errôneas e simplistas que às vezes dominam o imaginário estrangeiro sobre o Brasil e o brasileiro.

“A ideia ainda do Brasil que é o Brasil da praia, da floresta, da caipirinha, do carnaval. E o Brasil conservador, do interior, do agricultor da Amazônia é um Brasil que o mundo internacional ainda não entende. E é muito importante tentar explicar porque o leitor não entende que o Bolsonaro pode ter a política ambiental que ele tem, porque eles acham que os brasileiros inteiros são progressistas, que são todos contra o Bolsonaro. E como é que eles têm esse presidente? Então é muito importante também explicar de onde vem o apoio ao Bolsonaro. Tem pessoas na Amazônia que querem esse desenvolvimento, muitos querem derrubar a floresta, porque não conhecem outra opção. Quando a gente fala da Amazônia, a gente precisa falar sobre as pessoas que moram lá, o que eles acham, e às vezes é mais complicado do que a conversa que está acontecendo em Brasília, a conversa que está acontecendo na Nações Unidas, mas é preciso trazer essa conversa”, declara a repórter do The Economist.

Assista abaixo ao debate da mesa “Amazônia nas manchetes do mundo”:

Leia também

Ao negar pauta ambiental como prioritária, Brasil se isola do mundo, aponta Marina

O papel do mercado financeiro, do consumidor e do jornalista na crise ambiental

Bancos injetaram R$ 235 bilhões em frigoríficos desmatadores desde o Acordo de Paris

Leia também

Reportagens
1 de setembro de 2020

Bancos injetaram R$ 235 bilhões em frigoríficos desmatadores desde o Acordo de Paris

No Brasil, indústria da carne é a preferida dos investidores. JBS, Marfrig e Minerva têm fatia de quase R$ 60 bilhões e respondem por 42% dos abates na Amazônia

Notícias
15 de setembro de 2020

O papel do mercado financeiro, do consumidor e do jornalista na crise ambiental

Os debates desta terça no Seminário Jornalistas em Diálogo trouxeram a pauta econômica para pauta ambiental e discutiram a responsabilidade do jornalismo na cobertura na Amazônia

Notícias
14 de setembro de 2020

Ao negar pauta ambiental como prioritária, Brasil se isola do mundo, aponta Marina

Ex ministra do Meio Ambiente foi uma das participantes do 1º dia do Seminário Jornalistas em Diálogo, que teve papo sobre política ambiental e a cobertura jornalística na Amazônia – confira o que rolou

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta