Notícias

Ambientalistas se manifestam contra a redução de áreas protegidas na Amazônia

Documento assinado por 17 entidades socioambientalistas defende a manutenção das Unidades de Conservação e ressalta sua importância para a biodiversidade da região

Sabrina Rodrigues ·
22 de fevereiro de 2017 · 4 anos atrás
Políticos pediram ao ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, para que envie ao Congresso um projeto de lei reduzindo em 37% um conjunto de Unidades de Conservação localizadas no interior do Amazonas. Foto: Flickr
Políticos pediram ao ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, para que envie ao Congresso um projeto de lei reduzindo em 37% um conjunto de Unidades de Conservação localizadas no interior do Amazonas. Foto: Flickr

Um grupo de ambientalistas lançaram essa semana um manifesto contra a edição de um possível projeto de lei (ou medida provisória) que recorta Unidades de Conservação localizadas no sul do Amazonas. Essas áreas protegidas, criadas pela ex-presidente Dilma Rousseff um dia antes do Congresso afastá-la da presidência, são alvos de discordâncias de políticos do estado, que pediram diretamente ao ministro da casa civil, Eliseu Padilha, para reduzi-las em 35%. Se o governo ceder ao apelo, cerca de um milhão de hectares deixarão de ser protegidos.

As unidades impactadas com a possível mudança serão a Reserva Biológica do Manicoré, o Parque Nacional do Acari, as Florestas Nacionais do Aripuanã e de Urupadi e a Área de Proteção Ambiental dos Campos de Manicoré.

Direcionado ao presidente Temer, aos ministros Sarney Filho, do Meio Ambiente, e Eliseu Padilha, da Casa Civil e aos presidentes da Câmara, Rodrigo Maia e do Senado Federal, Eunício Oliveira, o documento ressalta a importância da criação das unidades de conservação com a finalidade de reduzir os fortes impactos observados no sul do estado do Amazonas, decorrente do processo de ocupação irregular que resultou no aumento expressivo da taxa de desmatamento na região.

O documento informa que a manutenção dessas áreas protegidas é crucial para a conservação da biodiversidade regional e para o desenvolvimento de políticas regionais, além do fato que as Unidades contribuem efetivamente com as metas e compromissos estabelecidos pelo Governo Brasileiro tanto em suas políticas públicas internas, estruturadas através do Programa Áreas Protegidas da Amazônia (ARPA) e do Plano de Ação para Prevenção e Controle do Desmatamento na Amazônia (PPCDAM), assim como nos Acordos Internacionais, destacando-se a Convenção da Diversidade Biológica e a Convenção do Clima.

“Remover esta proteção de 1 milhão de hectares contribuirá para o – já notável – aumento do desmatamento na Amazônia, comprometendo também a credibilidade do Brasil diante da comunidade internacional, influenciando negativamente a imagem conquistada após esforços bem sucedidos no combate ao desmatamento e às mudanças climáticas”, afirmam, em nota.

Assinam o manifesto o Instituto Internacional de Educação do Brasil (IEB), Greenpeace Brasil, o Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon), o ISA (Instituto Socioambiental), o WWF-Brasil e mais 12 entidades.

Leia o manifesto na íntegra

Leia Também

Reduzir UCs no Amazonas é ruim para o Brasil, afirma Sarney Filho

Possibilidade de aumento significativo da proteção na Amazônia em áreas sob forte pressão de ocupação

No apagar das luzes, governo Dilma cria 5 unidades de conservação

 

 

  • Sabrina Rodrigues

    Repórter especializada na cobertura diária de política ambiental. Escreveu para o site ((o)) eco de 2015 a 2020.

Leia também

Notícias
12 de maio de 2016

No apagar das luzes, governo Dilma cria 5 unidades de conservação

Cinco novas áreas protegidas foram criadas no sul do Amazonas, sendo três áreas de Uso Sustentável e duas de Proteção Integral.

Reportagens
31 de agosto de 2015

Possibilidade de aumento significativo da proteção na Amazônia em áreas sob forte pressão de ocupação

Governo federal destinou 4 milhões de hectares para criação e ampliação de Unidades de Conservação no Sul do Amazonas, mas recuou sob pressão de produtores rurais e políticos.

Reportagens
8 de fevereiro de 2017

Reduzir UCs no Amazonas é ruim para o Brasil, afirma Sarney Filho

Ministro esteve em Manaus, primeira parada de caravana que faz pelos estados da Amazônia, e criticou proposta de reduzir áreas de Unidades de Conservação criadas por Dilma

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 9

  1. paulo diz:

    Grilagem de terras publicas para os AMIGOS.


  2. Cláudio Maretti diz:

    Muito obrigado, organizações da sociedade civil!

    Obrigado também a O Eco por difundir!

    (Não comprendo bem a que serve na matéria a menção do um dia antes do final… Muitos governos, brasileiros e de outros países, dedicam os seus últimos dias para marcar ou fortalecer seu legado. E isso não é raro, tampouco, na área da conservação da natureza.)


    1. Ombusdman diz:

      Informação não tem que "servir" pra nada além de informar, ora bolas. Fato é fato. O resto é "fake news"


      1. Ombudsman diz:

        Maldito corretor de testo…é Ombudsman, pô!


        1. Absalão diz:

          Maldito corretor de texto…é texto, pô!! kkk


  3. cidadão diz:

    Qual o efetivo de funcionários dessas UCs? Veiculos, infra em geral?


  4. Clarissa diz:

    O link do manifesto dá para o gmail. Podem arrumar?


    1. Daniele Bragança diz:

      Ops, corrigido Clarissa, obrigada por avisar.