Notícias

Cetesb nega licença para construção de termoelétrica em Peruíbe

Órgão Ambiental de São Paulo conclui que o projeto não tinha viabilidade ambiental. Negativa saiu na edição desta terça no Diário Oficial do estado

Sabrina Rodrigues ·
19 de dezembro de 2017 · 3 anos atrás
A Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb) negou o pedido de licenciamento ambiental do Projeto Verde Atlântico Energia, que previa a construção de uma usina termoelétrica em Peruíbe, no litoral de São Paulo. Foto: Usina Termoelétrica Termoverde, Salvador, Bahia. Foto: Rafael Martins/ AGECOM.
A Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb) negou o pedido de licenciamento ambiental do Projeto Verde Atlântico Energia, que previa a construção de uma usina termoelétrica em Peruíbe, no litoral de São Paulo. Foto: Usina Termoelétrica Termoverde, Salvador, Bahia. Foto: Rafael Martins/ AGECOM.

 

A Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb) negou o pedido de licenciamento ambiental do Projeto Verde Atlântico Energia, que previa a construção de uma usina termoelétrica em Peruíbe, no litoral de São Paulo. Em parecer técnico publicado hoje (19) no Diário Oficial de São Paulo, a Cetesb concluiu pela inviabilidade ambiental do empreendimento, de responsabilidade da empresa Gastrading Comercializadora de Energias S/A.

A termelétrica a gás teria a capacidade de gerar até 1,7 gigawatt, energia que poderia abastecer uma população de aproximadamente 1,7 milhão de habitantes. As linhas de transmissão da usina para ligar ao sistema nacional passariam por dentro de áreas protegidas como o Parque Estadual da Serra do Mar e a Estação Ecológica Jureia-Itatins, além de terras indígenas. O impacto na construção do empreendimento afetaria pelo menos 5 municípios: Peruíbe, Itanhaém, Mongaguá, Praia Grande, São Vicente e Cubatão.  

A construção da usina gerou polêmica desde a sua proposta, unindo população, ONGs, povos indígenas e comunidades tradicionais contrários à instalação do empreendimento. Em agosto, a ONG SOS Mata Atlântica emitiu nota técnica direcionada ao Conselho Estadual do Meio Ambiente (CONSEMA) onde descreve a inviabilidade da construção da termoelétrica por se tratar de “altíssimo grau de risco e impacto ambiental, muito além dos impactos locais e regionais previsíveis para instalação e operação desse tipo de sistema”.

A ONG comemorou a decisão da Cetesb e a considera como uma vitória de toda a população de Peruíbe. “As manifestações da comunidade diretamente afetada pelos impactos ambientais da obra foram ouvidas. Esta é uma vitória de toda a população de Peruíbe, localizada na região que é guardiã do maior refúgio de Mata Atlântica do país”, conclui Beloyanis Monteiro, coordenador de Mobilização da SOS Mata Atlântica.

 

Leia Também

Brasil licencia nova termelétrica a carvão

“Belo Monte é um absurdo e termelétricas são desnecessárias”

Lei de licenciamento já sofre resistências

 

 

  • Sabrina Rodrigues

    Sabrina Rodrigues

    Repórter especializada na cobertura diária de política ambiental. Escreveu para o site ((o)) eco de 2015 a 2020.

Leia também

Reportagens
18 de agosto de 2016

Lei de licenciamento já sofre resistências

Setores agrícola e industrial tentam mudar pontos em projeto do governo que visa agilizar licenças e estabelecer localização do empreendimento como critério de rigor na concessão

Reportagens
22 de janeiro de 2013

“Belo Monte é um absurdo e termelétricas são desnecessárias”

Célio Bermann, especialista da USP, diz que política energética erra feio ao escolher mega obras ineficientes e termos poluentes.

Reportagens
23 de agosto de 2016

Brasil licencia nova termelétrica a carvão

Usina de Ouro Negro, de 600 MW, ganhará licença prévia nos próximos dias; ela aumentará em 7% as emissões de CO2 por eletricidade no país e agravará escassez de água em zona crítica, diz Iema

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. AvatarF.Raeder diz: