Notícias

Autódromo: Justiça suspende audiência que iria decidir futuro da Floresta do Camboatá

Ação popular questiona a existência do Conselho Estadual do Meio Ambiente do Rio, diz que o órgão é clandestino e seus atos, nulos

Daniele Bragança ·
3 de agosto de 2020
Imagem do Campo de Instrução de Camboatá (Área 1) e de área militar anexa ao leste (Área 2). Fonte: Google Earth.

A juíza Roseli Nalin, da 15ª Vara de Fazenda Pública, suspendeu na noite desta segunda-feira (03) a audiência pública que estava marcada para a próxima sexta-feira (07) e que iria decidir o destino da Floresta do Camboatá, em Deodoro, no Rio de Janeiro terreno onde querem construir o novo autódromo da capital. A decisão é liminar e cabe recurso. 

A audiência é uma das etapas obrigatórias para a obtenção da licença prévia do empreendimento, que irá desmatar 200 mil árvores de um dos últimos redutos de Mata Atlântica em terrenos planos na capital.

“Grande vitória nossa”, comemora o advogado e ambientalista Rogério Rocco, um dos autores da ação popular que suspendeu a votação da audiência pública. O advogado Antônio Seixas foi o outro autor da ação. 

É a terceira vez que a audiência pública é adiada na Justiça. Em março, o Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro conseguiu adiá-la, por causa da pandemia. Logo depois, o governo anunciou uma nova data, dessa vez online, para maio. O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ) entrou de novo com um ação e conseguiu suspender a audiência junto à 14ª Vara de Fazenda Pública. Na ocasião, se questionou a ausência de regulamentação das audiências virtuais. A decisão foi mantida em instâncias superiores, mas em julho o ministro Dias Toffoli derrubou a liminar e autorizou a realização da audiência, marcada para ocorrer no dia 7 de agosto. A reunião foi suspensa nesta segunda-feira (03), a partir de uma ação popular que questiona a existência do Conselho Estadual de Meio Ambiente (Conema) do Rio, instância onde a reunião seria feita. 

“O Conselho Estadual de Meio Ambiente do Rio é um órgão clandestino; ele não existe, ele pratica atos que repercutem nos processos de licenciamento ambiental que estão em curso no Rio de Janeiro, de licenças que foram expedidas anos atrás, mas trata-se de um órgão clandestino na estrutura do estado. Tudo ao contrário dos mínimos requisitos de legalidade exigidos para a atuação do poder público. É uma coisa sem precedente, é uma coisa inacreditável o desprezos que esse governo tem com a estrutura de normatização da política ambiental do estado do Rio de Janeiro”, explica Rogério Rocco, em entrevista ao ((o))eco. 

A ação popular elenca uma série de irregularidades na existência do Conema, como, por exemplo, a criação do conselho ter sido por decreto, quando a constituição estadual determina, expressamente, que o órgão seja criado por projeto de lei, ou seja, passando pelo escrutínio da Assembleia Legislativa. 

Outra irregularidade é que o Conselho precisa ser paritário, ou seja, mesmo número de cadeira para o poder público e para a sociedade civil. A atual composição, definida em 2019, tem mais cadeiras para o governo. 

Além disso, as regras de votação virtual, definidas pelo próprio Conema, não estão sendo seguidas pelos próprios conselheiros, como o voto ser encaminhado por e-mail e as atas não divulgadas dentro do prazo previsto por decreto. 

Os advogados argumentam que o Conema não existe e que toda decisão tomada até agora pelo colegiado é nula, logo, não tem validade. Baseado nisso, pediram que a Justiça decidisse, liminarmente, pela suspensão da audiência sobre a Floresta de Camboatá, já que a decisão que sairia de lá “colocava em risco as regras de proteção ao meio ambiente com base na clandestinidade”.

A ação foi protocolada na sexta-feira passada (31) e a justiça decidiu pela liminar nesta segunda-feira (03). 

O que é/O que querem transformar. Imagem: Movimento SOS Floresta do Camboatá/Facebook.

O terreno onde querem construir o autódromo foi concedido pelo Exército Brasileiro à Prefeitura do Rio e é o único fragmento bem preservado acima de 100 hectares de mata de terras baixas na cidade do Rio. Segundo o Estudo de Impacto Ambiental (EIA), há quatro alternativas locacionais para a obra, que não precisaria desmatar uma área de 160 hectares. Em maio de 2019 a Rio Motopark venceu o certame para a construção do autódromo, que seria capaz de receber a Fórmula 1 a partir da temporada de 2021, após o término do atual contrato com São Paulo. O projeto prevê 14 meses de obras e um traçado de 5 quilômetros para provas de automobilismo e motociclismo. 

“O estudo de impacto ambiental aponta quatro alternativas locacionais. O Movimento SOS Camboatá até complementa: que o autódromo seja em outro lugar. Ele [o movimento] não é contra o autódromo, ele só quer que seja em outro lugar. Qualquer outra desses quatro alternativas locacionais é mais viável do ponto de vista ambiental que a Floresta de Camboatá, pois ela é a única que tem que desmatar floresta. Não tem nenhuma com 200 mil árvores e 18 espécies da fauna e da flora ameaçadas de extinção, com a importância ambiental que essa floresta tem. Por que eles insistem?”, pergunta Rocco.

 

Leia Também 

Autódromo: consulta para derrubar a Floresta do Camboatá está marcada para o dia 7

Autódromo de Deodoro: projeto que preserva área está engavetado há 1 ano e meio

No meio do caminho de um autódromo, há uma  floresta

  • Daniele Bragança

    É repórter especializada na cobertura de legislação e política ambiental. Formada em jornalismo pela Universidade do Estado d...

Leia também

Reportagens
30 de junho de 2019

No meio do caminho de um autódromo, há uma  floresta

Jardim Botânico do Rio de Janeiro defende  manutenção de rara vegetação de Mata Atlântica em local reservado a uma pista de corrida

Reportagens
1 de março de 2020

Autódromo de Deodoro: projeto que preserva área está engavetado há 1 ano e meio

Apesar de aprovado por duas comissões, o texto jamais foi levado a plenário. Proposta de transformar a floresta do Camboatá em um novo autódromo do Rio avança

Salada Verde
30 de julho de 2020

Autódromo: consulta para derrubar a Floresta do Camboatá está marcada para o dia 7

Audiência pública virtual foi liberada pelo STF e terá apresentação do relatório de impacto ambiental. Etapa é exigência da legislação para o recebimento da licença prévia

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta